quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Resenha Perfumes de Paris de Sayonara Salvioli.


Título: Perfumes de Paris.
Autora: Sayonara Salvioli.
Editora: Primavera Editorial.
Ano de lançamento: 2016.
Número de páginas: 160.
Cortesia da editora.

Sinopse: No romance Perfumes de Paris, o luxo e a sedução da belle époque francesa serão o pano de fundo para um amor proibido e envolvente. Junto com os protagonistas, o leitor caminhará pelo Quai des Tuileries e pela Pont Neuf; visitará a catedral de Notre-Dame e se encantará com os Jardins de Luxemburgo. Também será convidado a percorrer outros lugares marcantes da Cidade-luz, como o bairro boêmio de Montmartre e seu glorioso Moulin Rouge. Mas será fora dos círculos de glamour que a protagonista conhecerá o amor. A romântica e – ao mesmo tempo – moderna Charlotte, uma perfumista à frente de seu tempo, encontrará no pintor Pierre o maior sentimento que já conheceu. Porém, o amor chega com uma proibição causada por um antigo segredo. E, logo adiante, o casal enfrentará uma barreira ainda maior e mais severa... Com passagem também pelos canteiros floridos de Grasse – a Capital Mundial do Perfume – e pelos campos de lavanda da região de Provence, Perfumes de Paris apresenta uma história de amor em todas as suas fases: a surpresa, o encanto, o medo, a ameaça, a sensualidade e o êxtase!

Opinião:

Confesso que quando comecei a ler o livro estranhei bastante a forma da narrativa, pois ela é toda feita pela Charlotte. Ocorre que isso é devido a ela estar escrevendo as suas memórias em um diário.

No inicio do livro, não sei se fui eu ou a forma de escrita da autora que fez me perder um pouco com os fatos, pois acho que ela queria passar muita informação sobre a personagem principal e os cenários e acabou se emocionando e tumultuando as coisas. Mas depois que a história principal começa, o livro fica mais fácil de compreender, então vou contar um pouquinho dessa história para vocês.

Charlotte é uma moça a frente do seu tempo, a história é ambientada na Paris do século XIX e ela é a herdeira Armand de Chermont, Marquês du Broc e Conde de Grasse, bem como é uma perfumista muito conhecida, em função de ser herdeira de uma das maiores indústrias de distribuição de perfumes de Paris. Charlotte gosta de participar das noites boemias da cidade, é uma grande admiradora do Moulin Rouge e passa as noites passeando pelas ruas de Paris e seus encantos. E no meio dessas apresentações, performances, cenários e artes, ela começa a ter visões de um rapaz, que a encanta mesmo sem saber quem é.

Um certo dia ela literalmente tropeça e cai nos braços dessa visão, alta, musculosa, com ares de Deus Grego Pierre (um artista de rua que pinta telas da cidade). Ele tem uma situação financeira bem diferente de Charlotte, mas mesmo assim ela decide levar adiante essa relação. E está tudo lindo, perfeito, até o dia em que eles decidem abrir essa relação para o avô da moça, Armand de Chermont. É ai que as coisas começam a dar errado, pois ele não aceita a relação e um grande mistério da família de Chermont começa a ser revelado, pois a história entre Pierre e Charlotte é muito mais antiga do que eles imaginam.

Achei o romance muito bacana, pois nele contém mistérios que não podia nem imaginar. Contudo, achei a leitura um pouquinho arrastada, pois a autora gosta muito de detalhar os lugares, vestimentas e também as atitudes e gestos feitos pelos personagens, pois para cada olhar entre os personagens ela precisava falar da cor dos olhos dele. Ao meu ver, chega uma hora que isso cansa. Também acontece de eles sempre se tratarem com adjetivo extensos, citando deuses, flores, perfumes, etc... Achei algumas repetições desnecessárias.

As páginas são boas para leitura assim como o tamanho das letras, alguns inícios de capítulos contém citações e quando muda a narrativa de um cenário para outro tem flores para separá-los.

Espero que vocês gostem dessa obra pelas partes boas da narrativa, pois para quem gosta de amor, não só do tipo romance, mas sim paixão com cenas bem picantes e de mistérios eu super indico.


E o meu príncipe me arrasta para a sua cama! Nossos corpos querem-se como o sedento no deserto quer a água, como o navegante perdido procura a bússola.
 - Calma! As guloseimas não vão fugir... - Ele passa a língua pelo meu rosto todinho e diz: - Insaciável! Espere, que vou pegar outra coisa que tenho aqui para você.
- Voltou do inferno Apollon? Vá embora daqui!É tudo muito rápido! Fico atônita e não consigo, de imediato, entender o óbvio e pergunto:- O que houve, vovô, para tratar assim o meu namorado? Como pode olhar para Pierre e falar assim com ele?
Clique na imagem para aumentá-la.

3 comentários:

  1. Oi Pri!
    Adorei sua resenha, parabéns!
    Eu qro mto ler Perfumes de Paris, sempre revejo algumas resenhas enquanto isso...
    Gosto mto do enredo, forma da autora apresentar os personagens, não vejo a hora d ler!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Pri!
    O livro tem tudo que gosto: romance, mistério, se passa em Paris do século XIX, protagonista a frente de seu tempo, segredos de família e muita emoção.
    Adoro livro detalhados e escritos em forma de diário.
    “Saber interpor-se constantemente entre si próprio e as coisas é o mais alto grau de sabedoria e prudência.” (Fernando Pessoa)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Oi Pri!
    Sempre vejo esse livro em livrarias e tinha altas expectativas em relação a sua trama. Mas depois de ler a sua resenha fiquei desanimado. Acho o máximo que seja ambientado na Paris do séc XIX, mas não sou uma fã de escritas muito rebuscadas e detalhadas. Mesmo assim fiquei curiosa para saber mais sobre o mistério que envolve a família de Charlotte e Pierre.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir