terça-feira, 7 de abril de 2015

Resenha Um Estranho Perfeito de Susan Fox.


Título: Um Estranho Perfeito.
Saga: Caribou Crossing.
Livro III.
Autora: Susan Fox.
Editora: Única.
Número de Páginas: 384.
Ano de Lançamento: 2015.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Caribou Crossing é uma cidade de recomeços. E assim o era para Brooke Kincaid que, há cinco anos, tenta reparar os erros de seu passado. Quando, porém, uma moto Harley-Davidson destrói sua cerca e um estranho perigoso e irresistível literalmente invade sua vida, ela mal imagina as ameaças que a chegada desse fugitivo traria. Jake Brannon sabe que Brooke é vulnerável, mas também forte, gentil e mais quente que o próprio inferno. A personalidade forte dessa mulher intrigante e seu charme perturbador são capazes de fazer até o maior aventureiro sossegar... Apenas para ter o gosto daquele delicioso romance. Agora ela precisa ajudar esse homem misterioso a continuar vivo ou as pessoas que ama estarão em perigo. Brooke precisa fazer as escolhas certas dessa vez. Pode ser sua última chance.
Opinião:

Um Estranho Perfeito é o terceiro livro da Saga Caribou Crossing, mas você pode ler todos separadamente que não ocorrerá problemas, eu mesma li este, mas não li os anteriores.

Brooke foi aquela garota que fez muita merda na vida, engravidou cedo de um cara que era popular no colégio, mas que se mostrou um canalha, bebendo e batendo nela. Ela também é alcoólatra, tem transtorno de bipolaridade e foi uma péssima mãe, realmente péssima.

Só que agora faz anos que Brooke parou de beber, toma lítio para sua bipolaridade e conseguiu construir uma boa relação com o filho e a família dele. O problema é quando Jake Brannon cai literalmente na sua casa.

Jake gosta de aventura - e está numa quando cai em cima da cerca da casa de Brooke depois de levar um tiro. A primeira reação obviamente é tentar assustá-la para que o esconda até melhorar, mas acaba que os dois vão abaixando as barreiras e Brooke tem que decidir se encara essa aventura ou não.

Como é um romance, é nítido que aos poucos vai começando a rolar algo entre os personagens, mas eu achei um romance mais adulto em certos aspectos, ele não é aquele romance adolescente e os dois personagens tem noção das suas vidas, pois já são estruturadas.

Eu achei que a autora soube mesclar bem entre a aventura do livro e o romance, não fica cansativo, pois sai de um e vai para outro, então, quando estiver achando muita melação, vai trocar e vice-versa.

Brooke me irritou um pouco, talvez eu seja uma julgadora, mas não tenho muita paciência para pessoas que ferram a vida dos filhos, eu acho cometer erros ok, normal, mas se resolve levar uma gravidez e ficar com o bebê tem que ter noção que seus erros vão se refletir nele.

Eu já tive/tenho depressão, então sei como é ter algo que parece que vai te afundar, mas, mesmo assim, eu acho que para ter filho tem que se pensar bem, senão vai criar mais uma criança com problemas psicológicos.

Então, mesmo que ela tenha mudado, o que ocorreu, eu fiquei com um pé atrás e não posso dizer que a adorei totalmente, acho louvável sempre as pessoas estarem melhorando, mas talvez eu não saiba esquecer 100%, logo, eu achei a personagem fraca por quem era, e não por quem foi no decorrer do livro.

Outra coisa que o livro trata é a diferença de idade entre os personagens, já que Jake é oito anos mais novo. Pessoalmente, eu super apoio isso, desde que a pessoa já seja maior de idade, claro, e acho bom ser retratado em livros (e vamos combinar que fisicamente é melhor para a mulher pegar um mais novo, já que um da sua idade vai parar de funcionar antes dela, haha).

No total, eu gostei do livro, pois sai do romance adolescente e vai para um relacionamento maduro, além de mostrar sobre alcoolismo, bipolaridade e diferença de idade.



Culpa. Isso nunca morre. Você aprende apenas a superá-la, e isso se tiver sorte.
- Eles cometeram esses erros porque a amavam - disse Jake mais uma vez. - Contudo, algum cretino a fatiou e a jogou fora como se fosse o lixo da cozinha. Não é justo que ele saia impune dessa. 

- Bem, eu tive um pouco de experiência - ela olhou para o volante. - Eu mesma ter sido machucada. E machucar pessoas, decepcioná-las. Eu machuquei principalmente a Evan, mas houve outros. Eu estava sofrendo tanto que nem me importava, nem percebia, se estava ou não magoando os outros.

- Não tenho certeza. Pelo menos não fazendo isso de forma legal e encontrando provas que fossem admissíveis em tribunal. Você tem que odiar o sistema quando criminosos têm mais direitos do que as vítimas - resmungou.

5 comentários:

  1. Estou terminando uma outra série da autora (as irmãs Fallon) e estou satisfeita até então. Esta é uma outra série que vou querer conhecer também, e espero ser tão boa quanto a que estou lendo, apesar que pelos temas abordados neste livro, parece ser melhor.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  2. Não sabia desse detalhe do personagem masculino ser mais novo que a personagem. Foi legal saber desse assunto.A trama tem cara de ser muito envolvente. Gosto dos livros da autora e espero conseguir ler este da série logo. Pois já li os anteriores e amei.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu também gosto de romances mais adultos e essa coisa de abordar sobre transtornos psicológicos. E a primeira coisa que eu pensei quando eu soube que Brooke era uma péssima mãe foi o mesmo que você: "não tenho muita paciência para pessoas que ferram a vida dos filhos, eu acho cometer erros ok, normal, mas se resolve levar uma gravidez e ficar com o bebê tem que ter noção que seus erros vão se refletir nele." e quando você diz: "...mesmo que ela tenha mudado, o que ocorreu, eu fiquei com um pé atrás e não posso dizer que a adorei totalmente..." Só que no meu caso foi um pré julgamento já que eu ainda não li o livro haha :P

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir