segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Resenha O Feiticeiro de Terramar de Ursula K. Le Guin.


Título: O Feiticeiro de Terramar.
Série: Ciclo Terramar # 1.
Autora: Ursula K. Le Guin.
Editora: Arqueiro.
Número de páginas: 176.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda. Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários. Publicado originalmente em 1968, O feiticeiro de Terramar se tornou um clássico da literatura de fantasia. Ged é um predecessor em magia e rebeldia de Harry Potter. E Ursula K. Le Guin é uma referência para escritores do gênero como Patrick Rothfuss, Joe Abercrombie e Neil Gaiman.

Opinião: 

Estou meio confusa com a história que li. Primeiro, porque não decorei a maioria dos nomes dos lugares por onde Gavião passou. São muitas fases da vida dele que acompanhei e cada uma é marcada por uma aventura diferente, por isso é difícil saber o que contar para vocês sem revelar spoiler.

Antes de começar a falar sobre a história, devo ressaltar que nesse livro o nome das coisas, pessoas e lugares tem uma importância enorme. Para quem é familiarizado com alguns livros de histórias de magia, sabemos que nomes podem dar aos magos poder sobre tudo, caso ele saiba o VERDADEIRO nome.

Também preciso deixar claro que esse livro foi comparado com o Harry Potter, mas que ele foi lançado muitos anos antes de HP e essa é apenas uma nova publicação do mesmo. Confesso que achei a leitura muito mais sinistra que a de Harry e que em algumas partes do livro fiquei meio tensa lendo, pois Gavião não é apenas ousado, ele é muito inconsequente e mexe com magias obscuras. Não posso deixar de citar que esse livro é uma segunda edição, pois ele foi publicado originalmente em 1968, e se tornou um clássico da literatura de fantasia. 

O livro conta a história de um menino chamado Duny, que foi iniciado na mágica quando era bem novo por uma tia sua. Ela descobriu que Duny tinha esse dom quando por acaso o viu usando magia apenas porque repetiu algumas palavras que ele nem conhecia. Logo que começou a usar seus poderes sua aldeia foi atacada e ele conseguiu conjurar um feitiço que salvou a quase todos, mas infelizmente ele entrou em um transe sem volta. Até que um grande mago veio atrás dele, pois sua história havia percorrido muitos povoados.

Quando o mago encontrou o menino, ele salvou sua vida e lhe deu seu novo nome, o qual poucas pessoas deveriam saber: Ged. Descobrimos nesse momento que ele é um rapaz muito teimoso e orgulhoso, que se deixa ser levado por provocações e invoca uma sombra do mal, a qual seu mentor consegue habilidosamente desfazer. Porém, após isso ele decide ir para uma escola de magia, onde conhece dois rapazes. Um deles se torna um amigo, mas o outro desperta uma fúria dentro dele e isso acaba levando ele através de apostas e provocações para libertar um ser maligno que quer se apossar de sua magia. E assim começa a sua busca pela descoberta de como acabar com esse ser... Será que isso é possível? Pois todos desconhecem o que isso é, qual seu nome e quem o comanda...

Adorei o livro, a capa é maravilhosa e a história envolvente. Recomendo muito para quem gosta de um bom suspense com uma pitada enorme de magia. E preparem-se para lidar com criaturas, monstros e um adolescente muito cabeça dura e orgulhoso. 


Muitos magos com grande poder passaram a vida inteira para descobrir o único nome oculto ou perdido de uma única coisa. E as listas ainda não foram terminadas. Nem serão até o fim do mundo. Preste atenção e você verá por quê... 
- Mestre - falou Ged -, não posso arrancar o nome do senhor, por não ser forte o bastante, e não posso descobrir seu nome com um ardil, por não ser sábio o suficiente. Por isso, me contento em ficar aqui, e aprender ou servir o que o senhor quiser. A menos que, por sorte, o senhor responda a uma pergunta.
- Faça a pergunta.
- Qual é o seu nome?
- Eu pertenço a vocês, por parentesco, costume e pelo ofício que tomei junto a vocês. Eu sou seu mago. Mas é hora de se recordarem que, embora eu seja um servo, não sou seu mago. Mas é hora de se recordarem que, embora eu seja um servo, não sou servo dos senhores. Quando eu estiver livre para voltar, voltarei. Até lá, adeus.

Clique na imagem para aumentá-la.

4 comentários:

  1. Oi Pri. O livro parece muito bom, ate porque gosto desse mundo de magia e tudo mais.
    Não sei se esse livro chega ao ponto de se comparar com o de Harry, claro, ainda não li, mas é uma opinião minha. Mesmo assim, tenho vontade de ler, esse mundo realmente me chama a atenção .
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Adorei a resenha, venho acompanhando mta coisa boa sobre a obra, anotadíssimo aki!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Pri!
    Meu contato com a autora foi ainda na adolescência com o livro A mão esquerda da escuridão e de lá para cá, só a admiro cada vez mais.
    Gostaria de ler esse livro dela porque além de gostar do mundo fantástico, suspense é meu sobrenome...kkkkk
    “Para saber uma verdade qualquer a meu respeito, é preciso que eu passe pelo outro.” (Jean-Paul Sartre)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Parece ser um livro meio sinistro kkkk
    Mas gosto demais de livros fantásticos, ainda mais com bruxos, e acho que sim, o lerei!
    A capa é lindíssima!
    bjs

    ResponderExcluir