segunda-feira, 6 de julho de 2015

Lançamentos L&PM Editores.

Olá!
Vamos aproveitar a noite para conferir os lançamentos da L&PM Editores?


Neste livro você terá belíssimas imagens da cidade que está em todos os corações, com seus bares, monumentos, museus e praças. A Paris que encantou Hemingway, Gertrude Stein, Jack Kerouac, Balzac, Victor Hugo, entre milhares de personalidades que visitaram e descreveram a Cidade Luz. Ao lado de cada imagem escolhida para você admirar e sobretudo colorir muito há uma seleção de grandes frases de artistas e escritores célebres que amaram a beleza e as surpresas desta cidade lendária.



A convite de Poirot, o capitão Hastings retorna ao local da primeira investigação de ambos: a mansão Styles. O tempo passou: o detetive belga envelheceu e está em uma cadeira de rodas; já a antiga mansão foi reduzida a uma mera hospedaria. A visita, porém, se revela mais que um reencontro entre velhos amigos. O instinto de Poirot, ainda afiado, lhe diz que entre os hóspedes há um assassino. E ele precisa que Hastings o ajude a identificá-lo antes que haja mais uma vítima – e antes que seu tempo acabe. Escrito na década de 40, mas mantido em um cofre até sua publicação em 1975 (um ano antes da morte de Christie), Cai o pano é a última investigação de Hercule Poirot. Neste romance, considerado um de seus melhores, a Rainha do Crime concebe uma arrebatadora despedida ao seu maior e mais querido personagem.



“Foi a mãe dela que matou o pai ou foi o pai que matou a mãe?” Ariadne Oliver fica pasma com a impertinência da sra. Burton-Cox ao lhe perguntar, tão casualmente, sobre o trágico passado de sua afilhada, Celia Ravenscroft. Mesmo assim, a questão desperta sua curiosidade, pois o caso nunca foi esclarecido. Para investigar esse crime, Ariadne pede ajuda ao detetive Hercule Poirot. Ele tem certeza de que a resposta ainda está na memória das antigas testemunhas – e agora cabe a ambos remexer o passado e descobrir como as peças desse complexo quebra-cabeça se encaixam. Publicado em 1972, Os elefantes não esquecem foi um dos últimos livros escritos por Agatha Christie. Para além de um mistério intrigante, o romance esconde nas entrelinhas revelações autobiográficas sobre a autora.




Em setembro de 1939, com a invasão da Polônia pelo Terceiro Reich de Hitler, teve início a Segunda Guerra Mundial. O avanço nazista sobre a Europa foi veloz, e, em junho de 1940, Paris – então capital cultural e intelectual do mundo – e parte da França foram ocupadas pelos alemães. O governo e boa parcela da população francesa capitularam; outra parte se envolveria no movimento clandestino de resistência. A Cidade Luz se ensombreceu; os museus se esvaziaram na meticulosa operação para proteger dos nazistas as principais obras de arte do país, e teve início um dos mais sombrios períodos da longa história de Paris, com intervenção política, toque de recolher, perseguição a judeus e a outras minorias, prisões arbitrárias, violência, medo e suspeita. Apenas em junho de 1944 a cidade seria libertada pelos aliados.  Dan Franck se debruça aqui sobre esses turbulentos e excitantes anos em que, enquanto o mundo assistia atônito ao desenrolar da guerra, os habitantes, as ruas, as vielas, os cafés e os museus parisienses padeciam sob o jugo inimigo. Encontram-se retratados traidores e heróis, membros da resistência e colaboracionistas, artistas tentando trabalhar num clima político impossível, editores correndo atrás de papel para imprimir seus livros, cineastas em busca de bobinas de filme, escritores trabalhando com medo, outros morrendo sob tortura; Sartre escrevendo no Café Flore, com um cigarro na mão, sobre o engajamento e sobre o ser; também os escritores André Malraux, Ernest Hemingway e Marguerite Duras, o poeta Louis Aragon, Pablo Picasso, o destemido aviador e herói da Resistência Antoine de Saint-Exupéry e Sylvia Beach, proprietária da lendária livraria Shakespeare & Co. – personalidades inesquecíveis que, entre vários anônimos, habitam essa história frequentemente trágica, outras vezes heroica, mas sempre instigante. 


3 comentários:

  1. Cath!
    Maravilha as reedições da Agatha Christie.
    Adorei!
    “Todo mundo é capaz de dominar uma dor, exceto quem a sente.”(William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  2. Ótimos livros! Ainda não consegui ler nenhum livro da Agatha Christie, mas por falta de oportunidade mesmo. Eu adoro o gênero! Fiquei interessada pelo livro Paris e Paris ocupada. Esse último, fala sobre Segunda Guerra, que é um assunto que sempre gostei.

    ResponderExcluir
  3. Amei os na Agatha Christie de quem sou fã!
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir