terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Resenha A Teoria de Tudo de Jane Hawking.


Título: A Teoria de Tudo.
Autora: Jane Hawking.
Editora: Única.
Numero de Páginas: 448.
Ano de Lançamento: 2014.
Compre: Link.
Cortesia da editora.

Sinopse:
A história de Stephen Hawking é contada pela luz da genialidade e do amor que não vê obstáculos. Quando Jane conhece Stephen, percebe que está entrando para uma família que é pelo menos diferente. Com grande sede de conhecimento, os Hawking possuíam o hábito de levar material de leitura para o jantar, ir a óperas e concertos e estimular o brilhantismo em seus filhos entre eles aquele que seria conhecido como um dos maiores gênios da humanidade, Stephen. Descubra a história por trás de Stephen Hawking, cientista e autor de sucessos como Uma breve história do tempo, que já vendeu mais de 25 milhões de exemplares. Diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica aos 21 anos, enquanto conhecia a jovem tímida Jane, Hawking superou todas as expectativas dos médicos sobre suas chances de sobrevivência a partir da perseverança de sua mulher. Mesmo ao descobrir que a condição de Stephen apenas pioraria, Jane seguiu firme na decisão de compartilhar a vida com aquele que havia lhe encantado. Ao contar uma trajetória de 25 anos de casamento e três filhos, ela mostra uma história universal e tocante, narrada sob um ponto de vista único. Stephen Hawking chega o mais próximo que alguém já conseguiu de explicar o sentido da vida, enquanto Jane nos mostra que já o conhecia desde sempre: ele está na nossa capacidade de amar e de superar limites em nome daqueles que escolhemos para compartilhar a vida. O livro que inspirou o emocionante filme A Teoria de Tudo.
Opinião:

Se eu disser que chego a rosnar para esse livro não estarei mentindo, mas na verdade estou rosnando é para a Jane Hawking, já que foi ela que escreveu a obra e que a estragou com sua personalidade pavorosa.

Pessoalmente, eu olhei o trailer do filme e pensei: "Parece maravilhoso, como os livros são melhores que os filmes, vou querer lê-lo." Eis que não estava preparada para me deparar com uma mulher tão chata e mesquinha.

Em síntese, o livro conta a história da vida de Stephen e Jane Hawking. Para quem não sabe, Stephen é totalmente conhecido por propor as quatro leis da mecânica do buraco negro, entre várias outras coisas, o cara realmente fez a diferença dele no mundo.

Meu problema com a obra não foi de maneira nenhuma a vida do Stephen, mas sim a detestável da Jane, a mulher se acha uma santa, sendo que ela começou a namorar com ele já sabendo que ele tinha ELLA (uma doença degenerativa que paralisa os músculos do corpo sem atingir as funções cerebrais) e desde o começo já reclamava do Stephen.

Então desde o começo da obra ela já está reclamando, “Stephen dirige mal, nunca mais quero andar de carro com ele”, “Stephen não é religioso, isso é horrível”, e blábláblá. Não sei se eu sou romântica demais, mas não vejo por que ficar com alguém para estar reclamando!

Além disso, depois que ela se casa, piora a síndrome do coitadismo e isso me irritou o tempo inteiro. Seriamente, eu queria sacudir essa mulher.

E a obra se passa pela vida do Stephen retratado pela visão da primeira esposa dele, sendo que eles ficaram casados mais de vinte anos antes de se separarem, e o livro não vai te contar o porquê da separação.

É a minha opinião, mas eu odiei o livro, pelo simples fato de ter detestado quem narra ele. É como andar com uma pessoa que você sente vontade de esganar. A capa e diagramação que a Editora fez estão lindas, certamente, mas o conteúdo me deixou furiosa.

Ademais, é um livro com muito pouco dialogo, pois 90% é a Jane narrando. Em resumo, eu detestei a Jane, logo a obra acabou se tornando terrível para mim, mas você pode muito bem gostar dela se aprecia um grau máximo de coitadismo.


A viagem foi horrível. Ficou claro que Stephen era o mesmo tipo de motorista que o pai, que dirigia rápida e furiosamente, fazendo ultrapassagens em subidas e curvas - dizia-se até que ele guiara em uma via de mão dupla, na contramão.
"Se ele precisa de você, você deve fazê-lo", disseram.
Balé era um desperdício de tempo, e a música, trivial, não valia o esforço de escutar, ele disse.
De volta a Cambridge, em um sábado à noite úmido e escuro, ele sussurrou-me, hesitante, um pedido de casamento.
Esse aniversário, felizmente, foi muito diferente do ano anterior, quando Stephen tinha me dado um registro das obras completas de Webern e mais tarde levou-me a um drama sobre a utilização da cadeira elétrica nos Estados Unidos.

9 comentários:

  1. Poxa, não gostou? Não tenho como dar uma crítica pois nem li o livro e muito menos vi o filme. A capa e o nome são bem atrativos, mas pelo visto a obra em si não. É uma pena :\

    ResponderExcluir
  2. Eu acho meio sem graça essa mania das editoras brasileiras de colocar o poster do filme na capa do livro. Poxa, mantem a original.
    Estou bem interessado em ver o filme, é meio impossível ninguém conhecer o Stephen, afinal, ele só é o homem mais inteligente do mundo. Dizem que o filme é lindo e que o ator foi simplesmente perfeito em sua interpretação.
    Já o livro, dificilmente lerei, não faz muito meu tipo esse tipo de leitura.

    ResponderExcluir
  3. Oi Cath's!

    Então, sobre o livro eu não tenho muito o que falar. Mas o filme é maravilhoso. Quer dizer, eu realmente gostei. Não parece que é um relato sobre a vida da mulher dele. Ficar sabendo disso me decepcionou muito em relação ao livro. Tanto que eu nem sei se vou lê-lo mais. Se tem uma coisa que eu ODEIO é gente que se faz de coitada.

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com/

    ResponderExcluir
  4. No encontro que teve com a editora no final do ano passado, conheci melhor o livro e achei bem interessante. Mas confesso que queria mesmo era ver o filme.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  5. NOSSA CATH!
    Foi tão horripilante assim? Achei que seria um livro bem interessante, já que o filme tem recebido as melhores críticas, inclusive o próprio Hawking foi ao set das gravações.
    A pior coisa é você saber que uma pessoa já tem um problema e ainda assim resolve casar com ela, porém não tem caráter para suportar as consequências, para que casou então?
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  6. Li numa resenha que ela tinha um amante, não foi esse o motivo deles se separarem? Eu se fosse ele separaria por isso, ninguém mandou ela casar com ele sabendo desse problema. Eu hein, sai fora essa mulher.

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Só passei a conhecer o livro pelo filme, fiquei muito curiosa sobre a historia do Stephen Hawking já que não o conhecia, mas agora eu fiquei um pouco desaminada pra ler o livro, mesmo na resenha do livro já não estou gostando da Jane !!

    ResponderExcluir
  8. Comprei o livro, mas não tive a oportunidade de começar a ler ainda. Mas já vi o filme e fiquei maravilhada, pois o filme é realmente uma obra de arte. Não posso dizer nada sobre o livro ainda. Mas você não gostou? :( Poxa :( No filme a história dos dois parece ser tão linda, não sabia que durante a maior parte do livro, a Jane se fazia de coitadinha. Fiquei um pouco decepcionada agora. No filme, odiei a Jane por ter terminado com o Stephen e na minha opinião, traindo ele dentro da própria casa dele.
    Lerei o livro e direi o que achei.
    Beijo. Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  9. Nossa! Que mulher mais detestável mesmo. Odeio pessoas que são assim. Como esse livro é do gênero autobiográfico, já não iria lê-lo, e sabendo que quem narra é uma "satanás de rabo", não chego nem perto.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir