quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Resenha Fatos Aleatórios de Alguém Aleatório para você, Aleatório.


Título: Fatos Aleatórios de alguém Aleatório para você, Aleatório.
Editora: 42.
Autor: Wilton Vital.
Numero de Páginas: 126.
Ano de Lançamento: 2014.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Fatos Aleatórios celebra o 'ser ímpar' contando histórias da vida íntima e fantástica do personagem Wilton Aleatório Vital, pseudônimo egocêntrico do autor. 
Opinião:


Totalmente admito que comecei a ler o livro sem estar muito empolgada, afinal a obra são histórias da vida do autor e tem muitas pessoas que tem vidas bem entediantes.

Não vou dizer que gostei de todas, pois não é o caso, mas algumas até me meteram medo (embora eu admita que isso não seja difícil, já que sou medrosa).

O autor vai de histórias da infância até a época atual, isso engloba brincadeiras, trabalho, curso de teatro e amigos.

As melhores partes foram os capítulos que tem uma pitada de terror, pois ele contou de maneira tão simplista o que aconteceu que acaba te fazendo acreditar.

Aliás, Wilton fazia hipnose com os colegas, levando uma a acreditar tão seriamente que começou a ver pessoas que não existiam, e isso me lembrou que eu assustava meus colegas no ensino fundamental também, falando língua de cobra (ninguém mandou não lerem HP) e dizendo que tinha um colar com poder, não sei como, mas eles acreditavam.

O livro retrata (ou assim acredito) a mente do autor sendo bem espontâneo, é como uma conversa com um amigo, em que as vezes você ficará entediado, em outras vai rir, ficar com medo ou achar nojento.

Eu achei uma obra divertida, que tem capítulos entediantes, mas que no geral me fez rir ou, como disse acima, ficar assustada. Fiz a leitura rapidamente, acho que em uma hora, no máximo uma hora e meia.

Quanto a diagramação as letras são grandes, não achei erros evidentes de ortografia, o único ponto negativo é que não tem as abas, assim você tem que cuidar para não amassar (não me indague o porquê, mas ao menos comigo os livros que não tem aba dentro sempre amassam e os que tem não).



Eu lia muitos livros de magia, especialmente de magia negra, sempre dentro da sala de aula. Chegava com eles nos braços, especialmente nas aulas de uma professora que nos forçava a rezar todos os dias.

Num lindo dia de sol, em uma aula, a professora pediu um trabalho escolar para a nossa "Feira do Conhecimento", primeira edição. Eu podia ter ficado com  aula de inglês, onde foi feito um maravilhoso trabalho sobre Harry Potter, mas não, eu fiquei com a aula de Educação Artística. E para garantir que teríamos o melhor trabalho de todos, decidimos construir uma pirâmide de argila. Construimos.

Sim, a minha mãe era uma grande traficante de orégano. Ela contava para a gente que, quando jovem, ia para a entrada das baladas com as amigas e ficava doando orégano para a molecada que queria usar drogas. 

Ao tirar os cacos, antes de pensarmos em pegar algo para enrolar em seus pés, a garota olhou fixamente para nós, gargalhou novamente e, mais alegre ainda, passou a pisar furiosamente sobre os estilhaços restantes no chão, ferindo ainda mais os pés. Foi então que eu percebi que ela não estava para brincadeira e que talvez aquilo estivesse realmente acontecendo.

3 comentários:

  1. Nem sei ao certo o que dizer...
    Achei que o livro é meio que estranho.
    Gosto muito de livros que me fazem sorrir,enfim,que sejam engraçados.
    Mas será que é o caso desse?!

    ResponderExcluir
  2. Cath!
    O que achei mais interessante é que parece um livro de terror, mas fez você rir, achei hilário.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir