domingo, 18 de dezembro de 2016

Resenha Natal, Férias e Outras Histórias de Ana Cardoso.


Título: Natal, Férias e Outras Histórias.
Autora: Ana Cardoso.
Editora: Belas Letras.
Número de páginas: 120.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:
O fim do ano chegou. Época de festas, férias escolares, dias mais longos, banho de mangueira. Um período especial que pode servir para nos aproximarmos mais dos nossos filhos, da nossa família e dos amigos. Mesmo quem não tira férias convive mais com os filhos, que se libertam das atividades e da rotina do ano escolar, e têm mais tempo para pular nas nossas camas. Este livro é um apanhado de histórias que aconteceram no fim do ano, memórias e curiosidades de Natal, receitas práticas e saborosas de família, um jogo de tabuleiro encartado para se divertir com as crianças e uma emocionante entrevista com ninguém menos do que o próprio Papai Noel, que estava muito ocupado com seus preparativos e respondeu tudo por e-mail. Escrito pela mamãe rock best seller Ana Cardoso, com participação especial do papai pop Marcos Piangers e das filhas do casal, este é um livro simples e mágico, com o sabor do Natal.

Opinião:

Não sei muito bem como irei resenhar esse livro para vocês pelo seguinte motivo: ele é um apanhado de histórias e receitas, cada página lida é uma experiência nova, e eu confesso que adorei!

Sei que algumas pessoas nessa data do natal ficam tocadas com o sentimento natalino, sei também que tem pessoas que não gostam ou que não comemoram essa data, por motivos pessoais, ou até religiosos, mas esse livro não fala apenas desse assunto, então recomendo para todos essa leitura, pois involuntariamente voltamos para nossas próprias infâncias

O livro é dividido em três partes, a primeira é onde conhecemos um poucos de algumas histórias que aconteceram na noite de natal ou na virada do ano. A Ana conta histórias de quando ela era pequena e de quando foi passar o primeiro natal ao lado do até então namorado Marcos Piangers. E como foi o decorrer dessas datas comemorativas na família dela e dele. Mas confesso que adorei a história narrada por ele, onde ele se veste de Papai Noel e acaba sendo atacado por um enxame de abelhas. Imagina, coitado, não bastava o calor que deve ser dentro daquela roupa, que sufoco ele deve ter passado. 

Entre uma história e outra, vem algumas receitas da tradição da família, como biscoitos, torta de sorvete e mais algumas coisinhas deliciosas, JURO que ainda não botei nenhuma em prática.

E quando você acha que já leu de tudo, da de cara com uma entrevista fresquinha do Papai Noel, essa parte é um pouco mais emotiva, pois ele conta como se tornou um Papai Noel, conta sobre sua vida antes de descobrir esse dom e acaba lembrando algumas histórias emocionantes de crianças que ele ajudou dando muito amor e atenção, embora ele mesmo confesse que é um velho meio turrão

Logo após esse turbilhão de emoção ela começa a contar algumas histórias sobre férias, e o quanto ela se divertia com suas primas, fazendo roupinhas para bonecas, inventando desfiles, ganhando concursos, aprontando muito... Tudo dividido em várias histórias como na primeira parte do livro, e bem ao final temos uma observação especial narrada pela filha mais velha dela, contando como foi suas ultimas férias e o que ela realmente gostaria que tivesse acontecido.  Notamos a diferença entre gerações nesse momento, de brincadeiras e do que significa ter uma boa férias.

Gostei muito do livro, pois além de ser rápida a leitura, ele é muito colorido e enfeitado, me senti segurando uma árvore de natal enquanto lia e junto dele ainda vem um jogo de tabuleiro que dá para toda a família curtir.


A CRIANÇA QUER ENTREGAR O BICO. E AÍ?
Pergunto: "tem mais bico em casa?" Caso positivo, nada feito. Não faço trato pela metade. A criança deve aprender a fazer tratos e cumprir com o tratado. Ou é todos os bicos ou nenhum. Dificilmente eles levam todos pro Papai Noel.
Interessante. Você gera uma reflexão. Devo dizer gostaria é bem diferente de quero. Tira da criança a noção de que ela vai ganhar certamente tal presente. Muito bom.
É BOM SER PAPAI NOEL? Ser Papai Noel é a coisa mais glorificante que eu já fiz na minha vida. Acho que estou ficando com o coração mole. Que assim seja.
Clique na imagem para aumentá-la.

Um comentário:

  1. Pri!
    Deve ser um lindo livro.
    Adoro receitas e fiquei bem curiosa para aprender mais algumas.
    Sem contar com as histórias de Natal descritas no livro, devem ser bem acolhedoras.
    “O Natal não é um momento nem uma estação, senão um estado da mente. Valorize a vida.” (Desconhecido)
    Boas Festas!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir