sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Resenha A Longa e Sombria Hora do Chá da Alma de Douglas Adams.


Título: A Longa e Sombria Hora do Chá da Alma.
Autor: Douglas Adams.
Editora: Arqueiro.
Número de páginas: 224.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Kate Schechter devia ter prestado atenção aos avisos que o universo tentava lhe dar. No aeroporto de Heathrow, prestes a embarcar para a Noruega, a americana pensa em todos os sinais que lhe diziam para não fazer aquela viagem. Ainda assim, ela não está nem um pouco preparada para a explosão do balcão de check-in, que destrói parte do terminal. Enquanto isso, no norte de Londres, o detetive Dirk Gently está no fundo do poço: sem dinheiro, vive de bicos como quiromante numa tendinha. Refletindo sobre seu fracasso, ele lembra de repente que, na verdade, tem um cliente e está absurdamente atrasado para o encontro aquela manhã. Porém, o investigador chega tarde demais. Sentindo-se culpado pela sina do homem, ele resolve mais uma vez fazer uso da interconexão de todas as coisas e vê uma ligação do seu caso com os estranhos eventos no aeroporto. Abrindo caminho em meio aos elementos mais absurdos, Dirk se depara com uma máquina de refrigerante que aparece nos lugares mais improváveis, uma águia hostil que insiste em atacá-lo, um hospital sinistro para casos exóticos, horóscopos insultuosos e uma calculadora de I Ching. Neste delicioso livro que dá continuação à série de Dirk Gently, o leitor se surpreenderá ao observar como todas as peças do quebra-cabeça se encaixam para formar uma trama genial e hilária.

Opinião:

Um aeroporto. Uma explosão. Uma geladeira. Uma maquina de Coca-Cola. Thor. Odin. Deuses. Obviamente, quem conseguiria juntar tudo isso é Douglas Adams.

A obra começa em um aeroporto com Kate tentando pegar seu voo. Ocorre que tinha um homem estranho no balcão tentando comprar uma passagem. Como Kate queria ser atendida logo para não perder o voo se dispõe a pagar para ele a passagem. Mas depois que se resolve o problema do pagamento se descobre que o homem não tinha passaporte. Kate perde o voo e quanto está saindo do aeroporto olha para trás e vê o homem e a atendente e do nada acontece uma imensa explosão que se originou no balcão de atendimento.

Na sua casa, Dirk começa seu dia com uma implicância com sua geladeira. Por tempos nem ele, nem a empregada, abrem a geladeira. Se tornou como uma guerra entre eles para ver quem iria perder. Após todo um transtorno por causa da geladeira ele se lembra que tinha que atender um cliente cedo naquele dia. Com cinco horas de atraso ele chega na casa do cliente e descobre que este foi morto. Um dos problemas é que o cliente contratou Dirk, pois acreditava que havia um monstro com uma foice atrás dele. Imaginem a surpresa de Dirk quando encontra o cliente com a cabeça decepada.

Em outro lugar tem um idoso que adora ficar dormindo em seus lençóis de linho, que é nada mais nada menos, que Odin, o Pai de Todos.

Adoro ler Douglas Adams, mas se tem que ler nos dias certos, pois tem que embarcar totalmente na loucura com ele.  Em muitos momentos eu fiquei pensado "Que maluquice!", mas no final você se pega achando tudo genial.

Algo que sempre vale salientar nos livros dele é que faz comentários sobre situações reais na nossa sociedade de uma forma pitoresca e divertida.

Nessa obra temos uma mulher forte (e um tanto quanto louca) que é a Kate. Tenho consciência que eu não lidaria tão bem quanto ela com as maluquices que acontecem.

Não tem como eu dar nenhum spoiler de como as histórias se encontram, pois parte da diversão é encarar essa confusão.

Gostei da capa, é super simples e ao mesmo tempo elegante. As letras são ótimas de ler e o humor de Adams está presente em todo o livro, do início ao fim. Vale a pena a leitura, mas aviso que você tem que estar pronto para deixar de lado a racionalidade, ou parte dela.


Foi então que Dirk prometera (plaft), com toda (plaft) a tranquilidade (plaft) e abanando a mão despreocupadamente (plaft, plaft, plaft), que estaria na casa do cliente às seis e meia da manhã (plaft), pois o contrato vencia às sete.

Em seguida, saiu para a rua, onde foi atacado por uma águia que veio do céu em um voo rasante, quase jogando-o na frente de um ciclista, que se pôs a xingá-lo do alto do elevado patamar moral que só os ciclistas parecem capazes de galgar.

Se uma coincidência pode acontecer, pensou com os seus botões, então uma segunda coincidência também pode. E, se uma coincidência acontece logo depois da primeira, isso não passa de uma coincidência. Não havia motivo para ficar alarmada só porque as lâmpadas de dois postes queimaram uma atrás da outra. 

A mensagem dizia que ela passaria a noite fora, pois tinha ido dar um pulinho em Asgard. Não sabia bem quais regiões de Asgard iria visitar, mas provavelmente passaria por Valhalla mais tarde, se desse tempo. Se quisesse deixar uma mensagem, ela a ouviria pela manhã se ainda estivesse viva e no clima. Alguns bipes vieram em seguida e ficaram ecoando por vários segundos no ouvido de Dirk.
Clique na imagem para aumentá-la.
 

8 comentários:

  1. Não tinha lido resenha da obra ainda, estava curiosa...Me agradou bastante, qro ler em breve!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. De fato é bem genial. Parece ser uma história super maluca, mas que nos leva a dar boas risadas com a história. Já tinha visto esse título em algum lugar e ele me deixou bem curiosa, agora depois de ler uma resenha dele... Quero muito conhecer! É difícil de não dar spoiler, eu sei, mas faz parte. Gostei muito.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Tenho muita curiosidade em ler os livros desse autor, pois sempre encontro bons comentários a respeito de suas obras. Gostaria de ler esse, em especial, pois a premissa me pareceu muito divertida. Vou conferir, com certeza! Sua resenha está muito boa. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Cath!
    Sempre gostei dos livros do autor, justamente pela genialidade de sua criatividade sem nexo aparente, porém que no final dá tudo certo.
    Fiquei hiper curiosa porque ele mistura coisas que não tem nada haver e no final, dá tudo certo.
    “Demore na dúvida...E descubra a sabedoria que insiste em se esconder na ausência de palavras.”(Padre Fábio de Melo)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de SETEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. Não costumo ler livros assim, não consigo viajar tanto na história, então acho que não leria esse.

    ResponderExcluir
  6. Nunca li nada do autor. E também não sei se conseguiria embarcar em tantas Maluquices.Rsrs
    Só lendo mesmo para ter uma ideia dessa leitura completamente diferente.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir