quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Resenha Destemida de Jessica Watson.



Título: Destemida.
Autora: Jessica Watson.
Editora: Belas Letras.
Número de Páginas: 352.
Ano de Lançamento: 2015.
Cortesia da Editora.

Sinopse:
Depois de 210 dias no mar e 24.285 milhas náuticas em seu barco, Jessica Watson, uma australiana de 16 anos, retornou triunfante de volta ao porto de Sydney. Ela se tornou a pessoa mais jovem a velejar sozinha, desassistida e sem paradas ao redor do mundo. Contado nas próprias palavras de Jessica, Destemida mostra a infância, inspirações, os anos de planejamento para a viagem e o que aconteceu desde a conquista do “Everest da navegação”. Uma história inspiradora, que prova definitivamente que todos nós temos o poder de viver nossos sonhos – não importa quão grandes eles sejam.
Opinião:

Em Destemida, Jessica Watson conta como ela se tornou a pessoa mais jovem a viajar sozinha ao redor do mundo sem paradas e sem a ajuda de ninguém. 

Este é um livro com uma história inspiradora que mostra que se temos um sonho devemos correr atrás dele e fazer de tudo para que se torne realidade. 

A australiana Jessica Watson conta em 3 partes a sua história. Na Parte I temos O Ponto de Partida, onde ela conta sobre sua infância, como a família começou a viver em um barco, de onde surgiu sua paixão pela navegação e a preparação para realizar o seu sonho. A Parte II se trata de A Viagem, essa parte é composta por posts do blog da garota durante a viagem e comentários da mesma acrescentando coisas que ela não escreveu no blog. E a Parte III que é Casa, que conta como foi a sua chegada e como foi recebida pela mídia, família e as pessoas que acompanharam sua trajetória. O livro ainda vem com mapa do trajeto que Jessica percorreu, guia do Ella's Pink Lady (o barco) por dentro e por fora, lista de equipamentos (e mantimentos) e um glossário.

O livro começou bastante interessante contando a história de Jessica e sua família, mas começou a ficar um pouco tedioso enquanto ela contava sobre os preparativos para a viagem, principalmente na parte em que fala sobre a reforma do barco. Eu sou uma pessoa que adora uma obra bem detalhada, mas acho que a autora exagerou um pouco em detalhar tanto essa parte de reforma do barco. Voltei a me interessar mais pelo livro quando acabou a primeira parte e a viagem começou, pois a história se tornou mais dinâmica com os posts do blog.

Gostei bastante das frases inspiradoras presentes no início de cada parte, e também de na segunda parte haver uma divisão das etapas da viagem com uma foto de Jessica e anunciando qual etapa da viagem era aquela. Outra coisa que gostei, foi que o livro contém fotos de Jessica com sua família e também de sua viagem, porém apreciaria que tivesse mais fotos.

A edição esta muito boa, a capa é bonita e o designe do interior do livro também. Encontrei um erro de concordância em uma frase na primeira parte que talvez possa ser atribuído ao fato de que Jessica Watson é disléxica, então este pode ser um erro que passou despercebido por seus editores e talvez também tenha passado despercebido pelo tradutor.


Eu sabia que aquele incidente horripilante daria combustível àqueles que criticavam eu e os meus pais pelo meu projeto. Na opinião deles, eu havia mostrado exatamente por que jamais deveriam permitir que eu navegasse sozinha. No entanto, naquele mesmo momento, eu havia provado a mim mesma que tinha as habilidades necessárias para alcançar meu sonho. Quaisquer dúvidas sobre a minha capacidade de lidar emocionalmente com aquilo haviam desaparecido. Percebi o tamanho de minha força interior.
Senti um arrepio de ansiedade, empolgação e incredulidade ao dizer isso. Após mais de cinco anos sonhando com aquela viagem, ela ia mesmo se tornar realidade.
Durante as tempestades , eu gritava o tempo todo para Parker e a Ella's Pink Lady, pedindo para que aguentassem firme enquanto caíamos ou subíamos por uma onda especialmente difícil. Quando eu escrevia no blog usando a terceira pessoa, era porque havia incluído meus "amigos" na aventura.

8 comentários:

  1. Apesar de não aparentar ser um livro marcante, eu me vi atraído por ele, por conta de você nunca desistir de algo que você sonhe! Eu, assim como você, gosto de livros bem construídos, com um desenvolvimento legal, e não com detalhes exagerado, fazendo com que a leitura torne cansativa. Além disso, eu não gostei da capa. Apesar da capa ser totalmente de acordo com a história, achei que ela poderia ser melhor!

    ResponderExcluir
  2. O livro parece ser bem interessante, correr atrás dos nossos sonhos e tal. Mas ainda não sei se vou ler, livros meio exagerados e a capa é bem feinha né? Acho que vou deixar passar esta!Beijocas!!
    umlugarparaleresonhar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Achei legal a questão das fotos no livro. Dá para o leitor mergulhar um pouco mais na história.
    Ah, eu também curto obras bem detalhadas, mas quando começa as descrições desnecessárias, bate logo um tédio. Detesto isso.
    Beijos!
    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Achei bem interessante sua resenha e mensagem que o livro pretende passar para o leitor, mas no momento não pretendo ler esse livro.

    ResponderExcluir
  5. tem pontos positivos e negativos ne? msm assim nao sei se leria, a historia nao me atraiu....

    ResponderExcluir
  6. Pamella!
    Histórias reais são sempre bem atrativas aos meus olhos e se é uma aventura como essa, ainda mais.
    Imagino que algumas partes sejam mesmo cansativas por serem tão descritivas, mas gosto dos detalhes.
    “Sofremos muito com o pouco que nos falta e gozamos pouco o muito que temos.”(William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  7. Tem que ter coragem mesmo para fazer isso. Eu com certeza não teria.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  8. Começando pela capa, não gostei muito, acho que uma ilustração seria bem mais aceita, pelo menos por mim. Sobre a história, também não gostei. Ela conta como foi a mais jovem a viajar e/ou sobreviver a uma corajosa viagem de navio? Acho que isso não é do meu interesse. Mas, pelo menos valeu a coragem.

    ResponderExcluir