quarta-feira, 13 de abril de 2016

Lançamentos: Grupo Autêntica.

Oi.
Já mostrei tantos lançamentos nesse início de mês que devem estar cansados, né? Mas não fiquem e se preparem que vem mais para acrescentar a lista de compras!

Abandonar o barco antes de um grande fiasco, ou continuar as filmagens com os recursos que tinha e produzir o que poderia ser a maior chacota cinematográfica de todos os tempos? Trabalhando contra o tempo, com um orçamento apertado e com um projeto de tubarão branco robótico que se parecia com um grande marshmallow molhado, o então jovem diretor Steven Spielberg se viu diante de um possível fracasso. Mas, ao decidir que não se focaria nos problemas, ele criou Tubarão, uma obra-prima imortal do cinema, vencedora de três Oscar. Nenhum professor prezava as ideias notáveis e as perspectivas totalmente originais que um aluno problemático era capaz de produzir, pois se admitisse que aquele garoto chamado John Lennon era brilhante e uma grande promessa, teria de reconhecer que ele podia ter mais a lhe ensinar do que o contrário. Clint Eastwood dirigiu diferentes atores, como Gene Hackman, Sean Penn, Tim Robbins, Morgan Freeman e Hilary Swank. Como ele extraiu de todos eles atuações vencedoras do Oscar? Com uma narrativa simples e prática, David Niven desvenda a fórmula infalível para se resolver qualquer problema e nos mostra a importância de deixar para trás posturas e comportamentos que nos condicionam a pensar e agir sempre do mesmo modo ineficiente. Após ler Click, você começará a pensar fora da caixa e vai se juntar a Albert Einstein, Clint Eastwood, Warren Buffett e Steven Spielberg no ilustre time de pessoas que encontraram soluções extraordinárias para problemas cotidianos. - Número de páginas: 224.

Ler esse livro é se deparar com uma surpresa em cada tópico; é conhecer a capacidade que alguns indivíduos têm de vencer uma discussão pelo brilho da intervenção, mesmo quando lançam mão de argumentos claramente improcedentes; é admirar a rapidez vertiginosa com que a mente humana consegue engendrar verdadeiras preciosidades; é, enfim, assistir ao desempenho dos Usain Bolts do raciocínio. O autor, Márcio Bueno, jornalista apaixonado pelas palavras – tem dois livros publicados na área da etimologia, pesquisou durante anos sobre a produção dos que têm essa habilidade para, de bate-pronto, serem capazes de organizar o pensamento e as palavras, compondo frases magistrais. Tomando conhecimento do que muitos figurantes deste livro produzem nesse campo, chega-se à conclusão, segundo o autor, de que “são capazes de dar laço no vento, nó em pingo d‘água e, se cair um raio, antes de escaparem ilesos ainda aproveitam a oportunidade para acender o cigarro”. Neste trabalho, é possível constatar que essa capacidade de surpreender, de impactar com as palavras, independe do grau de escolarização. Indivíduos que nunca tiveram a oportunidade de avançar na educação formal destacam-se como se fossem verdadeiros doutores. Alguns exemplos: Dadá Maravilha, Romário e Tim Maia. Os personagens estão agrupados por atividades e as tiradas, por personagens. Em relação a alguns, há uma introdução, uma breve biografia e, em seguida, suas faíscas verbais. Se o leitor quiser saber em quais páginas um determinado indivíduo aparece, sendo o ator principal ou não, basta consultar o Índice Onomástico. A clareza e a elegância são traços marcantes do texto do autor, jornalista e escritor experiente. De forma agradável, mas respeitando o protagonismo de quem tem que brilhar, que são os personagens, Márcio Bueno situa os episódios, mostra em que circunstâncias foram geradas as frases surpreendentes, impactantes. Quem mais se beneficia desse método, sem dúvida alguma, é o leitor. - Número de páginas: 200.
 
Nesta inebriante graphic novel autobiográfica, Julia Wertz (criadora da cultuada HQ The Fart Party) documenta o ano em que decidiu ir embora de São Francisco, sua cidade natal, para ganhar as ruas desconhecidas de Nova York. Mas não se engane: esta não é aquela história manjada de redenção da jovem que supera todas as adversidades ou bobagens desse tipo. É um livro pra lá de engraçado – às vezes incisivo, é verdade –, repleto de ilustrações divertidas, de um humor ácido e de muita autodepreciação. De quadrinho em quadrinho, Wertz passa por quatro apartamentos toscos, sete empregos sofríveis, problemas familiares, viagens fracassadas e uma infinidade de garrafas de uísque. - Número de páginas: 208. 


