sábado, 3 de junho de 2017

Resenha Quando Falta Ar de Ana Cardoso.




Título: Quando Falta Ar.
Autora: Ana Cardoso.
Editora: Belas Letras

Ano de Lançamento: 2016.
Número de Páginas: 96.

Cortesia da editora.


Sinopse: Quem conhece a Associação De Peito Aberto e convive com todas as crianças não imagina nem um centésimo de tudo que suas famílias, e principalmente suas mães, passaram nos últimos anos. Na APA elas brincam, são atendidas por fisioterapeutas, têm auxílio pedagógico, psicológico e muito carinho. Os personagens deste livro são crianças pobres vindas de todos os cantos do Rio Grande do Sul que sofrem com problemas respiratórios, são atendidas pelo Sistema Único de Saúde e apoiadas pela APA e por pessoas que muitas vezes nem as conhecem, mas ajudam com doações. Falta ar, mas sobra amor em uma entidade criada por um médico para atender crianças pobres. Toda a renda deste livro é destinada a manter o projeto vivo.

Opinião:

Esse livro é um pouco diferente do que estamos acostumados a ler: ele é a união de alguns autores e vários contos individuais onde podemos ver a história de crianças com inúmeros problemas respiratórios.

Todas essas crianças são auxiliadas pela APA (Associação de Peito Aberto), eles prestam apoio com acompanhamento pedagógico, psicológico, nutricional e claro muito carinho. Acompanhando as histórias lidamos com dificuldades, como a falta de dinheiro para conseguir os tratamentos necessários e também para o próprio sustento, afinal de conta são crianças pobres vindas de todos os lugares do Rio Grande do Sul e atendidas pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Contudo, também vemos muita alegria e superação e realmente acreditamos em um futuro melhor.

Cheguei a um impasse, pois não sei como fazer um resuminho da história para vocês, visto que são muitas, então fui no escurinho e abri o livro ao acaso para ver qual história narrar.

Essa foi escrita por Marcos Piangers - Ela fala sobre Greyce Helen Furtado Sander. O problema dela começou antes mesmo de nascer, sua primeira cirurgia foi 5 dias após nascer, pois ela tinha um problema de coração, então precisava implantar um marca passo. Quando ela tinha três anos precisou operar novamente e assim sucederam-se mais 3 cirurgias, para manutenção do marca passo. Entre essas idas e vindas ao hospital começou uma tosse, ela tomava remédio a tosse cedia, parava a tosse voltava. Foram tantos nomes, tuberculose, bronquite, pneumonia, mas algumas manchas apareceram no pulmão e começaram as injeções. Hoje ela tem uma vida normal, adora escola, mas gosta mesmo é de estar correndo, tem o sonho de viajar para o exterior e projetar games.

Bom para quem não conhece o clima do Rio Grande do Sul, ele é um veneno para quem tem problemas respiratórios, e falo por experiência própria, escolhi esse livro dentre muitos, porque eu mesma já passei por situações onde me vi sendo levada as pressas ao hospital para fazer nebulização ou tomar muitas injeções para o tratamento da asma e bronquite. Sempre tive o kit de viajem, antialérgico, bombinha, remédio para o nariz, sei o quanto é difícil lutar contra essas doenças não tão silenciosas, pois sempre tinha um chiadinho no fundo da respiração.

Tomara que vocês gostem desse livro, eu me identifiquei muito em função de sentir na pele alguns sintomas e algumas experiencias. E quem puder adquirir essa obra para ajudar o tratamento dessas crianças, seria muito bacana. O livro conta com fotos de alguns personagens, as páginas são amarelas, a leitura é muito rápida e cada criança tem um título muito especial em suas histórias. 



"Katiele de Oliveira Macedo usa óculos de grau com armação cor-de-rosa, tem 4 anos e fala apenas com os olhos quando sorri. Foi uma filha desejada, caçula de uma irmã e dois irmãos. Ao nascer, fez a mãe desaprender o que é sentir medo."
"Que a vida é cheia de encontros e desencontros, eu ja sabia, ou devia saber. Mas não adianta saber isso em abstrato, porque é nas pessoas e nas histórias concretas que a gente enxerga isso." 
De algum lugar saiu esse projeto, do canto de um cérebro repleto de sinapses, de um coração bem grande, com espaço para muita gente, veio a semente. Hoje a associação de peito aberto é uma árvore. Diversos profissionais atendem uma média de 100 crianças por mês. Levam seiva e transformam dificuldades e limitações em ar, vida e sorrisos.

Clique na imagem para aumentá-la.

Um comentário:

  1. Pri!
    Gosto de livros de contos, embora ese pareça bem específico referindo-se a crianças com problemas respiratórios.
    Não sei se vou ler, mas deve ser um livro interessante.
    Desejo um mês cheio de prosperidade e um final de semana abençoado!
    “A sabedoria consiste em compreender que o tempo dedicado ao trabalho nunca é perdido.” (Ralph Waldo Emerson)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir