quinta-feira, 26 de março de 2015

Resenha O Advogado da Vida de Jean Postai.


Título: O Advogado da Vida.
Autor: Jean Postai.
Editora: Novo Século.
Ano de Lançamento: 2012.
Número de Páginas: 416.
Cortesia do autor.

Sinopse:
Quando começa o direito à vida?
Essa pergunta fica quase impossível de ser respondida quando o médico Arthur Galanidel é preso por supostamente realizar abortos ilegais em sua clínica, inclusive em uma menor de idade.
O advogado David é escalado para defender o caso, sofrendo a pressão da imprensa e da sociedade, que discutem se uma mulher tem ou não o direito de abortar e se o médico é ou não um criminoso.
Será que David conseguirá convencer os jurados a inocentar o médico? Em quais situações é permitido a uma mãe optar por dar ou não à vida a seu filho?
Neste emocionante thriller jurídico, as perseguições, tramas e provas são misturadas a todo momento, criando um romance fantástico, de tirar o fôlego.
Tudo isso para, no final das contas, o caso ser julgado por sete jurados que decidirão onde começa e até onde vai o mais fundamental dos direitos: o direito à vida.
Opinião:

O livro em si é sobre o julgamento do Dr. Arthur Galanidel, pois ele foi denunciado por fazer abortos. A obra já faz algum tempo que foi escrita, mas o assunto está tão atual que topei de cara fazer a resenha. Me deparei com algo novo, me senti literalmente num júri ouvindo os dois lados da moeda, escutando todas as justificativas do porquê sim e do porquê não. E, óbvio, não vim aqui defender se isso é certo ou errado e nem dar o resultado do julgamento.

Toda essa bagunça começa quando o médico é denunciado para o Ministério Público. E assim começa a caça as bruxas...

Ele contrata David, um sobrinho com o qual não fala há muito tempo para defendê-lo, este fica meio em duvida se aceita ou não o desafio, e conclui que será um ótimo negócio para alavancar o seu escritório (caso ganhe).

A advogada adversária, Morgana Corbani, por outro lado, tenta de todas as formas aumentar a pena do doutor usando até alguns recursos antiéticos para alimentar mais a revolta do povo e assim conseguir a condenação do médico. Pois o júri será formado por 7 leigos no assunto, então ela tenta manipular as opiniões para que obtenha sucesso.

O doutor Athur defende que apenas a mulher, como maior afetada em uma gravidez, tem o direito a escolher se vai prosseguir ou se vai interromper esse ciclo. E, assim, David vai tentando juntar provas e argumentos para tentar abrandar a pena do tio. Acontece que no Brasil o aborto só é autorizado caso mãe ou feto estejam em perigo ou se o bebê fora concebido por meio de um estupro, tornando, dessa forma, qualquer outro método proibido e ilegal.

Além disso, David conhece um velho amigo do doutor e também um antigo funcionário e acaba indo conhecer uma clínica de abortos clandestinos, fazendo-o entender melhor sobre o assunto que estava defendendo e conseguindo juntar provas para apresentar durante o julgamento.

O julgamento é intenso, é toma lá da cá... Pois o assunto é muito intrigante e, enquanto uns aprovam as atitudes do médico, outros repudiam com fervor... O final foi impressionante... Vale a pena vocês lerem.


Pense em uma coisa importante: você tem o caso de sua vida nas mãos, rapaz! Pode se tornar famoso e reconhecido por defender o médico que realizava aborto em mulheres famosas e ricas! Olhe o que a imprensa está fazendo comigo! Você vai aparecer em todos os jornais. Pense nisso!
Se você conhecesse uma mulher que está grávida e já tem nascidos oito filhos, dos quais três são surdos, dois são cegos, um é deficiente mental e ela tem sífilis... recomendaria que ela fizesse um aborto caso estivesse novamente grávida, desta vez do nono filho?
- E por que fez isso?- Porque acredito que não cabe ao Estado a decisão de ter um bebê ou não, mas sim à mãe da criança, que sabe de suas condições econômicas, psicológicas e sociais, tendo noção de que a criança nascerá em um ambiente totalmente prejudicial a ela e à sociedade.
E lembrem-se, existem três verdades: a minha, a de vocês e a correta.

11 comentários:

  1. Eu ainda não li nenhum livro como esse, mas eu adoraria ler! Esse livro deve ser ótimo, tanto pelo leitor se envolver com a justiça quanto ao livro tratar de um assunto que é bastante discutido atualmente!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá, o livro parece muito bom, acho que porque me interesso muito por assuntos desse tipo, curso psicologia, então sempre debatemos a respeito disso, o tema do aborto ainda é deixado muito de lado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aborto parece ser assunto proibido na sociedade. Do tipo não vamos falar porque dai é como se não existisse.

      Excluir
  4. O livro parece ser um tanto interessante, gostei muito da resenha além do livro tratar de um tema bem autêntico... muito bom.....

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Adorei o fato de nos sentimos em um tribunal, achei legal a ideia do livro de podemos ver pontos de vista diferente sobre o tema e trabalhados já que se passa em uma audiência e bem diferente a ideia por isso me chamou muito atenção !!!

    ResponderExcluir
  6. Eu fiz uma redação sobre a maioridade penal, e nela falei sobre o direito à vida... A leitura desse livro deve ser bem interessante pra quem gosta do assunto, ou pra quem quer saber mais. A dica esta anotadíssima, depois que vi a "nota máxima" que você deu fiquei mais curiosa ainda. Espero poder ler em breve )

    ResponderExcluir