quinta-feira, 16 de abril de 2015

Resenha Antes do despertar do ser maior.


Título: Antes do despertar do ser maior.
Saga: Luz na Escuridão.
Autor: Héber Gonçalves.
Número de Páginas: 260.
Ano de Lançamento: 2014.
Cortesia do autor.

Sinopse: Kiummer, Rei Supremo do Sul, por temer a morte e as consequências de suas atitudes, dedica vários anos de sua vida para escrever os Dezoito Pergaminhos com o sangue de um dos Eternos em busca da imortalidade. Com isso, ele desencadeia a profecia do “Despertar do Ser Maior” que resultará no fim de sua era. Para impedir que se cumpra a profecia, Huntter, Príncipe Herdeiro do Sul, enfrenta seu pai e foge com os pergaminhos, iniciando uma aventura que mudará a história do mundo, onde até mesmo os Eternos do Sonho e do Pesadelo sofrerão as consequências de seus atos.
Opinião:

Antes do despertar do ser maior é o primeiro livro da Saga Luz na Escuridão. A obra começa contando sobre Kiummer, o Rei Supremo do Sul, que era tão mau que matou sua própria família para conseguir ter o poder do trono e governar o reino, além disso, ele tinha vários planos malignos e o único ganhador deste ia ser ele mesmo.

Kiummer planejava tomar quantos reinos fossem possíveis e assim se tornar o mais poderoso de todos os tempos e, enquanto fazia seus planos de dominação, também se dedicava escrevendo 18 pergaminhos com o sangue de um dos Eternos buscando assim a imortalidade, para continuar a crescer seu comando.

Anos se passaram até ele concluir essas escritas e o que não contava é que seu próprio filho, Huntter, fugiria com os pergaminhos.

Huntter faz isso para conseguir impedir os planos de seu pai de dominar os outros 5 reinos, e com os pergaminhos em mãos o Príncipe do Sul tem que enfrentar muitos inimigos que seu pai acumulou ao longo dos anos.

Assim começa a guerra entre pai e filho, porém, eles não sabem que a profecia do Despertar do Ser Maior está prestes a se cumprir, colocando todos em risco, podendo acabar com todos os 5 reinos.

O que me atrapalhou na leitura foi ter vários personagens com nomes complicados, o que vazia eu me perder as vezes.

Eu me senti transportada para um mundo medieval com seus vários reinos, sendo esse universo um lugar mais sombrio.

Para o leitor se localizar melhor existe um mapa na última página, com todos os reinos aos quais o livro se refere.

Acredito que o pessoal que gosta de RPG vai apreciar a obra, pois normalmente eles criam vários reinos e também adoram nomes complicados, fiquei me perguntando se o próprio autor curte esse gênero.

Além disso, embora o nome e a capa tragam uma referencia religiosa não existe tal na obra, sendo uma aventura o tempo todo em cenário medieval.

As dificuldades que achei foram os nomes complexos como já referi e que a edição tem letras minúsculas, o que torna a leitura mais complicada, ainda mais a noite.


Não é onde o corpo está enterrado que ligará aqueles que se amam na eternidade sim no amor, ele estará com você.
Não podemos entrega-los para o Rei do Sul, a magia que eles contêm pode mudar o mundo. Não me arrependo de tirá-lo dele  os pergaminhos, todavia, lamento não te contar, não sabia até onde poderia confiar nas outras pessoas.



2 comentários:

  1. Hummm. Esse negócio de letras miúdas é um saco. Cansa demais as vistas. Mas a história que você descreve na resenha me encantou. Amo histórias medievais. São incríveis pelo ambiente que descrevem e as roupas da época. Parece ter bastante aventuras e ação. Gosto disso numa história.Com certeza vou ler.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda não me atrevi a ler nenhum livro da Saga Luz na Escuridão, acho bastante "pesado" por ser "complexo"... Não é um gênero que curto muito.

    ResponderExcluir