domingo, 15 de janeiro de 2017

Resenha Ligeiramente Pecaminosos de Mary Balogh.


Título: Ligeiramente Pecaminosos.
Autora: Mary Balogh.
Editora: Arqueiro.
Número de páginas: 272.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Em meio à Batalha de Waterloo, lorde Alleyne Bedwyn é ferido e dado como morto pela família. Ao acordar, ele se vê no quarto de um bordel sem lembrar quem é ou como foi parar ali. Sua única certeza é que deseja conquistar o coração do anjo que cuida dele todo dia. Contudo, assim como ele, Rachel York não é quem parece. Depois de enfrentar uma situação difícil, que a levou a viver numa casa de pecados, agora a bela e inteligente jovem precisa recuperar seu dinheiro e as economias das amigas prostitutas, roubados por um falso clérigo. E o belo soldado de quem vem cuidando parece perfeito para se passar por seu marido e ajudá-la em seus planos. Porém, apesar de ter perdido a memória, Alleyne não perdeu nada de sua sedução. De volta a Londres, os dois se envolvem em um escândalo pecaminoso e, a cada beijo, esquecem que seu relacionamento é apenas uma farsa e ficam mais perto de se entregar à paixão. Neste quinto livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh apresenta um romance repleto de humor, com personagens carismáticos que o leitor não conseguirá abandonar ao fim da história.

Opinião:

Ligeiramente Pecaminosos é o quinto livro da série Os Bedwyns, mas não é necessário você ter lido os livros anteriores para ler esse. Eu mesma não li todos os anteriores.

Rachel York encontra sua antiga ama Bridget nas ruas de Bruxelas e descobre que agora ela é uma prostituta assim como Flossie, Geraldine e Phyllis. Rachel, mesmo assim, decide ser amiga delas. Porém, termina causando mais dano que bem, pois seu noivo, Nigel Crawley, convence-as a dar suas economias, destinadas a futura construção de uma pensão, para que guarde em um banco em Londres.

Contudo, na ida para Londres Rachel descobre que Nigel e a irmã deste são vigarista que planejam roubar a sua futura herança e acaba fugindo e retornando para Bruxelas, onde conta para suas amigas que as economias delas se foram.

As quatros acolhem Rachel e decidem que precisam ir atrás de Nigel. Para tanto, precisam de dinheiro e em consequência, elas tem a ideia de irem catar pertences valiosos dos cadávares da Batalha de Waterloo. Rachel, como se sente culpada, concorda em ir junto.

Ocorre que Rachel encontra um homem nu e desacordado que ainda está vivo e consegue ajuda de um ex-soldado, Strickland, para levá-lo a um médico. Após, ela descobre que ele perdeu a memória e o leva junto com o ex-soldado para a casa de suas amigas. Ou seja, invés de ajudá-las a recuperar dinheiro, acaba conseguindo mais gastos.

Quando o homem acorda, Rachel o apelida de  Jonathan e este termina tendo um plano para que Rachel consiga ter sua herança e ajudar suas amigas.

Eles planejam fingir que se casaram e convencer o tio de Rachel a aprovar o casamento e liberar as joias que foram deixadas para esta, assim eles não tem que esperá-la alcançar a idade de 25 anos. 

Mas as coisas não acontecem como esperavam e acabam descobrindo que o tio de Rachel não era o homem horrível que ela pensava. Ao mesmo tempo que ela e Jonathan vão se aproximando e as quatro amigas vão construindo novas vidas na casa do tio de Rachel.

O livro não inova dentro da categoria romances de época. Possivelmente, o que você pensa no começo vai acontecer no decorrer dele. Mas essa é parte da graça de se ler romances de época, saber que o final vai remeter aos antigos contos de fadas.

O que mais gostei da obra são das quatro prostitutas, estão sempre bem malucas e ao mesmo tempo com um coração tremendamente generoso.

Rachel também se sobressai se importando mais com as amigas do que com ela mesma, mas em alguns momentos termina sendo cabeça dura demais. Jonathan termina sendo irritante em algumas partes do livro, mas se recupera em outras.

Admito que minhas partes favoritas foram quando todos se reuniam e acabavam tendo um plano mais mirabolante que o outro. 

A obras trás uma história romântica e que consegue manter um ritmo agitado que não cansa ao leitor. 

Quanto a capa, não consegui imaginar Rachel como a mulher exposta nela, eu diria que do pescoço para baixo da mulher eu adorei a capa, mas a expressão não me lembra a Rachel que imaginei.

 
- Morri e fui para o céu - murmurou, fechando de novo os olhos. - E o paraíso é um bordel. Ou seria um inferno cruel, já que, lamentavelmente, pareço incapaz de aproveitar as vantagens  da minha boa sorte?

Ora, maldição, aquele não fora um discurso muito cavalheiresco da parte dele, certo? Acabara de informar a uma dama que a primeira experiência sexual dela tinha sido um grande erro e que ela fora uma decepção para ele.

Do ponto de vista de uma pessoa com os pés plantados na terra, um cavaleiro não parece muito distante do chão. Mas quando você é o cavaleiro, ou pelo menos você está sentado diante do cavaleiro - o que dá no mesmo -, o chão parece assustadoramente distante.

No dia seguinte... Ainda não pensaria no dia seguinte. Antes havia aquela noite para viver.
Clique na imagem para aumentá-la.

3 comentários:

  1. Cath!
    sou totalmente apaixonada pelos romances de época, mesmo aqueles, que como esse, não tragam nada de tão inovador.
    Já coloquei como uma das pequenas metas de leitura, ler essa série, deve ser ótima. E sabendo que pode ser lida sem ser na ordem, melhor.
    “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.” (Cora Coralina)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Resenha linda Cath, parabéns!
    Faz tempo q qro ler essa série, leio tantas resenhas, que cada vez mais me interesso, ainda mais sendo o gênero q mais curto!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca tinha visto falar desse livro e essa é a primeira resenha que leio dele! Embora eu esteja ficando um pouco saturada de romances de época, admito que a trama desse me deixou muito instigada. Rachel me pareceu uma daquelas personagens bastante carismáticas, que a gente ama e torce por um final feliz. E deve ser bem interessante acompanhar sua amizade com as prostitutas e como essas garotas de mundos tão diferentes irão se ajudar, além do romance com o soldado desmemoriado. Bjos!

    ResponderExcluir