domingo, 19 de janeiro de 2014

RESENHA: Belas Maldições.


O mundo vai acabar num sábado. No próximo sábado. O que é um grande problema para Crowley, o demônio mais acessível do Inferno e ex-serpente, e sua contraparte e velho amigo Aziraphale, anjo genuíno e dono de uma livraria em Londres. Portanto, eles precisam encontrar e matar o Anticristo, a mais poderosa criatura do planeta. O problema é que o Anticristo é um garoto de 11 anos e, ao contrário de tudo o que você já tenha visto em algum filme, é um menino que adora seu cachorro, se importa com o meio ambiente e é o filho que qualquer pai gostaria de ter. Além, claro, de ser indestrutível. 

As Belas e Precisas Profecias de Agnes Nutter, Bruxa.

Quando eu descobri a existência desse livro eu passei semanas revirando a Realidade atrás de uma cópia física, mas só conseguia encontrar versões em pdf em português (na época eu não lia em inglês). E por que de todo esse meu desespero? É simples, um dos autores é o senhor da piroca literária de 42cm, Neil Gaiman, e o outro e nada mais, nada menos, que Terry Pratchett.

Essa combinação garantia um livro rico em humor e com versões originalíssimas de clássicos estereotipados da literatura. E não foi por menos, é uma história sensacional :)


Crowley apesar de um demônio muito antigo (afinal, ele estava lá quando Adão e Eva fizeram a grande burrada), ele tem certo apego pelo mundo e a humanidade. Não do tipo carinhoso, mas né, é um lugar muito melhor que viver no inferno. Ele é uma criatura do mau muito peculiar, enquanto os seus irmãos chifrudos ficam possuindo velinhas evangélicas e pactos por fama com ex-BBBs, ele prefere causar caos nas linhas telefônicas de grandes cidades (onde pequenas maldades se tornam grandes crueldades - imaginem aqui você tentando ligar para o trabalho para dizer que vai se atrasar, daí as linhas estão todas ocupadas e você liga para a central, onde a atendente de telemarketing já sobrecarregada de reclamações é grossa com você, então você chega no trabalho, leva uma mijada do chefe pelo atraso, e quando finalmente chega em casa estressado você desconta tudo na sua esposa com violência doméstica - é assim que Crowley atua.) Além de falar que ele é um grande fã da banda Queen, toda fita cassete que fica no seu porta luvas do carro por mais de uma semana, se torna uma fita das Melhores Músicas do Queen.

Então esse demônio cujas técnicas de vilania não são compreendidas pelos seus irmãos infernais recebe a incumbência de trocar o bebê Anticristo com um bebê recém nascido de um importante homem de negócios americano, para ser criado na família estadunidense e quando chegasse na adolescência começar o apocalipse (todo mundo sabe que os americanos são um problema). Por uma confusão das freiras satanistas (que trabalham no hospital onde a esposa do americano está dando a luz) ordenadas por Crowley para fazerem a troca, o bebê Anticristo acaba numa família normal britânica.

A criança é criada de forma normal, amorosa, ele é um exemplo de filho, e nem faz ideia de que é a criatura mais poderosa que já pisou na Terra. Mas nesse sábado ele vai 'despertar' e a batalha do final dos dias vai começar entre o Céu e o Inferno.

Para ajudar Adam (o nome dado ao Anticristo) é lhe enviado um Cão Infernal, que ele acaba criando como o bichinho mais fofo do mundo (para a frustração da besta demoníaca de quatro patas).

E finalmente temos os Quatros Cavaleiros do Apocalipse para participar da bagunça do final dos dias. Guerra (uma mulher extramente sedutora, que por onde passa causa discórdia entre as pessoas), Fome, Morte e Poluição. Poluição? Não era pra ser Pestilência. Sim, era, mas com a descoberta da penicilina (antibiótico) pela humanidade a Pestilência foi obrigada a se aposentar, e em seu lugar surgiu a ameaça da Poluição. E eles não são cavaleiros no sentido de cavalgarem cavalos, eles são motociclistas!

Crowley convence o seu antigo 'amigo' Aziraphale (um anjo muito antigo e todo certinho) que eles devem evitar o apocalipse, afinal, deus age por caminhos misteriosos e ninguém sabe o que ele realmente está pensando.


Gaiman é Gaiman, pronto. Agora o autor Terry Pratchett é sensacional nas suas doses de humor já conhecidas da série de livros de fantasia Discwolrd. O poder que essa dupla apresenta de re-inventar uma história e humorizar ela é de se tirar do chapéu até as cuecas :)

O livro nos surpreende pelas inovações, a sacada do cavaleiro Pestilência ter se aposentado já que a humanidade está muito mais avançada na medicina que na época da bíblia, foi sensacional. E ainda substituir ele pele atual ameaça da Poluição foi a cereja dessa banana split literária. E isso que o livro é de 1990!

