segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Resenha Infância Interrompida.


Título: Infância Interrompida.
Autora: Cathy Glass.
Editora: Fundamento.
Numero de Páginas: 288.
Ano de Lançamento: 2013.
Compre: Link.
Cortesia da editora.

Sinopse:
“Jodie tem apenas 8 anos. Colocada para adoção, violenta e extremamente agressiva, passou por cinco famílias em quatro meses. A última esperança antes que a menina seja levada para uma instituição é Cathy, que vai recebê-la em sua casa. No início as coisas vão mal, muito mal mesmo. Mas, apesar das imensas dificuldades para lidar com Jodie, Cathy não desiste e usa todo o seu amor, paciência e experiência para ajudá-la. E, quanto mais a pequena confia em Cathy, mais esta descobre fatos medonhos sobre o triste passado da criança. Os pais – que deveriam ter cuidado com muito amor de Jodie – são as mesmas pessoas que interromperam sua infância, que acabaram com sua vida. O futuro de Jodie é nebuloso, mas Cathy irá ficar ao lado dela. Até quando puder.”
Opinião:

Quando pedi esse livro para ler foi porque gostei da sinopse, mas não tinha ideia de que era baseado em fatos, e que gostaria tanto da obra, embora eu deteste que essa história tenha sido real.

Cathy é uma acolhedora temporária. O que é isso? São pessoas que ficam temporariamente com crianças até irem para uma adoção definitiva ou voltarem para a família.

Quando o caso de Jodie chega para Cathy, depois de ter passado por cinco acolhedores em quatro meses, ela não esperava que fosse um caso tão complicado, só um pouquinho, mas não tanto.

Cathy resolve ser acolhedora de Jodie e assim que se conhecem percebe que não vai ser fácil. Com oito anos, a criança parece ter a idade mental de 4 anos, está acima do peso, o que torna seus movimentos mais complicados, não sabe usar talheres e quando fica irritada faz suas fezes, pegando com a mão e passando no rosto ou na casa.

No decorrer do livro, Cathy vai descobrindo o que aconteceu com Jodie para que seja assim, e isso torna as duas ainda mais unidas. Acontece que Cathy não sabe o que fazer para ajudar Jodie.

Jodie não se dá bem com adultos, não confia neles e também implica muito com os filhos de Cathy, Adrian, Lucy e Paula, deixando a família nervosa o tempo todo com seus ataques de chutes, socos e gritos. Além de acordar várias vezes à noite com algum ataque diferente.

O livro é maravilhoso no retratar da história de Jodie, que é baseada em fatos, mas é terrível que uma criança tenha passado por tudo que ela passou (e tantas outras infelizmente), é uma obra pesada por mostrar como isso afeta uma criança e as vezes não tem como ela se recuperar o suficiente para viver uma vida normal.

Também será tocado pela forma que Jodie conta, como se fosse algo normal, depois de tanto sofrimento, ela se fechou, tentando não sentir nada, para assim não ser afetada.

Se você consegue lidar com várias coisas terríveis acontecendo com uma criança é um excelente livro, mas se for ultra sensível a isso não te indico, eu mesma queria ir até os pais de Jodie e quebrar as caras deles, embora eu saiba que coisas assim acontecem no mundo, infelizmente enquanto escrevo essa resenha pode estar acontecendo com alguma criança.

Além disso a obra demonstra como é complicado o sistema burocrático que, as vezes no seu decorrer, deixam crianças sem a assistência necessária, o que ajuda nesses acontecimentos terríveis.

O final não é o esperado, já aviso, eu queria outro, mas não nego que esse é o final real infelizmente.

Eu não gostei muito de Jodie no começo, por ela ter colocado fogo no cachorro do pai, e embora eu entenda o porque ela fez isso, devo dizer que não a perdoei totalmente (eu sou sensível a tudo que tenha a ver com animais) então acho que sou um pouco dura, motivo pelo qual eu digo: se eu sendo assim fui nocauteada pelo livro, você pode ser também.

P.S.: Claro que todos os nomes foram trocados para a publicação do livro.


As crianças acolhidas não chegam a sua casa de olhos arregalados e sorrindo. Elas tendem a estar retraídas por causa do que lhes aconteceu e, muitas vezes, serão distantes, furiosas e difíceis de alcançar, o que não é de se surpreender muito.
 - Eu queria estar de novo na escola - ela admitiu. - Estou com medo do Natal. Jodie vai estragar tudo.
 - Quando está em um desses estados, ela pode fazer coisas que normalmente não faria? Quer dizer, o Reg parece ser uma personalidade muito enfurecida, e ela parece muito forte quando personifica o Reg.
  - Não, meu amorzinho, é claro que você não é malvada. Ela estava querendo dizer que o que aconteceu com você foi malvado. Nunca foi culpa sua. Você não pode pensar que foi.
 - Era gelada. O papai esquentava ela nas mãos dele antes. Às vezes ele era bonzinho, não é, Cathy?


6 comentários:

  1. Nossa! Já percebi por essa resenha que esse livro não faz meu gênero. Odeio ler coisas relacionadas a violência contra crianças. E, sabendo que foi baseado em fatos, pior ainda. Ou seja, esse eu passo!

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  2. Acho que também não leria o livro. Já não deve ser fácil ler,quando é uma ficção, imagina se tratar de uma história real.

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    É um livro bem pesado. Fiquei curioso para ler. É uma pena que seja uma história real.
    Beijos!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. O livro deve ser muuuito bom ele ganhou a nota maxina !
    Que demais ele amaria ler pois de fato parece ser otimo!
    Eu conhecia li a resenha primeito fez aqui em seu blog!

    BLOG- http://b-maluco.tk/
    INSTRAGRAM- http://instagram.com/omundodejess
    weheartit- http://weheartit.com/Gikura_Viey

    ResponderExcluir
  5. Fiquei chocada com esta do cachorro. Não o li ainda, mas não sei se mesmo entendendo consigo perdoar este ato.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  6. Cath's!
    Gosto de livros baseados em fatos reais e claro que essa realidade acontece mais do que podemos imaginar.
    Livros que abordam os aspectos psicológicos dos comportamentos humanos, mais ainda quando são de crianças, porque ficam para toda a vida, me atraem demais e gostaria de ler.
    Quando se refere a maltrato de animais também me revolto, porém acredito que a protagonista teve um motivo forte, afinal, se tem idade mental de 4 anos, não sabe direito o que fez...
    Final de semana cheio de luz e paz!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir