segunda-feira, 21 de março de 2016

Resenha Quando você voltar de Kristin Hannah.


Título: Quando você voltar.
Autora: Kristin Hannah.
Editora: Arqueiro.
Número de páginas: 338.
Ano de lançamento: 2013.

Sinopse:
Como tantos casais, Michael e Jolene não resistiram às pressões do dia a dia e agora estão vendo seu relacionamento de doze anos desmoronar. Alheio à vida familiar, Michael está sempre mergulhado no trabalho, não dá atenção às duas filhas e não faz a mínima questão de apoiar a carreira militar da esposa. Então Jolene é convocada para a guerra. Ela sabe que tem um dever a cumprir e, mesmo angustiada por se afastar de casa, deixa para o marido a missão de cuidar das meninas e segue para o Iraque. Essa experiência mudará para sempre a vida de toda a família, de uma forma que ninguém poderia prever. No front, Jolene depara com a dura realidade e precisa, mais do que nunca, recorrer à sua força e inteligência para se tornar uma heroína em meio ao caos. Em suas mensagens para casa, ela retrata um mundo cor-de-rosa, minimizando os horrores que vivencia com o objetivo de proteger todos do sofrimento. Mas toda guerra tem um preço, e ela acaba se vendo protagonista de uma tragédia. Agora Michael precisa encarar seus medos mais profundos e travar uma batalha em nome da família.
Caso deseje tem a opção de vídeo resenha desse livro: Link.

Opinião:

Chorei, chorei e chorei mais um pouco. E não é mentira. Quando você voltar é muito emocionante, ao menos para mim, me tocou fundo.

Do nada mês passado me veio a cabeça que eu precisava ler Kristin Hannah (já havia lido anteriormente Amigas para sempre e O rouxinol), então quando fiz compra de livros para o Top Comentarista aproveitei para ver dois dela para mim.

"Quando você voltar" conta a história de uma família. Jolene e Michael estão casados há anos, mas chegou em um momento em que Michael está cansado do jeito de Jolene sempre achar que felicidade é uma escolha e ser apaixonada por sua carreira pilotando aviões do exército. Jolene tenta não ficar irritada com o marido que passa mais tempo no escritório do que em casa e não ajuda em nenhuma decisão familiar.

O casal tem duas filhas, Betsy, com doze anos, e Lulu, mais nova. Betsy é uma adolescente tremendamente chata, invés de ligar para coisas importantes o maior terror da vida dela é não ser popular na escola, principalmente por sua mãe ser do exército e, portanto, diferente das demais.

Só que Jolene acaba sendo convocada para pilotar aviões na guerra do Iraque e todos vêem suas vidas mudarem. Ela fica tentando convencer a família que vai ficar num lugar seguro ao mesmo tempo em que engole o marido ter dito que não a amava mais e Michael fica bravo, visto que vai ter que cuidar da casa além do trabalho.

Tempos depois de Jolene ir para o Iraque, Michael começa a pensar na mulher e ver que ele estava sendo egoísta, que o problema principal não é ela e sim ele. Ao mesmo tempo que Jolene vê horrores na guerra e tem que fingir que tudo está bem quando consegue contato com a família, não tendo, assim, nenhum apoio.

Então algo acontece e tudo muda novamente. Não posso contar o que é, mas digamos que alguns personagens vão ter coisas difíceis para encarar.

O ponto alto da Kristin Hannah é que ela demonstra a força das mulheres, como temos problemas e dificuldades, mas levantamos a cabeça e seguimos em frente, isso é apaixonante nos livros dela.

Imagino que deva ser incrivelmente difícil conviver com uma pessoa que quando você está sofrendo lhe diz que tem que escolher ser feliz e bola para frente. Realmente, nós temos que levantar a cabeça e seguir em frente, mas também é preciso um momento para baixar a guardar e poder sofrer em paz. Nisso entendi Michael, mas na verdade ele foi um bobão.

Por mais que você esteja magoado pela pessoa agir assim, não te livra da responsabilidade pelo que fala e como age. Jolene não tinha pais exemplares e passou por muita coisa, sendo essa a sua maneira de superar. Mas acaba que Michael vai guardando rancor e deixa a mulher ir para a guerra com a frase "não te amo mais" na cabeça. Convenhamos que tem momentos que você tem que engolir o egoísmo e o orgulho e ser uma pessoa melhor.

Termina que durante esse tempo longe os dois aprendem coisas. Michael vê que estava sendo idiota, que não dava atenção as filhas e nem a esposa. Jolene passa a perceber que tem perdas que você tem que sentir e que não pode carregar todo fardo sozinha.

O livro se torna uma lição de vida, do que não fazer e do que fazer em uma família. E é tão real e tocante que não tem como você não se solidarizar com os personagens e sentir com eles. Também traz a tona o assunto da guerra. Não importa qual seu pensamento sobre a guerra, ou de que lado é, se uma pessoa que ama vai para ela deve apoiá-la, pois ela vai precisar  e essa pessoa está sendo tremendamente corajosa.

Me identifiquei muito com algumas atitudes de Jolene, principalmente de tentar engolir as coisas para evitar brigas, então sempre que ela se dava mal em algo eu acabava chorando junto com ela. Mexeu com meus sentimentos.

A capa é linda, tem uma imagem representando Jolene, Betsy e Lulu na praia e acho que poderia ser uma foto tirada de longe das três.


Saíram andando juntas. Estava óbvio para Jolene, e sem dúvida também para Betsy, que todas falavam ao mesmo tempo na esperança de disfarçar a ausência de Michael. Durante a hora seguinte, elas riram um pouco alto demais e fizeram piadas sem graça. Jolene perdeu a conta de quantas vezes alguém disse a Betsy que ela tinha sido incrível. As palavras se chocavam contra a carapaça da filha, sem provocar sequer um sorrisinho. Havia uma cadeira vazia à mesa, um lugar vazia que dava na vista.
- O DV... - disse Chris, balançando a cabeça. - Nem pergunte o que eu penso do governo e das falhas com relação aos soldados. É algo criminoso. As Forças Armadas tendem a associar TEPT com fraqueza e covardia. Mas vão ter que tomar uma atitude, sobretudo porque os soldados têm feito diversas missões. Temos que forçar o DV e o governo a começarem a prestar atenção às necessidades dos soldados em casa. Temos que esclarecer este assunto e apagar o estigma. Este caso é importante, Michael. Talvez você possa ajudar outro soldado afetado e salvar algumas vidas.
Ouvia aquilo o tempo todo; as pessoas diziam isso e ele desmerecia, pensando não é bem assim, a milha mulher só está na Guarda. Só porque ele não era do Exército aquilo nunca lhe pareceu real e jamais apreciara ou apoiara o engajamento de Jolene.
Uma vez, li num livro do Sptephen King a sigla MMDD. Mesma merda, dia diferente. Foi bem assim o último mês no Iraque. Dia após dia levantando à meia-noite e meia, recebendo as instruções da missão, verificando a aeronave e voando.
Ela tinha que ensinar Betsy a ser forte, a escolher a felicidade. Ninguém consegue nos magoar se não permitirmos. A melhor defesa é o ataque.
Uma frase não era capaz de acabar de um casamento. Mas Jolene também não seria capaz de sustenta-lo sozinha. 
Michael não tinha orgulho do que ela fazia ali. Não compreendia o quanto ela se importava com os outros soldados com quem servia. Isso a fazia sentir-se ainda mais separada, mais distante.
Clique na imagem para aumentá-la.

10 comentários:

  1. Oiie! Que lindooo! Aaaai eu qro!!! Amei cada detalhe da sinopse, preciso desse livro! Tenho ctz q irei chorar tbm viu rsrs.... Gostei mto! Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Que história linda, que livro tocante, quero muito ler

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Pela sua resenha, senti que as relações familiares ficam bem evidentes no livro. Gostei da força que a protagonista tem. Curti também suas observações no meio da resenha. Preciso ler algum livro dessa autora.
    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Cath!
    Todos os livros que li da autora me fizeram chorar e repensar minhas atitudes, imagino que quando conseguir ler esse, será da mesma forma...
    “Saber de cor não é saber: é conservar aquilo que se deu a guardar à memória.” (Michel de Montaigne)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de março com 4 livros 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. Oieee, há quanto tempo, nao? Saudades de vc!!!

    Eu adoro os livros dessa autora, são bem emocionantes.
    Beijokas da Mylloka :*
    https://myllokasecret.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá Cath's, tudo bem?
    Eu não tinha lido nenhuma resenha sobre este livro, e a sua me deixou mega curiosa sobre ele. Vou anotar a dica e assim que puder irei conferir esta história que mexeu tanto com você.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Que livro maravilhoso, só pela resenha já faz transmitir tanta coisa, como se eu tivesse lendo.
    Só não gostei pela letra ser pequena(parece na foto, pelo menos) e a folha branco, mas tirando isso, eu amei o livro;
    É um livro que traz uma lição, que nos mostra que devemos apoiar as pessoas em suas escolhas mesmo tendo dificuldade em aceitar, que devemos nos colocar no lugar do outro e vermos o nosso erro. Se ela não tivesse ido pra guerra, ele continuaria sendo egoísta e a relação dos dois provavelmente terminaria em divórcio. As vezes temos que passar por decições difíceis, "desgrudar" um pouco de certas pessoas para notarem quais são os erros.
    Amei o livro(como se eu já não tivesse dito), faz pensarmos sobre nossas escolhas, com certeza entra pra lista de desejado.

    ResponderExcluir
  9. Sempre ouço falar que os livros dessa autora são extremamente sensíveis e passam muitas lições de vida, fiquei bem interessado por esse, também quero muito ler os outros livros da Kristin. Só pela sua resenha já fiquei tocado com Michael e Jolene. É muito bom quando nos reconhecemos num personagem, né mesmo? Hehe. Abraços!
    bookdan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Vejo as pessoas falarem muito bem dos livros da Kristin Hannah o que me deixou curiosa para poder ler algo da autora e lendo esse livro gostei bastante da historia e fiquei curiosa para saber o que acontece, se tiver oportunidade quero ler !!

    ResponderExcluir