terça-feira, 1 de abril de 2014

Resenha Ghost Rider. - A Estrada da Cura.



Título: Ghost Rider. - A Estrada da Cura.
Autora: Neil Peart.
Editora: Belas Letras.
Numero de páginas: 511.
Ano de Lançamento: 2014.

Sinopse:
Após a morte da única filha, Selena, e da esposa, Jackie, o músico Neil Peart se transformou em um fantasma – um homem sem motivação, esperança ou fé. Sozinho em casa, convivendo com as lembranças, ele decide pegar a estrada com sua moto, uma BMW R1100GS, para rodar por 90 mil quilômetros, sem destino, em busca de um motivo para preencher o vazio que sente. Esta é a história real de um homem que partiu carregando a morte e o luto, mas transformou sua jornada em uma poderosa narrativa sobre a solidão, o amor e, acima de tudo, a paixão pela vida, mesmo quando tudo ao nosso redor nos leva a desistir dela.

Opinião:

O livro é dividido em dois, vou começar falando da primeira parte que é NA ESTRADA DA CURA.
Neil Peart, é um músico (Banda Rush), tem uma vida boa, uma filha (Selena) pela qual tem adoração e admiração e uma linda esposa (Jackie), que é muito companheira e compreensiva, pois ser casada com um músico não é nada fácil. Também tem um grande amigo (falarei dele mais tarde). Então as tragédias começam a acontecer, a filha morre em um acidente de carro, e logo após isso sua mulher adoece e morre. Então ele começa uma busca incansável para continuar "vivo e em movimento".
Ele pega sua moto e decide viajar durante todo o outono (parando definitivamente de tocar), percorrendo Alasca, Canadá, EUA e México. Na grande maioria do tempo ele descreve as paisagens por onde tem viajado não mostrando grande evolução na leitura, pois não conheço nenhuma das paisagens descritas então fiquei meio perdida, a única coisa que fica realmente evidente é que no Alasca é frio, e ele tem preferencia por uma linha de hotéis, no qual ele sempre procura se hospedar. Ele odeia turistas, porque os lugares ficam barulhentos e porque ele realmente quer ficar sozinho, sem nenhum tipo de diálogo com quem quer que puxe assunto com ele.
Ele gosta de ler, é muito inteligente, gosta de classificar pássaros. Ah... e não viaja a noite, porque é muito perigoso.
Em determinado ponto dessa viajem tenta contato com o seu "super amigo" pois eles tinham marcado de fazer parte da viajem juntos, e ele descobre que Brutus foi preso e que é algo muito sério, sem definição para sair da prisão, (outra tragédia). Então decide começar a mandar cartas para seu grande amigo descrevendo tudo que esta vendo ou fazendo, pois já que ele não pode estar junto, no mínimo participar dos fatos. 
A viajem ocorre na sequencia que falei acima, e só nota-se melhora de espirito quando ele chega ao México, onde ele começa a interagir com algumas pessoas e sente um desejo enorme de voltar para casa. E assim ele faz, deixa a moto dele em uma concessionária e pega um voo de volta para o Canadá.
E então começa a segunda parte: DE VOLTA PARA CASA, essa parte torna-se basicamente um diário, onde ele escreve muito para seus amigos (vale informar que o livro se passa nos anos de 1997 a 2000 por isso tantas cartas), isso torna o livro bem mais pessoal e gostoso de ler, porque eu comecei a realmente ficar curiosa em como ia terminar a história do autor, ele conta sobre suas superações diárias "um passo a frente e meio passo atrás", ele sente muita falta da filha e da esposa, chora com frequência, evita olhar filmes, ouvir musicas ou ir a lugares que lembrem delas. Já pro final do livro (Maio - 1999) ele se encanta por uma Mulher, Gabrielle, e ai você acha que a coisa vai... mas acaba se desiludindo com essa relação, e voltando a pegar a estrada novamente, mas mesmo assim, continua com o estilo diário e cartas para Brutus para descrever os acontecimentos.
Mas finalmente (Outubro - 1999) ele foi apresentado ao seu "Anjo Redentor" Carrie, em menos de um mês eles estavam apaixonados, e em menos de um ano após eles acabam casando, reuniu a banda, voltou a fazer turnês internacionais. Mas sem nunca esquecer da esposa e filha, mas mesmo assim conseguindo recomeçar a vida.
O livro baseia-se em uma história real, uma verdadeira lição de vida, vale a pena conferir.

" O resto da bagagem que eu levaria comigo naquela manhã tinha menos volume, mas era mais pesada - eram os fardos invisíveis que me fizeram partir em uma jornada que já se assemelhava a uma espécie de exílio."


"Lembro-me de ficar pensando: COMO alguém sobrevive a uma coisa dessas? E quando sobrevive, em que tipo de pessoa se transforma? Eu não sabia, mas ao longo daquele tempo de luto, tristeza, desolação e completo desespero, alguma coisa dentro de mim parecia determinada a seguir em frente. Algo aconteceria.

Ou talvez fosse mais como aquela frase da mulher mórmon "A única razão pela qual estou viva é porque eu não conseguia morrer""



6 comentários:

  1. Eu não conhecia este livro, mas achei a premissa muito interessante e a história parece ter prender do inicio ao fim.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que depende muito do leitor, tem que realmente gostar muito desse tipo de livro para se prender a leitura.

      Excluir
  2. Eu já tinha ouvido falar desse livro e já tinha lido um resenha sobre ele.
    Geralmente tento passar longe de livros com "lições de vida" ou que tenham uma carga emocional muito grande.Eu tinha decidido não ler esse livro e não vou faze-lo,pelo menos não agora, quem sabe daqui a alguns anos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A carga emocional nem é tão grande, também achei que iria me emocionar e várias outras coisas lendo o livro, mas o autor foi bem seco nas descrições o que não gera lagrimas.

      Excluir
  3. Toda vez que vejo esse livro, fico imaginando o quão ele deve ser emocionante. Ainda mais por ser uma história real. Ele parece ser um daqueles livros que te inspiram a superar os problemas e a seguir em frente. E com certeza uma obra que merece ser lida.

    ResponderExcluir