terça-feira, 14 de julho de 2015

Resenha O livro do silêncio de PJ Pereira.




Título: O livro do silêncio.
Trilogia: Deuses de Dois Mundos.
Autor: PJ Pereira.
Editora: Livros de Safra.
Número de Páginas: 264.
Ano de Lançamento: 2013.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Na África ancestral, Orunmilá, o maior adivinho de todos os tempos, não entende por que seus instrumentos se calaram. Nos dias atuais, um jovem jornalista se aventura pelas ruas de São Paulo, tentando fugir de uma missão que não deveria ser sua. No primeiro livro da série Deuses de dois mundos, Ogum, Xangô, Oxóssi e Oxum se unem a gente do nosso tempo para resgatar os 16 príncipes do destino, numa narrativa que preserva toda a sensualidade e violência original dos mitos africanos dos orixás.

Opinião:

O livro do silêncio é o primeiro da trilogia Deuses de Dois Mundos escrita por PJ Pereira. A história, na minha opinião, deixou a desejar.

O personagem principal, Newton Fernandes, é um jornalista que está sempre em busca da grande reportagem e de prazeres gastronômicos. Porém, num determinado momento da história, um acontecimento fará com que ele entre num mundo místico.

A história fica na troca de e-mails entre o personagem principal e um desconhecido - que até o final do livro não é possível descobrir quem é -, intercalando com a história de personagens da mitologia africana, como por exemplo, Orumilá, Oxum, Xangô, Ogum, Oxóssi, dentre outros, que partem em uma jornada para descobrir o motivo da perda do poder de prever o futuro.

Apesar do livro possuir um glossário de termos africanos, a leitura torna-se difícil, pois em muitas passagens o autor usa termos africanos, e a consequência? Ficamos boiando na leitura.

Para aqueles, assim como eu, que não estão familiarizados com termos africanos, fujam do livro. No entanto, para as pessoas que gostam da mitologia africana e possuem interesse em conhecer um pouco mais, é uma boa dica.

Assim, o livro recebeu nota 1, pela dificuldade de leitura e pela narrativa não trazer o tipo de ação cheia de surpresas que é divulgada na contracapa da obra.

Mojubá, babá. A casa dos Odé! A casa foi invadida, e foi tudo roubado. Não sobrou nada. E ninguém viu quem foi. Pelas marcas no chão só se sabe que eram cinco os ladrões. Nada mais!
Orunmilá e Odoguiá congelaram. Os iorubas acreditavam que tudo na vida se repete. O que aconteceu na vida das pessoas do passado é o mesmo que irá se repetir com as pessoas do presente e com as do futuro. E os donos dessas histórias são os odus. Com esse poder, as Iá Mi poderiam dar ao mundo o rumo que desejassem. Pelo que se sabia das velhas feiticeiras, isso não seria nada bom para os habitantes do Aiê.
Meu povo acreditava que, no início dos tempos, os odus, 16 príncipes que moravam no Orum, foram ao mundo e coletaram algumas histórias - 16 histórias cada um. Essas histórias representavam tudo aquilo que os homens, de qualquer tempo e qualquer mundo, deveriam viver. Assim, aquilo que aconteceu na vida das pessoas do passado acontecerá na vida das pessoas do presente.

7 comentários:

  1. Fédon!
    Delicado quando não se tem conhecimento sobre determinada terminologia e o livro também não traz suporte para isso... Fica complicado de ler.
    A mitologia africana é rica em termos próprios e uma linguagem totalmente diferente.
    Uma pena...
    “É mais fácil obter o que se deseja com um sorriso do que à ponta da espada.”(William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  2. ooi, tudo bem?
    As vezes os termos estrangeiros interferem na leitura e não deixam ela fluir bem.
    Tenho interesse em ler essa trilogia e não sei se os termos serão um problema.

    [Último dia] PARTICIPE DA PROMOÇÃO "1 ANO DO BLOG"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daniela, tudo bem e você?
      Realmente, muitos termos estrangeiros dificultam nossa leitura.
      Boa leitura :)

      Excluir
  3. É bem complicado esses livros que possuem palavras/nomes diferentes. A gente perde muito tempo olhando o glossário e quando retoma a leitura, já perdeu o foco. Acho que seria uma leitura que não funcionaria comigo também. Eu adorei a arte da capa.

    ResponderExcluir
  4. Também não gostei muito deste livro 1, só espero que o 2 seja melhor.
    Bj, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Eu não sou fã desse tipo de livro, mas também não julgo pela capa! Espero que quem goste, aproveite muito,posso até tentar ler,mas não garanto que eu vá gostar!

    ResponderExcluir