 
O circuito dos afetos gostaria de fornecer a filosofia necessária para uma teoria política da transformação. Transformações políticas efetivas não são apenas modificações nos modelos de circulação de bens e de distribuição de riquezas. São modificações na estrutura dos sujeitos, em seus modos de determinação, nos regimes de suas economias psíquicas e nas dinâmicas de seus vínculos sociais. Pois uma transformação política não muda apenas o circuito dos bens. Modifica também o circuito de afetos que produzem corpos políticos, individuais e coletivos. Por isso, se quisermos ver a força de transformação de acontecimentos que começam novamente a se fazer sentir, é necessário que nos deixemos afetar pelo que pode instaurar novas corporeidades e formas de ser. - Número de páginas: 360. 
 
No Brasil, Simón Rodríguez é um ilustre desconhecido. Suas obras não foram traduzidas para o português e têm sido muito pouco lidas nestas terras. Em certo sentido, não parece um dado menos importante que, nas paragens de Paulo Freire, Simón Rodríguez – que deu um sustento filosófico notável à educação popular no século XIX e talvez seja o primeiro idealizador e realizador de uma escola popular de verdade, absoluta, sem condições – quase não tenha sido lido no Brasil. Acreditamos que é necessário impulsionar essa leitura e confiamos que a tradução da antologia que apresentamos aqui seja um dos primeiros passos de um caminho muito mais extenso. - Número de páginas: 240.



 
Michel Foucault é um dos pensadores franceses contemporâneos mais potentes, não apenas pela sua produção teórica, mas, sobretudo, pelo seu modo de conceber e afirmar uma posição para o intelectual. Nesse sentido, Foucault faz do pensamento uma prática ativa de problematizar as questões do seu tempo. Poucos escritos sobre Foucault merecem tanto o nome de “caixa de ferramentas” como este livro de Edgardo Castro. Produto de um rigoroso e exaustivo estudo, não hesitamos em afirmar que se trata de um instrumento de trabalho precioso, fundamental, utilíssimo para os interessados em pensar com o filósofo e a partir dele. Com efeito, o leitor tem em mão um sofisticado mapa de suas principais temáticas e questões. Cada verbete não apenas “faz referência a onde, nos escritos de Foucault, aparece cada termo, mas quer, ademais, oferecer uma indicação (às vezes sucinta, às vezes extensa) de seus usos e contextos”. Algo assim como o mais completo “motor de busca” para visitar os caminhos de seu pensamento. - Número de páginas: 480. 

Passados mais de quinze anos de sua primeira edição, os delicados textos de Stallybrass continuam inspirando e comovendo muita gente. A presente edição, de cara nova e com traduções refeitas, vem para o deleite da releitura dos que os leram em sua outra encarnação e para o encanto de uma primeira leitura dos que ainda não tinham tido a oportunidade de encontrá-lo. Em O casaco de Marx, Peter Stallybrass, em três ensaios que misturam teoria social e lirismo, política cultural e histórias pessoais, literatura e teoria econômica, traça um amplo panorama da poética e da política da roupa. Ele nos faz pensar sobre nossa relação com as roupas e com as coisas em geral. Descreve as roupas como objetos que se moldam à nossa forma humana, à nossa memória, e que carregam a nossa marca. Essa marca se torna mais evidente quando temos de lidar com as roupas deixadas por nossos mortos. Além de lançar mão de episódios de sua própria vida, Stallybrass percorre a vida de Karl Marx para saber o que acontecia com seu casaco quando escrevia O capital. - Número de páginas: 112.

Lima Barreto, como se sabe, era um pote até aqui de mágoa. Motivos, os tinha de sobra. Mais do que meros revezes biográficos, ressentimento e frustração tiveram papel estruturante na obra do negro despossuído que, ciente de seu formidável arsenal intelectual e estilístico, tentou em vão interromper o pesadelo bacharelesco do qual até hoje não conseguimos despertar completamente. Neste livro pioneiro, Beatriz Resende restitui ao autor de Policarpo Quaresma o que lhe é próprio, ou seja, a enraizada força de insurreição contra os cânones, o literário e tantos outros que ainda produzem exclusões de toda ordem. Prosseguia assim o trabalho de Francisco Assis Barbosa, que como biógrafo e editor das obras completas de Lima, talhou para ele o figurino do “grande autor”. Este ensaio parte daí, do reconhecimento póstumo, para apontar seus limites. E lembrar que o princípio ativo de Lima Barreto está também, ou sobretudo, no acabamento provisório da crônica ou no jorro dos diários íntimos. Numa periferia de gêneros e classificações que pode ter contribuído para seu esquecimento mas que, paradoxalmente, cimentou sua impressionante resistência, uma vez passado o rolo compressor do modernismo. Lima Barreto implodiu convenções e, com elas, as representações do Rio de Janeiro. Beatriz Resende soube reunir estes fragmentos e, mais do que isso, nos mostrar, na primeira hora, sua rigorosa arquitetura. Aquela que hoje temos o privilégio de contemplar como o desenho nítido e delicado de uma constelação. - Número de páginas: 192.

Pela violência de seus atentados em solo francês e por sua expansão territorial no Iraque e na Síria, o Estado Islâmico não apenas aterroriza como também intriga. Quais são os objetivos dessa organização que afirma querer restabelecer o califado do século VIII a que toma emprestadas a bandeira preta, a perseguição sanguinolenta aos infiéis e a prática da decapitação? Quem são os pais e os padrinhos desse monstro apocalíptico que cultua a morte mais do que o islã, cujo espírito deturpa? Como o EI – ou Daesh – reabre as feridas deixadas pelas guerras norte-americanas no Oriente Médio? Como se aproveita da fratura ideológica entre xiitas e sunitas? Que estratégias adotar para combatê-lo? Através das análises de especialistas em Oriente Médio e islã, de textos de historiadores, escritores, e filósofos reunidos pelo semanário Le 1 e de um dossiê contendo informações essenciais para compreender a natureza do Daesh e sua história, este livro oferece uma visão rica e esclarecida desse estranho e amedrontador grupo que irrompeu na cena mundial, suplantando a Al-Qaeda como nova potência do terrorismo internacional. - Número de páginas: 128.

Até agora inéditos no Brasil, O belo perigo e A grande estrangeira não são textos filosóficos convencionais, têm a singularidade de proporcionar ao leitor a chance de apreciar um dos maiores filósofos contemporâneos falando de si na primeira pessoa. Aqui, manifesta-se um Michel Foucault até então invisível para os leitores. O belo perigo é um pequeno grande livro que aborda a relação afetiva de Foucault com a arte da escrita – suas potencialidades, limitações e perigos. Em uma entrevista brilhantemente conduzida pelo crítico literário da revista Arts, Claude Bonnefoy, em 1968, destaca-se o Foucault escritor, pensador engajado e crítico permanente de seu próprio pensamento. A grande estrangeira traz registros de intervenções orais de Foucault realizadas entre 1963 e 1970. Os primeiros textos são transcrições de dois programas de rádio transmitidos em janeiro de 1963, em que o filósofo prolonga suas reflexões de A história da loucura. Há aqui também duas conferências: uma de 1964, sobre linguagem e literatura, e a segunda, de 1970, dedicada ao Marquês de Sade. O livro nos permite descobrir o Foucault leitor – voraz, exigente e brilhante –, além de sua complexa, crítica e estratégica relação com a literatura. - Número de páginas: 288.
 

14 comentários:

  1. Oii!
    O único q me chamou atenção foi Click...Me parece ser de auto ajuda, é isso? Gostei mto do tema...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Esse mês a editora optou por lançar livros de auto ajuda o que eu super apoio e acho que as outras editoras também deviam fazer isso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Admito que não sou muito chegada em auto ajuda.

      Excluir
  3. Olá,
    Eu gostei muito do livro Click. Adorei a relação feita com grandes nomes como Steven Spielberg, Einsten, entre outros. Acho que eu daria uma chance, sem problema.
    Beijos!
    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. O que mais me chamou a atenção foi Click. Parece mostrar uma reviravolta onde todos achavam o garoto problemático e mesmo com tudo, conseguiu ganhar 3 Oscars. Achei ótimo onde ele disse que lendo o livro nos transformariamos em um Albert Einstein encontrando soluções para problemas cotidianos hahaha, minha mãe vai adorar isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu bem que preciso aprender a resolver todos meus problemas, haha.

      Excluir
  5. Eita que os lançamentos estão de arrasar.
    Gostaria de ler Foucault e Como resolver problemas insuperáveis.
    Participo e mais tarde sairá divulgação no blog.
    “Preferi sempre a loucura das paixões à sabedoria da indiferença.” (Anatole France)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Dessa vez nenhum livro me chamou a atenção, apesar de gosta muito dos livros da editora. Vamos ver os próximos lançamentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Logo posto os próximos e você deve gostar de algum. ;)

      Excluir
  7. Amo a maioria dos livros publicados pela editora, mas dentre esses últimos lançamentos, nenhum deles me fez ter interesse de ler :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Logo vem mais e dai vai ter um que você goste. ;)

      Excluir