domingo, 29 de junho de 2014

Resenha: Lúcifer - O Diabo na Idade Média.

Nome: Lucifer - O Diabo na Idade Média.

Autor: Jeffrey Burton Russel.
Editora: Madras.
Ano de Lançamento: 2003.
Numero de Páginas: 344.
Compre: Saraiva.
Cortesia da editora.


Sinopse: Esta obra, de teor histórico, apresenta idéias a respeito do Diabo que perduram desde a Idade Média, as quais incluem visões ortodoxas orientais e islâmicas, mas enfatizam o pensamento cristão ocidental, o qual dá ao Diabo mais direitos. O autor mostra que o contexto social influenciou a diabologia somente no senso geral, na cultura medieval primitiva, dominada pelo monasticismo, seguida da visão tradicional do Diabo desenvolvida pelos padres do deserto; mais tarde, a ascensão das cidades permitiu o crescimento de universidades e a aproximação estudantil da diabologia e da teologia em geral.
Opinião:

O livro em questão foi escrito por um professor de história, então em momento nenhum podemos imaginar que o livro será sobre um CONTO sobre Lúcifer, este livro conta histórias do Diabo na idade média, mostrando como ele acompanha algumas culturas e como foi ganhando imagens e literaturas quanto a sua criação.


Talvez seja complicado de ler o livro por ele já ser o terceiro volume da história do conceito Diabo. E por ser baseado em muitas pesquisas históricas. A obra é de uma leitura bem cansativa e para mim bastante desinteressante.

O autor vai juntando fatos através dos tempos para comprovar que o Diabo realmente existe, e que a maldade é real. Ele implanta a ideia de que o mal não existe só para os humanos, mas em todo o universo e que o Lúcifer é a personificação do Mal.

Automaticamente coloca percepções sobre Deus para comparar o Bom e o Mal como opostos, sendo que ele cita que o nome Lúcifer nasceu pela associação do grande príncipe Isaiah 14, a estrela da manhã, Helel-ben-Sahar, que cai dos céus por causa de seu orgulho, com o querubim Ezequiel 28, que era "perfeito na sua forma desde o dia em que foi criado até quando a iniquidade foi encontrada nele", e ambos com Satã, príncipe deste mundo e obstrutor do reinado de Deus, tornando ele nada mais que uma simples criação do próprio Deus.

Não tem como eu contar muito sobre o livro, pois ele viaja por religiões e crenças, fazendo com que uma simples resenha deixe incompleto o conteúdo em questão. 

Recomendo o livro para quem gostaria de um estudo sobre o assunto, não como uma leitura para passar o tempo.


O Diabo está baseado numa percepção dessa maldade radical. Supor crença em um diabo sem origem e supersticioso, é falso. A pergunta a ser feita sobre qualquer ideia não é se ele foi originado, mas se ele é verdadeiro.
A humanidade tem uma dívida enorme perante Deus, mas que é por si só incapaz de ser paga. Deus é capaz de pagar por isto, mas Ele não tem divida alguma.

6 comentários:

  1. Realmente acho que não é uma leitura que me interessaria. Principalmente por você dizer que é bem cansativa, tratar-se do 3º livro de uma série e ainda ter um cunho muito grande de pesquisas mesmo. Realmente não me interessou muito.

    Bjok

    ResponderExcluir
  2. Realmente, livros que ''viajam por religiões e crenças'' não são muito a minha praia. Por mais que o livro se passe na idade média, que é um período que eu amo, o fato de falar do Diabo não me agrada nem um pouco :/

    ResponderExcluir
  3. Não leria este livro por ser cansativo *-* Ate achei legal mais não sou muito fã desse tipo de historia apesar de achar interessante :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tb não sou fã desse tipo de história...

      Excluir