A edição brasileira tem uma capa bem interessante com detalhes que nos fazem pensar em magia e sobrenatural. Infelizmente a tradução nacional ficou um troço nível google tradutor dos anos 2000. Expressões inglesas sendo traduzidas e perdendo o sentido (e até mesmo a graça) pipocam por todos os lados no livro.

- Não pense nisso como morrer - Disse a Morte. - Pense nisso como sair mais cedo para se evitar a hora do rush.


A série de televisão Supernatural no seu episódio 10 da 5ª temporada é introduzido o personagem Crowley na série, e a primeira cena do episódio é esta:

Rodovia Marginal M25
Até que me provem o contrário, esta imagem é uma referência direta a este trecho do livro:

Muitos fenômenos — guerras, pragas, auditorias feitas de surpresa — já foram apresentados como provas da mão oculta de Satã nos assuntos do Homem, mas sempre que estudantes de demonologia se reúnem, a rodovia marginal M25 de Londres é geralmente considerada uma das maiores concorrentes à Prova A.

A parte em que eles erram, claro, é a de supor que essa estrada de lascar seja maligna simplesmente por causa da incrível carnificina e frustração que causa todos os dias.Na verdade, muito poucas pessoas na face do planeta sabem que a M25 tem a forma do símbolo odegra na linguagem da Irmandade Negra da Antiga Mu, e significa "Salve a Grande Besta, Devoradora de Mundos".

Os milhares de motoristas que passam em disparada diariamente por suas curvas serpenteantes têm o mesmo efeito que a água numa roda de orações, moendo uma eterna neblina de mal de baixo grau para poluir a atmosfera metafísica por dezenas de quilômetros.

Era uma das melhores realizações de Crowley. Levara anos para ser completada, e envolvera três alterações em computadores, duas invasões, uma pequena propina e, numa noite molhada quando tudo o mais havia falhado, duas horas num campo encharcado deslocando marcos em alguns poucos porém incrivelmente significativos metros, em termos ocultos.

Quando Crowley viu o primeiro retorno de quarenta e oito quilômetros de extensão, teve a agradável e cálida sensação de um trabalho ruim bem-feito.

Isso lhe valera um elogio.

Leiam o livro, vale a pena!


RESUMO
Autor: Neil Gaiman & Terry Pratchett
Editora: Bertrand do Brasil
Numero de páginas: 378
Ano de lançamento: 1998
Onde comprar: Link.
Nota: 9/10

7 comentários:

  1. Gostei do enredo deste livro, adoro estórias de guerra dos céus contra o inferno, apocalipse e etc, coisas sobrenaturais e este parece ser muito bom mesmo! Deve ser um livro muito emocionante e cativante, cheio de tensão. Mesmo com você ter comentado que a versão traduzida para o português ficou ruim, acho que é uma ótima obra, fiquei com vontade de ler :)
    beijos ♥
    quemprecisadetvparaverbeyonce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro, fiquei sabendo apenas pela resenha, depois catei as informações do livro.

    ResponderExcluir
  3. Eu já havia visto a capa desse livro mas nem me ative a conferir a sinopse, e pela sua resenha ele parece ser um ótimo livro. Ainda não li nenhum livro do Neil Gaiman e quero muito ler alguma obra desse escritor e me interessei bastante por Belas Maldições.

    ResponderExcluir
  4. Se eu não me engano Crowley é um nome de um demônio no Supernatural também *--* Adoro esse tipo de estoria que aborda temas sobrenaturais e isso sobre o anti-Cristo deixou a a trama bem interessante. Gostei bastante da estoria, acho que vou dar uma procurada no pdf dele para eu ler *---*

    Meu Mundo, Meu Estilo

    ResponderExcluir
  5. Não fazia ideia da existência deste livro!! Um verdadeiro pecado porque gostei MUITO da resenha. Primeiro por não ser tão convencional; satirizar a existência dos demônios e suas "andanças" pela Terra é coisa de gênio! Pelo visto tudo é incrível, a narrativa, o enredo, os personagens, as doses de humor... Enfim, a resenha me conquistou por inteiro e devido a toda sua fé contagiante pela obra, já quero o livro pra mim, ah se quero rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Belas Maldições é um dos meus livros favoritos de todos os tempos ^^
    A combinação de Gaiman e Pratchett resultou perfeita.
    Bj, Aris.

    ResponderExcluir
  7. Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro, mas lendo a sinopse agora acabei me interessando por ele, me pareceu ser um livro muito bom, irei procurar mais resenhas dele, e ver se adiciono ou não na lista de desejados =)

    ResponderExcluir