sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Resenha Provocante.


Título: Provocante.
Autora: Madeline Hunter.
Série: As Flores Mais Raras.
Editora: LeYa.
Numero de Páginas: 400.
Ano de Lançamento: 2014.
Compre: Saraiva.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Verity Thompson desapareceu no dia do seu casamento. Seu paradeiro ficou em segredo por anos, um longo período no qual seu marido, o conde de Hawkeswell, viveu na penúria e na incerteza. Verity deixou para trás uma fortuna imensa, porém, inacessível à família, pois sua morte não havia sido oficialmente declarada. Nem poderia, já que ela estava bem viva. Ao ser obrigada a se casar, ela foge de Londres e refugia-se no campo. Abandonou sua fortuna em troca da liberdade. Mas o destino tem os seus próprios desígnios e a jovem se vê obrigada a regressar à cidade e a um casamento sem amor. Seu arrogante marido, porém, está disposto a chegar a um acordo: se Verity lhe der três beijos por dia, ele não a obrigará a cumprir os deveres conjugais. Mas, claro, há beijos e beijos… e Verity vai perceber até que ponto foi realmente um erro se entregar nas mãos de um hábil mestre.
Opinião:

Imagine ser abandonado logo depois de se casar e pensar que sua esposa faleceu, e com isso trancar todo o dote dela por anos sendo que você precisa para sustento próprio e das pessoas que dependem de você, por isso que se casou.

Isso acontece com o conte de Hawkeswell. E dois anos depois, um dia por acaso ele encontra a esposa na Verity, na casa das Flores Mais Raras, simplesmente plantando.

Por um lado Verity quer se livrar desse casamento, por outro o conde de Hawkeswell precisa do dinheiro dela e logo precisa tê-la também, pois começa a surgir uma atração.

Só que Verity se casou obrigada pelo primo, que ameaçou Katy e seu filho Michael, que é como uma família para a garota e ela pensa que o conde de Hawkeswell teve participação.

Eu gostei de Verity porque ela teve coragem de largar tudo pela incerteza e também porque deseja mudar o mundo, ou ao menos a empresa do seu pai, que agora é administrada pelo primo. Ela não é aquelas protagonistas choronas, enfrenta o conde de Hawkeswell mesmo que tenha receio das consequências.

Do outro lado tem o conde de Hawkeswell, que é o protótipo que gostamos, parece difícil, mas quando se apaixona ou se interessa se torna bem galante, além de lindo, claro. 

É um romance de época clichê, achei o começo meio monótono, mas depois vai tendo ritmo e te capturando para a leitura.

Os amigos do conde te conquistam, como esse é o segundo livro de uma série, o casal principal do livro anterior aparece nesse, mas não é necessário que tenha lido esse livro anterior.

Admito que com o fim do livro fiquei com vontade de ler Deslumbrante, o primeiro da série, que ainda não li, e a personagem também parece uma mocinha rebelde.

Eu adorei o final do livro, teve um que romântico tão lindo. Gosto muito da característica da autora de criar mulheres reais e fortes.

Quanto a capa, admito que não consigo ver a Verity assim, e ficou uma Verity meio safada, como: Vem meu conde!


- Vou me certificar de que tenha mais conforto no futuro. - Ela queria ser mais específica. Quase foi, antes de se lembrar que não tinha poder para prometer nada.

- Numa situação normal, eu concordaria. Porém, olhem para isto. - Ela estendeu vários artigos diante delas. - Esses dois homens eram de Staffordshire, perto de Birmingham. Ambos tinham sido questionados pelo juiz de paz local a respeito de queixas de proprietários rurais. O juiz não os prendeu, mas logo em seguida eles desapareceram.

Ele dificilmente admitiria que a sua noiva nunca consentira de livre vontade em se casar com ele e, com isso, fugira e se escondera durante dois anos até atingir a maioridade para ter direitos num tribunal de justiça.

A forma como Verity lançara aquela observação não passou despercebida a Hawkeswell. Uma vez mais, ela o relembrava que eles "não combinavam um com o outro", nas palavras dela.

5 comentários:

  1. Cath!s!
    Como adoro romances de época, mesmo clichês, acredito que irei amar quando ler.
    Quanto a capa, realmente é bem provocante, e como não sei ainda a personalidade de Verity, mas não achei condizente para um romance de época.
    cheirinhos
    Rudy
    Blog Alegria de Viver e Amar o que é Bom!

    ResponderExcluir
  2. Não li nada da autora ainda, mas sendo um romance de época é uma leitura que me interessa.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  3. Só pelo título já da pra ter uma ideia que o livro realmente é provocante.
    Já havia lido uma resenha de Deslumbrante, mas não sabia que tinha uma série :s

    ResponderExcluir
  4. Oie...
    Ainda não li muitos romances de época, mas acho que irei gostar bastante do livro!
    Não sabia que fazia parte de uma série e fiquei super interessada em ler o livro!!
    O enredo parece ser muito bom e envolvente!

    ResponderExcluir
  5. Ler Madeline Hunter não é lá tão animado como Julia Quinn e Lisa Kleypas, mas é uma leitura agradável. Falo dos livros da Editora Arqueiro, porque li o primeiro dessa série, Deslumbrante, e foi um terror. A história é boa, mas o livro é cheio de erros, parágrafos repetidos, e por aí vai. Fora que parece que pegaram a tradução feita em Portugal, trocaram a capa, e pronto. Eu até queria ler esse livro, mas estou com um pé atrás, porque se a qualidade for que nem a do primeiro... :(

    ResponderExcluir