quarta-feira, 20 de abril de 2016

Resenha Caminho das Sombras de Brent Weeks.


Título: Caminho das Sombras.
Trilogia: Anjos da Noite.
Autor: Brent Weeks.
Editora: Arqueiro.
Número de páginas: 432.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Para Durzo Blint, matar é uma arte... e ele é o artista mais talentoso da cidade. Temido por muitos, Durzo é uma lenda viva com as mãos manchadas de sangue e nenhuma culpa pelas vítimas que deixa pelo caminho. Esse mundo sombrio também não é novidade para o jovem Azoth. Sobrevivendo entre becos sujos, ele aprendeu que a esperança é uma piada. Pelas regras das guildas, crianças são agredidas e surradas todos os dias. Tentar contestar essa realidade seria um risco alto demais. Mas quando a morte se torna questão de tempo para ele e seus amigos, Azoth se vê forçado a vencer o medo e agarrar a chance de virar um derramador, um assassino. Ele precisa se tornar discípulo de Durzo Blint. Para ser aceito, o garoto abandona sua antiga vida e abraça uma nova identidade. Ao se tornar Kylar Stern, ele aprenderá a transitar no mundo dos nobres, sobreviver às magias de seus inimigos e cultivar uma amizade muito especial: a da escuridão.
Opinião:

Demorei para ler esse livro (dentro dos meus padrões), foram aproximadamente treze dias. Isso não quer dizer que o livro é ruim (ele é ótimo), mas sim que é cheio dos detalhes, como o autor te introduz em um novo universo tem que te ambientar nele, e para não ter que voltar páginas para saber do que estão falando, tem que prestar atenção aos detalhes.

Azoth vive numa guilda de crianças que é comandada por Rato na cidade de Cenária. Todas as crianças dessa guilda tem que dar dinheiro para permanecer nela, ou seja, é horrível viver nesse lugar, pois eles tem que furtar para conseguir esse dinheiro, além do dinheiro para poderem comprar alimentos.

Acontece que um dia Azoth se recusa a fazer o que Rato manda e termina virando o arquirrival dele. Então Jarl, melhor amigo de Azoth, diz para ele tentar se tornar aprendiz de Durzo Blint, o melhor derramador da cidade (derramador é um assassino que tem Talento, o Talento é como magia). Quando finalmente Azoth convence Durzo a cogitar a hipótese, este lança um desafio, deixa Azoth ser seu aprendiz se ele matar Rato.

Como Azoth não era um assassino ele hesita por dias, mas isso tem um preço e Rato apronta uma com a Menina-Boneca (amiga de Azoth). Então, Azoth consegue matar Rato e vira aprendiz de Durzo.

Basicamente, quem manda na cidade é o Sakagé, uma organização criminosa para quem Durzo trabalha. O rei atual da cidadão é daqueles que seria melhor não existir, pois só sabe ordenar coisas ridículas que não deveriam fazer. Porém, tem um reino chamado Khalidor que deseja invadir Cenária e Azoth se pega sendo arrastado para o meio disso, visto que além de ser aprendiz do melhor derramador da cidade também é amigo de Logan Gyre, um nobre que por pouco não virou príncipe de Cenária (Logan é um homem daqueles que você deseja que seja rei, seus poros gritam que tem integridade).

Isso é só um pedacinho da história por alto, no começo vai ficar meio confuso para entender como tudo funciona, pois vai ir ganhando as informações aos poucos. Mas digamos que a vida de Azoth está totalmente ligada ao futuro da cidade, bem como as vidas dos personagens que vão te ser apresentado no decorrer da obra.

Azoth aprende tudo com Durzo, como matar, lutar, envenenar, não fazer ruídos quando caminhar e a se esconder, mas falta algo nele que é o Talento. Não vou adianta o que Azoth é exatamente para não estragar o momento de explicação do livro, mas foi muito bem bolado tudo.

Não é um livro leve, demanda atenção, tem muita maldade e frieza. Mas ao mesmo tempo demonstrar o lado profundo do ser humano que mesmo sofrendo horrores pode fazer algo bom.

Achei uma fantasia muito bem estruturada, a parte que ele inicia nesse livro tem final no mesmo volume, mas é claro que para saber como a totalidade da obra termina você terá que acompanhar os outros dois volumes da trilogia Anjo da noite que vão ser lançado no Brasil pela Editora Arqueiro.

Não vou enfeita para vocês: tem personagens que vocês vão odiar e querer entrar no livro para acabar com eles. Já tem outros que embora não sejam bons você vai gostar e esperar que se salve. O próprio Azoth e Durzo são exemplos de personagens cheios de luz e sombras.

Gostei muito da obra, ela demanda uma imensa atenção, mas faz isso valer a pena, o resultado é fantástico. Descobri do ano passado para cá que adoro fantasia e esse é um bom exemplo de um ótimo livro do gênero.

Por fim, saliento que adorei a capa do livro, consigo imaginar Azoth assim e ao mesmo tempo da um charme.

As máscaras mudam, mas os mascarados permanecem os mesmos, não é?
Agora, rapaz, você está pronto para se tornar uma espada nas sombras?
O assassino perfeito não tem vínculos, apenas vítimas.
O segredo é decidir o que você não vai vender. Nunca venda seu coração... Eu fiz de tudo, mas guardei meu coração.
Morrer assim é fácil, leva apenas um momento de coragem. É viver bem que eu não podia fazer. O que há de morte em comparação com isso.
Você ficaria surpreso com o que seria capaz de fazer para ficar vivo.
A escuridão estava tão próxima e fria quanto o abraço de um morto.
Onde outros fracassaram, onde outros titubearam e caíram, eu vencerei. Eu sou diferente, sou feito de outro material. Eu voltarei.
Clique na imagem para aumentá-la.

12 comentários:

  1. Oii!
    Faz tempo que qro ler...
    Ainda não consegui um tempinho pra finalizar um q estou lendo, mas assim q possível qro conferir esse...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha, os personagens parecem ser marcantes, acho legal que o livro mostre o treinamento dos personagens, assim amo mais ainda a leitura, amo fantasia e espero ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os personagens são bem marcantes, cada um a sua maneira.

      Excluir
  3. Já tinha lido a sinopse do livro mas não me interessei e fico contente com sua opinião, pois pelo visto acharia a leitura cansativa e não gostaria também.
    Com o decorrer da resenha até gostei um pouquinho, você soube dar detalhes do decorrer da história sem dar spoilers, até fiquei um pouco interessada com o que acontecerá com Azoth e Menina-Boneca.
    P.S: Amei os quotes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A leitura não é cansativa, só tem que prestar bastante atenção na história para não perder detalhes.

      Excluir
  4. Cath!
    Bom saber que ainda temos livros de fantasia bem escritos e que saem um pouco do comum a que estamos acostumados a ler.
    Participo e mais tarde sairá divulgação no blog.
    “Preferi sempre a loucura das paixões à sabedoria da indiferença.” (Anatole France)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse gênero sempre me surpreende, Rudy.

      Excluir
  5. Esse livro não fez muito meu estilo, ja li algumas resenhas, mas não despertou meu interesse.

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Esse livro parece-me ser bem surpreendente, mas nn sei se adicionaria na minha lista de leituras :(

    ResponderExcluir