terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Resenha Willow.



Título: Willow.
Autora: Julia Hoban.
Editora: LeYa.
Numero de Páginas: 352.
Ano de Lançamento: 2014.
Compre: Saraiva.

Sinopse:
Sete meses atrás, em uma noite chuvosa de março, os pais de Willow acabaram bebendo muito durante o jantar e pediram a ela que guiasse o carro até em casa. Por uma fatalidade, Willow perdeu o controle do veículo e seus pais morreram no acidente. Consumida pela culpa, Willow deixa para trás sua casa, amigos e escola e, enquanto tenta retomar a relação de afeto e companheirismo com o irmão mais velho, secretamente bloqueia a dor da perda cortando a si mesma. Mas quando Willow encontra Guy, um rapaz tão sensível e complexo quanto ela, mudanças intensas começam a acontecer, virando seu mundo de cabeça para baixo. Contado de modo cativante e doce, Willow é um romance inesquecível sobre a luta de uma jovem para lidar com a tragédia familiar e com o medo de se deixar viver uma linda história de amor e cumplicidade. 
Opinião:

Este é um livro que fala sobre um tema bem conhecido: a automutilação, quando, em um momento de depressão/estresse/etc, a pessoa se corta como um escape para esses sentimentos.

Depois de um acidente no qual os pais de Willow morrem, a adolescente se sente culpada, pois era ela quem estava dirigindo. Além disso, ela tem que mudar de colégio e ir morar com seu irmão, que tem uma filha bebê e não está em condições financeiras de sustentar muitas pessoas, motivo pelo qual ela trabalha na biblioteca - para ajudar nas despesas da casa.

Além de achar que a culpa de seus pais terem morrido foi dela, Willow acha que, por isso, a relação com o irmão mudou, que ele acha-a responsável por assassinar os pais deles. Então, ela acaba se isolando, já que não se sentia mais à vontade com seus amigos e nem conseguia fazer novos... até conhecer Guy na biblioteca, que pouco depois descobre que ela se automutila e resolve ajudá-la como pode, ficando por perto e tentando convencê-la a parar.

Só que Guy, embora seja um adolescente normal, também é aquele garoto que leu livros e consegue manter uma conversa interessante, e logo começa a surgir mais do que leve curiosidade entre os dois.

E, assim, a obra vai contando como Willow se sente no dia a dia e enquanto se corta, os sentimentos conflitantes e arrasadores, ao mesmo tempo que tenta manter tudo normal na superfície, para ninguém descobrir e tirar dela o meio que achou de não afundar na dor.

Eu gostei muito do livro, pois achei que ele consegue retratar o cuidado que as pessoas tem para esconder essa automutilação, o quanto muda a vida do indivíduo e também a necessidade de ajuda nesse momento, pois ninguém está nele porque quer, se acabou assim é por não suportar o quanto seus sentimentos estão causando dor.

É um tema polêmico, pois acho que só entende quem, realmente, já teve depressão em algum momento e cogitou isso (admito que estou entre essas pessoas), não é algo de pessoas fracas, como alguns apontam, é algo que precisa de atenção para se melhorar.

É uma leitura que não passa rápido, embora seja um livro pequeno, talvez pelo conteúdo, mas ao meu ver, foi a escrita da autora que impossibilitou a fluência dessa leitura, ela poderia ter melhorado isso.

Achei a capa muito bonita e com um toque sombrio, o que convêm ao livro, não percebi nenhum erro na diagramação.





Ela apoia o queixo nas mãos e observa ociosamente enquanto Vicki segue ocupada. É importante manter seu rosto neutro, sem transparecer nada por meio de sua expressão. Ela tem que passar a impressão de que nada está ocorrendo embaixo da mesa. Tem que passar a impressão de que não está tentando abrir ainda mais a ferida, de que não está manchando as pontas de seu tênis com sangue.
Willow não consegue falar. Ela está apoiada contra a cama e desabotoa sua camisa com dedos trêmulos. Ela olha para seu estomago, procurando encontrar um lugar possível,  e faz o primeiro corte, esperando pelo momento em que a dor da lâmina apague todo o resto. Não está acontecendo tão rápido como normalmente e sua respiração vem em pequenos ofegos enquanto a lâmina afunda cada vez mais e mais profundamente na sua carne.
Ela segura seu estômago, com medo de que se ela não o fizer, ela irá se dobrar de dor. Guy não diz nada para ela, ele só mantém seus cabelos para trás da cabeça e ocasionalmente enxuga suas lágrimas com as mãos.

20 comentários:

  1. Nossa, meio pesada aquela parte na mesa.
    Não é muito meu tipo de livro, eu prefiro muito mais aventuras do que dramas.
    Porém seria o tipo de filme que eu iria ver.
    Vai pra lista "Vou esperar o filme". :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei porque, não acho que seja o tipo de livro que vá virar filme.

      Excluir
  2. Realmente achei a capa muito linda!
    Se você pensar bem, isso acontece muito nos dias de hoje, não só com adolescentes, mas pessoas que fazem (ou não), ou por acidente alguma coisa que fica marcada pro resto da vida na pessoa, e as vezes acabam se auto mutilando não na intenção de se matar (as vezes é), mas sim, para desviar um pouco da dor que ela está sentindo na própria consciência, na cabeça e no coração, para uma dor física.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, há uns anos atrás isso tinha até virado "moda". Agora parece que esqueceram o assunto.

      Excluir
  3. Nossa, essa quotes que você colocou dão até um mal estar, pelo jeito o livro é bem forte mesmo. Mas acho interessante isso, acho que é um tema que as pessoas não dão muita atenção por considerarem frescura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o livro é forte para se fazer sentir.

      Excluir
  4. Tem muita gente que faz isso como uma busca desenfreada para tirar um sentimento de culpa ou até mesmo depressão. Achei a temática interessantíssima e pretendo muito ler. Parece forte e envolvente

    ResponderExcluir
  5. Oi Cath's
    Já li algumas resenhas falando bem desse livro e tenho bastante curiosidade sobre ele,, pois o tema, além de polêmico, não é muito discutido nos livros. Os quotes que você escolheu mostram bem os sentimentos da protagonista.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o livro tocou em um ponto não muito discutido atualmente, mas que continua acontecendo.

      Excluir
  6. Hey, Cath's!
    Adorei a capa. Tem tudo a ver. A menina e um tipo de quebra de vidro. Tudo a ver com a culpa que ela carrega. O acidente com os pais.
    Com certeza o livro é alvo de muitos julgamentos, tanto positivos quanto negativos. As pessoas que nunca passaram ou vivenciaram a situação da personagem principal, não vão entender e achar que ela apenas se corta porque quer e porque é mimada. Sempre vejo esse tipo de crítica para pessoas nessa situação.
    Acho o livro super interessante, principalmente para àqueles que não entendem esse tipo de ato. Quem sabe com toda a história do livro e os detalhes apresentados, as pessoas não passam a entender melhor? :)

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, também gostei da capa, expressa bem o livro.

      Excluir
  7. Um tema mais pesado, é um pouco complicado mesmo uma leitura desta.Eu tenho interesse no livro, apesar de ainda não ter lido.
    Bjs, rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho um bom livro para entender como as pessoas se sentem a respeito.

      Excluir
  8. Pelo que entendi, é uma trama um pouco densa, pois falar de alguém com depressão e com as consequências que ela causa não é fácil. Uma pena que a autora deu uma leve deslizada na parte de sua escrita, mas isso não prejudicou muito na avaliação final.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No geral é um livro muito bom, por retratar bem a situação e emoção.

      Excluir
  9. Willow foi um dos livros que mais me intrigou ano passado. Li ele em ebook, mas mesmo não sendo super fã de leituras digitais, o devorei. A sua resenha tá ótima, muito próxima do que pensei ao ler o livro. Depressão é um problemão, mas que muitas pessoas ao redor não compreendem. Isso é triste, pois o que a pessoa mais precisa no momento é de compreensão e carinho.

    beijos,

    Amy - Macchiato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Amy.
      Espero que o mundo ainda evolua muito.

      Excluir
  10. Cath!
    O tema é realmente polêmico e pelo que entendi, mesmo com uma escrita não tão fluida, a autora soube como abordar o tema.
    Na verdade concordo com você: depressão não é coisa de gente fraca, porque qualquer um, por mais forte que seja, pode passar por ela, dependendo da situação. O que precisa e cuidado e atenção para ficar curado.
    O livro é bem interessante.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Deve ser um livro com muito drama, com essa temática polêmica.
    No momento eu não me interesso, pois estou querendo leituras mais divertidas e leves.
    Mas o livro parece ser interessante, valeu pela dica!

    ResponderExcluir