quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Resenha Armadilha de Melanie Raabe.


Título: Armadilha.
Autora: Melanie Raabe.
Editora: Jangada.
Número de páginas: 304.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Linda, uma escritora best-seller, vive reclusa em sua casa à beira de um lago desde o assassinato de sua irmã mais nova há doze anos. O assassino nunca foi pego, mas Linda o viu de relance, e agora ela acaba de reconhecer seu rosto na TV. Ele é Victor, um brilhante jornalista. Pensando numa saída para pegá-lo, ela escreve um best-seller baseado no assassinato da irmã e concorda em conceder uma única entrevista à imprensa, em sua casa, para Victor. A partir daí tem início um embate perturbador. Cheio de reviravoltas, tensão e terror psicológico.
Opinião:

O livro "Armadilha" conta a história de Linda, uma escritora famosa, que vive reclusa a mais de onze anos em sua casa, somente conversando com o pessoal de sua editora e com seu cachorro.

Onze anos atrás ela foi na casa de sua irmã Anna discutir sobre um assunto. Quando chegou ninguém atendeu. Como tinha a chave entrou na casa e encontrou Anna morta. Ocorre que Linda viu perto da  janela um homem que logo fugiu.

O assassino de Anna nunca foi descoberto, mas Linda nunca superou o caso.

Anos depois, em uma noite, quando está vendo televisão na sua casa, reconhece o repórter como o homem que viu no quarto de Anna. Em consequência, resolve tentar uma confissão deste, visto que não pode confiar na polícia que a teve como uma das suspeitas.

Então Linda escreve seu novo livro, um romance policial, que conta a história da morte de sua irmã. Depois contata com o pessoal da editora e diz que concede uma entrevista somente para Victor Lenzen. Uma entrevista exclusiva com a famosa autora que recusa dá-las há anos.

Assim Linda se prepara e prepara a casa para o dia da entrevista que dará a Lenzen, que na verdade visa descobrir qual o motivo para ele ter assassinado Anna.

Além de todo o suspense que o livro proporciona, que é muito, também entramos na mente de Linda, a qual é um bem perturbada. Sem contar spoilers, a entrevista não sai como Linda planejou e aos poucos se vê indagando a si mesma se foi realmente Lenzen que assassinou sua irmã e se não poderia ter sido ela mesma.

Ademais, alguns capítulos do livro que Linda escreve para atrair Lenzen são colocados intercaladamente com capítulos do momento atual e eles contam partes do passado de Linda.

Acho que o ponto alto da obra é essa imersão que se faz na cabeça de Linda, que mesmo depois de anos se encontra altamente traumatizada. Você só deve saber o porque: se é porque viu a irmã morta ou porque a matou.

O personagem de Linda foi muito bem construído e é instigante acompanhar ela nessa busca pela verdade. Lenzen também, ele te coloca em dúvida sobre quem é o assassino assim que entra em cena.

De uma maneira estranha, eu senti que o livro é meio poético. Não que tenha poesia, mas a forma de escrever da autora te da essa sensação, a maneira como passa os sentimentos dos personagens.

Li o livro rapidamente, pois assim que passa as explicações iniciais, você se pega naquele turbilhão de emoção e confusão com Linda.

Quem gosta de suspense que se aprofunda em seus personagens vai adorar! Eu gostei da obra e achei a leitura gostosa.

Quanto a capa achei linda! Reflete o local em que Linda mora e ao mesmo tempo se vê uma certa solidão na imagem.    

 

Ouço os passos de Victor Lenzen no corredor. Ouço-o abrir a porta. Estou em pé na cozinha e sei que não posso detê-lo. A porta bate no trinco. O silêncio se espalha em minha casa como uma torrente. Acabou.

Eu a esfaqueio? Eu? Não, não. Isso, não. Dura apenas um breve e terrível instante. Não. Não foi assim! É a música! A presença do monstro! São meus nervos à flor da pele! Talvez ele tenha aplicado alguma coisa em mim! Não estou no meu estado normal! Não estava em meu estado normal pouco antes! Por um breve e terrível instante instante me perguntei se meu intenso sentimento de culpa repousa no fato não de eu não ter conseguido salvar Anna, e sim de... Bom. Talvez não tenha havido nenhum fugitivo. Só eu e Anna. Talvez o fugitivo fosse apenas uma história, uma bela história, que só o cérebro de uma escritora poderia inventar.

De repente, pergunto-me se Lenzen pensa a mesma coisa de mim, ou seja, que eu poderia tentar envenená-lo. Seria por isso que não está comendo nada?

Jonas recarregou a arma, tentou se concentrar e afugentar aquela cena. Já tinha problemas demais, não devia se repreender por esse deslize. Na verdade, não chegou a fazer uma promessa à mulher. Nem poderia, isso devia estar claro para todo mundo. Às vezes, a gente diz esse tipo de coisa: "prometo". É só um modo de dizer. Além do mais, a testemunha já havia sido interrogada; provavelmente ele nunca veria a mulher de novo. Ergueu a arma, tentou não pensar em nada e atirou.  

Clique na imagem para aumentá-la.

8 comentários:

  1. Cat!
    Faz tempo que não leio um bom livro de suspense e aqui ainda tem uma escritora reclusa, cheia de ressentimentos antigos, deve ser um ótimo livro e fiquei bem interessada.
    “A simplicidade representa o último degrau da sabedoria.” (Arthur Schopenhauer)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de OUTUBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Uaaau, que livro intenso! Nunca li algo desse tipo. Mas percebi que o livro todo é envolto em mistério, afinal pela sinopse fica a duvida se foi mesmo esse cara que matou a irma da personagem.
    Com certeza deve ser uma leitura e tanto. Gostei da capa, é bem natural.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Estava doida pra ler uma resenha desse livro! Perfeito!!!
    Preciso ler pra saber esse mistério todo!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que livro maravilhoso! Esse livro foge dos romances que estou acostumada a ler. A resenha ficou bem clara, agora é comprar o livro e matar a curiosidade.

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    Resenha perfeita! Estou ansiosa para fazer a leitura dese livro, ganhei um exemplar em um sorteio. Adoro esse gênero. E agora, lendo sua resenha, mais motivada fiquei.
    Obrigada. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Cath!
    Achei a premissa muito interessante, me lembrou muito a história de A Garota no Trem por causa dessa instabilidade emocional e a dúvida do que realmente aconteceu com a irmã... Gostei muito, só achei que poderiam ter feito a capa um pouco mais chamativa.

    ResponderExcluir
  7. Nossa, adorei a premissa desse livro. Fiquei imersa no suspense apenas pela sua resenha, imagina realmente lendo o livro? Gosto quando acabamos dentro da cabeça do personagem, pois torna muito mais fácil entender as suas motivações. Adorei, e coloquei na minha wishlist.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Ainda não conhecia esse livro, mas a resenha inteira fiquei morrendo de curiosidade para saber quem é o assassino. Gostei muito da historia principalmente pela complexidade da Linda e suas duvidas, sobre o que realmente aconteceu !!

    ResponderExcluir