sábado, 2 de agosto de 2014

Resenha O Diário de Litat.



Nome: O Diário de Litat.
Autor: Claudemir de Oliveira
Numero de Paginas: 272.
Ano de Lançamento: 2012.
Editora: Novo Século.
Compre: Saraiva.


Sinopse:

Bnus e Qeb cresceram no mesmo vilarejo, brincando entre pedras e ruínas e, quando jovens, prometeram ficar juntos sempre. Suas vidas estavam entrelaçadas pelo sentimento mais puro do ser humano: o amor. No entanto, seus sonhos foram ceifados por divindades que os colocaram em caminhos opostos. Os olhos de Bnus, que antes brilhavam de felicidade, se tornam obscurecidos pelo Mal. Qeb, por sua vez, passa a lutar para manter e propagar o Bem pelos vilarejos. Mas embora tenham que se enfrentar por um propósito divino, o amor que os unia prevalece… Litat é o descendente desta história, e nasce com dons herdados desde o tempo de seus avós. Ele terá o livre arbítrio de usá-los, porém, sua omissão poderá acarretar danos ao seu povo.
Opinião:

Achei o livro lindo. Uma linguagem simples para falar de um sentimento tão complicado, o amor. A obra realmente consegue transmitir a mensagem proposta. Acredito que tenha demorado demais para conseguir pôr as ideias em ordem e transmitir para vocês tudo que senti lendo essas três histórias.

Sim... Um livro e três histórias de amor. E não é só entre homem e mulher, mas sim entre famílias, entre estranhos, raças, entre seres vivos no geral, racionais e irracionais. Tudo descrito numa simplicidade que nos deixa impressionados com a bondade dos personagens, que em seus pequenos atos, salvam vidas e ajudam o próximo.

O nome do livro é “Diário de Litat”, mas não por contar o dia a dia do personagem e sim por contar a história da sua família em três gerações, por isso as três histórias.

Tudo começa com Bnus e Qeb, que vivem um lindo romance. Em uma época que de tempos em tempos Rum, o Deus do bem, e Idarsofeu, o Deus do Mal, escolhem seu representante na terra, essa escolha é irrecusável, pois caso isso aconteça uma maldição recai sob toda a família da pessoa e eles morrem, para que ninguém fique sabendo que foi negado essa benção dos Deuses.

E acaba que Qeb é escolhida de Rum e de tanto rancor por ter sido separado de seu grande amor Bnus é escolhido por Idarsofeu. Após algum tempo de luta entre o bem e o mal, acaba que o amor os uni novamente e o Deus supremo retira seus poderes e deixa-os viver juntos.

E desse amor verdadeiro nasce Xofe, que mais tarde vem finalmente ter Litat, que nasce com o dom de propagar o amor, através de seus gestos e toques. Ele tem o poder da cura, simplesmente utilizando o toque. A cada  bem que ele faz, mais devagar ele envelhece e no futuro será testado em nome do bem... Conhecendo novas pessoas e novos povos, pois ele é praticamente imortal, tornando o bem sua fonte de vida.

Vou explicar porquê não dei 5 corações... Não vou dar spoiler, o final é super legal, mas eu fiquei querendo mais, e pelo que percebi esse mais não existe por enquanto e não sei se vai acontecer... Eu queria um final para Litat... Embora a moral do livro seja que o amor verdadeiro nunca morre.
O que posso dizer é que após terminar de ler eu tive uma sensação tão boa, de que coisas boas ainda são capazes de acontecer...


Pode-se amar uma pessoa a distância milhões de vezes mais do que aquela pessoa que permanece apenas com o  corpo presente ao lado.
Ela sabia que iria permanecer em seu coração a esperança de um dia poder se juntar a ele, e de mãos entrelaçadas poderiam andar por um infinito caminho, pois ela viveria milhares de anos fazendo o bem, protegendo a todos. A esperança em seu coração lhe daria forças para acreditar que o amor é o maior sentimento de todo o universo. 

9 comentários:

  1. OOOOOOOOOOOOI, Pri, bom dia! ♥ Como está? *-* O Diário de Litat... Hum, nunca ouvi falar, acredita? Hahaha, nunca mesmo! Infelizmente a imagem da capa não carregou aqui... :3 Vou procurar na internet, já volto, hahaha! Awnnn, que gracinha! Amo aquela cor! Azul meio esverdeado... Hahahahaha! Enfim! Um livro e três histórias de amor? Bom, eu detesto romance, então creio que não me interessaria por este livro, haha! Mas vamos ver sua resenha! Aaah, que interessante essa de contar a história da família em três gerações! Gostei demaaaais! Sério! Um diferencial! Bnus e Qeb... Que nomes diferentes, hahaha! Só achei meio confusa essa parte dos Deuses... Haha! Poooooorém gostei do desfecho! Os dois serem separados, um escolhido pelo Deus do bem e o outro pelo Deus do mal... E depois viverem juntos novamente. Viiiiiish! Os autores de hoje em dia andam tão malvados! Deixam um gostinho de quero mais no final, hahaha! Acho que serei uma escritora assim, hahahahahahaha! Fico feliz que o livro tenha passado uma sensação boa pra você, pois eu até que me interessei por ele, hahahahahahaha! ♥

    BEIJOS INFINITOOOOOOOOOOOOS! ♥

    Juu-Chan || Nescau com Nutella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aha, o livro é otimo... vale a pena conferir...

      Excluir
  2. Pri!
    Livro que fala de amor e ainda mais entre família, é a melhor opção de leitura, porque sempre podemos acompanhar que nada é perfeito no reino familiar e ao mesmo tempo, saber que o amor superar todas as vicissitudes.
    Muito bom!
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amor é sempre lindo mesmo... independente do tipo de amor!!

      Excluir
  3. Então é um volume único? Mesmo tendo coisas a resolver? O só ficaria melhor se algumas coisas fossem resolvidas apesar de não serem necessárias?
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é um unico volume... talvez ele faça um segundo para contar a história atual de Litat... ai ia ficar perfeito!!!

      Excluir
  4. Oie...
    Nossa que capa linda desse livro! Fiquei apaixonada por ela rsrsrs
    Não conhecia o livro, mas gostei bastante de sua premissa.
    Finalmente um volume único rsrsrs pq ultimamente o povo só está lançando séries e trilogias! Parece que seria interessante realmente ter um segundo livro para contar a história atual da personagem! Pretendo procurar o livro para ler.

    ResponderExcluir
  5. Um livro contando a história de três gerações? Puts! Nada comparado com que lia té hoje.
    Bastante interessante, quero pra mim

    ResponderExcluir