terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Resenha A Escolhida de Lois Lowry.


Título: A Escolhida.
Autor: Lois Lowry.
Editora: Arqueiro.
Número de páginas: 192.
Ano de lançamento: 2014.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Kira, uma órfã de perna torta, vive em um mundo onde os fracos são deixados de lado. A partir do momento da morte de sua mãe, ela teme por seu futuro até que é perdoada pelo Conselho de Guardiões. A razão é que Kira tem um dom: seus dedos possuem a habilidade de bordar de forma extraordinária.  Ela supera a habilidade de sua mãe, e lhe cabe a tarefa que nenhum outro membro da comunidade pode fazer. Enquanto seu talento a mantêm viva e traz certos privilégios, ela percebe que está rodeada de mistérios e segredos, mas ninguém deve saber sua intenção de descobrir a verdade sobre o mundo.
Opinião:

A Escolhida se passa no mesmo universo criado pelo autor no livro O doador de memórias, mas ao meu ver, não é necessário ter lido O Doador para ler este.

Kira tem a perna torta, por isso ia ser descartada pela comunidade quando era um bebê, mas foi salva por sua mãe, graças a importância do pai dela no local. 

Ocorre, que anos depois, quando sua mãe morre, Kira se vê sendo expulsa do local onde mora pela vizinhança. Dessa forma, a questão é levada ao Conselho de Guardiões que decide ceder o terreno as vizinhas, mas não deixa Kira desamparada, esta passa a viver no prédio do Conselho com a função de bordar o que for ordenado.

No começo isso parece ótimo para Kira, mas aos poucos ela vai descobrindo que existe muito mais crueldade e intrigas por trás dessa sociedade em que vive.

A Escolhida não foi um livro que me fez dizer UAU, mas é uma obra que te faz refletir sobre a sociedade apresentada e como algumas coisas ainda se encontram presente na nossa. Por mais que você olhe no inicio e ache inacreditável depois que analisar um pouco vai ver que coisas parecidas acontecem em nosso mundo. Eu levei a obra para esse lado, uma reflexão em meio a ficção. 

Agora vou passar a falar sobre a ficção apresentada, achei todos os personagens bem estruturados, eles te irritam e te cativam nos momentos certos, e a sociedade apresentada poderia realmente existir como demonstrada pelo autor.

É interessante você olhar como os membros do Conselho utilizam o medo para fazer aquelas pessoas ficarem restritas as suas mentiras, acreditando que elas são verdades.

No final deixa brecha para supor que os personagens de A Escolhida podem vir a se encontrarem com os personagens de O doador, visto que parece haver uma continuação da história.

A capa é bonita, simples e elegante, gostei da mulher que escolheram, ela representa uma boa Kira e não encontrei erros gramaticais durante a leitura da obra.


Tremeu levemente de medo. O temor sempre fizera parte da vida das pessoas. Por causa do medo, elas construíam abrigos, buscavam comida e plantavam hortas. Pelo mesmo motivo, armazenavam armas, precavidas. Havia o medo do frio, da doença, da fome, das feras. E foi o medo que a impulsionou naquele momento, apoiada em seu cajado. Ela lançou um último olhar para o corpo sem vida que um dia abrigara sua mãe e perguntou-se aonde poderia ir.
Os teares seguiam fazendo barulho. Das sombras do galpão, Kira notou que o sol estava mais baixo no céu. Logo o sino bateria quatro vezes. Ela meneou a cabeça para se despedir das mulheres e se dirigiu para o lugar onde vivera com a mãe, o lugar em que durante tanto tempo estivera seu casebre, o lugar do único lar que ela havia conhecido na vida. Sentia necessidade de dizer adeus.
Será verdade que não existem feras?, perguntava-se, e sua mente respondeu com um sussurro enquanto o bordado se enroscava, quente, na palma da mão.
Intuitivamente, Kira se inclinou para perto da menininha. O que era mesmo que sua mãe fazia? Beijou a testa de Jo. Era um gesto estranho para ela, mas pareceu a coisa certa a fazer.

11 comentários:

  1. Oi eu não conhecia essa escritora lendo a sinopse e a sua resenha o livro parece ser bem interessante alem da capa ser lindo com certeza vou ler obrigada pela dica bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um escritor, kk. A capa está condizente com o livro.

      Excluir
  2. Gostei do livro... O q me interessou foi a coragem dela em descobrir a verdade. Gostei muito da resenha e fiquei bem curiosa com a historia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu curto livros que de para você refletir depois sobre a história e como ela afeta seu próprio mundo, acho que vale a pena.

      Excluir
  3. Olá, gostei muito do obra, não conhecia a obra e fiquei bem curiosa pra ler e descobrir junto com Kira a existência de muito mais crueldade e intrigas por trás dessa sociedade em que vive.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sociedade é terrível, mas se pararmos para pensar a nossa também é. =(

      Excluir
  4. Não li ainda, apesar de ter lido e gostado do Doador de Memórias. Espero gostar quando for ler.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas gostei e achei interessante a história, já colocarei para minha listinha de 2016.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom, e pode ser lido sem O Doador de Memórias, pois te apresenta o universo e Kira vive em outra localidade.

      Excluir
  6. Cath!
    Gosto dos livros de distopia justamente porque de alguma forma parecem com a nossa realidade.
    Tenho O doador de memórias aqui para leitura e espero fazê-la em breve.
    “ Educação é uma coisa admirável, mas é bom recordar que nada do que vale a pena saber pode ser ensinado.” (Oscar Wilde)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir