domingo, 24 de janeiro de 2016

Resenha A Playlist de Hayden de Michelle Falkoff.


Título: A Playlist de Hayden.
Autora: Michelle Falkoff.
Editora: Novo Conceito.
Número de Páginas: 288.
Ano de Lançamento: 2015.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Depois da morte de seu amigo, Sam parece um fantasma vagando pelos corredores da escola, o que não é muito diferente de antes. Ele sabe que tem que aceitar o que Hayden fez, mas se culpa pelo que aconteceu e não consegue mudar o que sente. Enquanto ouve música por música da lista deixada por Hayden, Sam tenta descobrir o que exatamente aconteceu naquela noite. E, quanto mais ele ouve e reflete sobre o passado, mais segredos descobre sobre seu amigo e sobre a vida que ele levava.
Opinião:

Sam vai acordar seu amigo Hayden para fazer as pazes depois de uma festa a que foram, porém, quando chega lá encontra uma garrafa de bebida e remédios, na verdade, a falta de remédios. Depois de chamar o atendimento médico vem a descoberta que ele estava negando a si mesmo: Hayden estava morto e deixou uma playlist para ele, pois ouvindo-a Sam deveria entender.

Então Sam tem que lidar com as emoções que está sentindo, falta do melhor (e único) amigo e raiva pelo mesmo ter se suicidado, ao mesmo tempo descobre que tem coisas sobre Hayden que não sabia, exemplificando, sua amiga Astrid, que Sam só conhece no velório do amigo e nem sabia da existência a menina.


O pior é que tem alguém com o mesmo nick de Hayden e que parece saber coisas demais sobre o garoto, é como se fosse Hayden, mas obviamente não pode ser... ou pode?

No decorrer da leitura vai se descobrindo o que aconteceu naquela noite, bem como Hayden conheceu Astrid, ao mesmo tempo que o trio que fazia bullyng com Hayden vai sendo castigado.

Em alguns momentos da obra você se pergunta se tem um pouco de magia envolvida, mas não, tem uma explicação racional para as coisas que aparecem, digamos, sem spoiler, que é uma das consequencias.

A autora faz você ficar se perguntando junto com Sam se é ele que está punindo o trio de amigos que fazia mal a Hayden e vai demonstrando que o garoto se sente muito culpado pela morte do amigo... e que não é o único.

Acredito que o livro quis mostrar que no caso de um suicídio várias pessoas vão se sentir culpadas, achando que podiam mudar essa decisão (talvez podia, talvez não) e que não se supera totalmente, só se aprende a seguir em frente.

Para o pessoal que gosta de um romance rola algo entre Sam e Astrid, mas não vou entrar em detalhes para vocês descobrirem na leitura. Sam é um adolescente tão comum, cheio das inseguranças da fase, já Astrid "grita" por seu espaço no mundo sendo ela como é, e termina sendo divertido ver os dois interagindo.

Cada capítulo começa com o nome de uma música que consta na playlist de Hayden, achei isso legal, pois pode ir acompanhando, mas sou suspeita para falar sobre as escolhas das músicas já que não é muito meu gosto.

Eu gostei do livro, mas achei meio chato algumas partes em que você fica se perguntando, no momento que acontece, se é loucura do Sam ou real. Mas a autora conseguiu retratar uma situação de suicídio visando as pessoas envolvidas que permanecem vivas e ainda incluir o ambiente e decisões adolescentes.

A capa é bonita, eu gostei dela, adoro exemplares em azul, acho que foi simples, mas chama atenção. Não achei erros de português no decorrer da leitura.




Quem precisa de um grupo? Que mal existe em ter um único melhor amigo?
A playlist de Hayden fez com que eu me sentisse conectado com ele e também fez com que eu me abrisse para um monte de coisas que eu não ouvia antes.
Você nunca conhece uma pessoa até ouvir o que ela gosta.
Mas eu ouvia varias vezes aquela playlist, procurando pela musica pela música que confessasse aquilo, a música que jogaria toda a culpa em cima de mim. Mas até agora eu não tinha encontrado nada.

5 comentários:

  1. Confesso que quando vi esse livro na banca, achei que seria total comédia, aventura (algo do gênero), nunca me passou pela cabeça que seria um livro que abordasse o tema suicídio, fiquei surpresa com isso, quero muito ler.
    Ah e fiquei curiosa para saber quais músicas tem nele hahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Haha. Eu não gosto de livros sobre comédia, na verdade nem filme, sou tri chata para isso, pois acho graça de pouca coisa nos livros e filmes do gênero.

      Excluir
  2. Estava na maior expectativa com este livro, mas acabou que ele me deixou meio que na mão. Para mim faltou emoção.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não tem aquele UAU né? Acho que o que me deixou mais uau foi quando Sam fala com o Mago na cama dele, pois me deixou confusa, kk.

      Excluir
  3. Cath!
    Há muito quero ler esse livro porque aborda o tema suicídio e não é um tema fácil de explanar.
    E ainda tem música que é tudo de bom, né?
    “ Educação é uma coisa admirável, mas é bom recordar que nada do que vale a pena saber pode ser ensinado.” (Oscar Wilde)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir