quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Resenha Eu Sem Você de Kelly Rimmer.


Título: Eu Sem Você.
Autora: Kelly Rimmer.
Editora: Arqueiro.
Número de páginas: 304.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:

Há um ano, conheci o amor da minha vida. Para duas pessoas que não acreditavam em amor à primeira vista, até que Lilah e eu chegamos bem perto de dizer que isso aconteceu conosco. Eu tinha um bom emprego em uma agência de publicidade e não fazia outra coisa além de trabalhar. Era incapaz de tomar decisões sobre meu futuro e minha casa inacabada e não sabia aproveitar a vida. Até conhecer Lilah. Lilah MacDonald era uma advogada ambientalista linda e decidida – e, para minha surpresa, detestava usar sapatos. Era uma pessoa tão maravilhosa que é até difícil descrevê-la. Nosso relacionamento não poderia ser mais improvável, mas me transformou profundamente. Comecei a enxergar as coisas de outra forma e a redescobrir antigas paixões. Lilah me ensinou a viver outra vez e a aproveitar ao máximo tudo o que a vida tem a oferecer. Ela me proporcionou momentos incríveis, mas também manteve em segredo algo que partiu meu coração. Ainda assim, se há uma coisa que aprendi com Lilah é que o amor pode curar qualquer ferida. Meu nome é Callum Roberts e esta é a nossa história.

Opinião:

Callum Roberts é totalmente focado no trabalho, a publicidade é sua vida, mesmo quando sai da empresa continua trabalhando. Até sua casa está inacabada, pois sempre fica adiando terminar as várias reformas que começou. 

Por sua vez, Lilah MacDonald é espontânea, trabalha em direito ambiental e toda causa que defende tem seu valor pessoal, graças a ela árvores e animais vivem.

Embora a aparente incompatibilidade das personalidades, os dois acabam se conhecendo numa balsa indo para casa. Callum fica horrorizado com os pés sujos de Lilah, já que ela detesta usar sapatos e somente os utiliza quando necessário. Acabam começando uma conversa que termina virando um jantar.


Ocorre que, no outro dia, Callum acorda sozinho em sua casa. Lilah sumiu sem deixar nenhum contato. Sem esperança nenhuma, Callum sai para almoçar e acaba encontrando Lilah, por acaso. Então, saem novamente.

Lilah deixa claro desde o início que não quer nada sério, mas aos poucos os dois começam a se envolver mais e mais. Contudo, Lilah tem um segredo (que fica claro que existe desde o início do livro, mas que você só irá descobrir qual é na metade da obra) e várias vezes ela tenta se afastar de Callum.

O livro, basicamente, é a história de amor dos dois que é atrapalhada pelo segredo de Lilah. Ele realmente atende ao prometido pelos críticos, sendo ao estilo Nicholas Sparks ou Jojo Moyes. Isso já diz certos spoilers, né? Pode esperar ficar triste em algum pedaço dele.

Adorei Lilah, ela é como todos nós deveríamos ser. Deveríamos trabalhar em algo que gostamos e nos sentirmos bem com isso (por sorte, há mais de dois anos eu tenho isso na minha vida). Deveríamos fazer a diferença.

Algo que percebo na nossa sociedade é o estilo “não se meta na vida dos outros”. Isso é ótimo em alguns aspectos, mas quando você está vendo algo errado, alguém agredindo um animal ou uma pessoa, por exemplo, cabe a você tomar uma atitude, ou você está sendo cúmplice daquilo. Lilah, não. Se um restaurante diz não usar produto tal em seu cardápio, ela não vai simplesmente ir a outro restaurante, ela vaiexigir que este cumpra com o prometido no cardápio ou então mude o cardápio, mas não deixar que este engane várias pessoas.

Termina que ela vira uma ótima experiência na vida de Callum, que era o típico cidadão que não fazia nada pelos outros. Com ela, começa a ver que a vida de todos tem importância e, por menor seja, o que você fizer pode ter um tremendo impacto na vida de uma pessoa.

Indico o livro para quem quer parar e analisar um pouco a vida, mas aviso que em algum momento da obra você vai se sentir triste. Talvez ela faça você lembrar de aproveitar cada momento.


A capa é bonita e a Editora Arqueiro mandou para os parceiros que solicitaram este livro uma toalha imensa com a imagem da capa nela. Sempre podemos contar com a Arqueiro para nos mimar.



- Há um motivo pelo qual a maioria das culturas tem uma versão do casamento, uma espécie de comprometimento pelo resto da vida. As pessoas precisam da segurança de saber que seu parceiro continuará com elas independentemente do tipo de ogro ranzinza que elas venham a se tornar com a velhice.
- Mas, Callum, você tem que lutar algumas. Não pelo mundo, mas por você. Quando encontra algo que acende uma paixão dentro de você, alguma injustiça, alguma beleza ou… ou… alguma coisa, você precisa correr atrás, não importa quão grande ou quão pequeno, porque isso é tudo que existe nessa vida. Não há mais nada com que valha a pena perder o seu tempo.
- Atitudes assim são parte do que há de errado com o mundo hoje – rebateu ela, franzindo a testa. - Uma coisa simples como essa, na qual a saúde e a segurança das pessoas estão em risco, e tudo que eu preciso fazer para ajudar a consertar isso é ir lá de novo e fazer uma ligação. Você não faria o mesmo?
- Quero ser otimista e acreditar na bondade da raça humana, mas a verdade é que, como espécie, nós somos péssimos. Então, onde foi que tudo deu errado? Divórcio? Infidelidade?

Clique na imagem para aumentá-la.

4 comentários:

  1. Oii Cath´s!
    Esse livro têm me surpreendido em resenhas que acompanhei...Está bastante instigante á ler e prender o leitor tbm, estou mto curiosa pra ler esse romance que pra mim está mto bacana!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Cath!
    Já tinha ouvido falar no livro, mas não lembro se já tinha parado pra ler uma resenha. Fiquei curiosa com o obra pelas comparações com os livros do Sparks e da Jojo, mas não se isso me faria ler o livro.
    O enredo não me chamou muito a atenção. Mas gostei da sua opinião sobre a protagonista ser um exemplo a se seguir.

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante da resenha, achei o livro bem interessante.
    Ai já até imagino onde esse livro vai dá, pelo jeito esse tal de Callum está mais para Landon Carter.

    ResponderExcluir
  4. Adoro romances, é um dos meus gêneros preferidos. A capa é uma graça e pela resenha e sinopse, a imagem representa a Lilah que vive de pés descalços e é ambientalista. Pretendo ler assim que tiver a oportunidade.

    ResponderExcluir