sábado, 23 de novembro de 2013

Resenha: Se7e Minutos no Paraíso

                                                            


Título: Se7e Minutos no Paraíso
Autor: Rafaella Vieira
Editora: Gutenberg
Ano: 2012
Páginas: 182

Sinopse: Raquel só se veste de preto, é extremamente antissocial e se acha a esquisitice em pessoa. Diego é só mais um garoto de 16 anos louco por videogame e filmes de terror. Os dois cresceram juntos e são amigos inseparáveis. Mas um dia ela percebe que está perdidamente apaixonada por ele.

Quando vi esse livro pela primeira vez fiquei encantada com a capa que é uma fofura, o título que remete aquela brincadeira adolescente e o ar infanto-juvenil que era tudo o que eu estava procurando no momento. Talvez eu deva ter me deixando enganar um pouco por esse ideal, mas o fato é que quando comecei a lê-lo descobri que o livro não era bem aquilo que eu tinha imaginado.

Raquel é uma garota antissocial, sarcástica e muito louca que depois de se apaixonar pelo melhor amigo, Diego, fica completamente obcecada por ele. E eu não estou exagerando! Raquel não consegue ter um pensamento sequer sem que o nome Diego esteja incluído. A garota sofre com a ideia de que Diego é mortalmente apaixonado pela prima gostosona, Suzy, e jamais vai olhar para ela como algo além de amiga.

Por isso Raquel arma um plano ousado/desesperado para ter Diego para si, nem que seja por um tempinho. Ela só se esqueceu de pensar nas consequências de seus atos.  Mas, se Raquel não estivesse tão concentrada em se lamentar por sua paixão não correspondida poderia ter percebido que, talvez, mas só talvez, ela não fosse a única apaixonada da história.  

Sete Minutos no Paraíso é um livro curtinho e, como já disse antes, encantador. Raquel é uma graça e, mesmo achando ela meio (muito) exagerada, não pensei em nenhum momento que ela não pudesse ser real.  Acho que toda garota durante a adolescência teve seu momento Raquel no quesito paixonite aguda (inclusive eu Rsrs’). 

Uma coisa que fez meus olhos brilharem durante a leitura foram as referências musicais no início dos capítulos e também servindo de indiretas e declarações de amor.  Ah, e descobrir que o livro se passa no Recife!  Encontrei muitos Mainha, painho, oxe, vixe e eita por toda narrativa. Adoro quando encontro expressões regionais em livros de autores brasileiros, independente de qual seja o canto do país que o livro se passe. 

Sete Minutos no Paraíso é um livro indicado a todos que, seja por identificação ou nostalgia, desejam reviver, através da Raquel e do Diego, as emoções do primeiro amor. 

Trechos: 

"Foi um olhar e uma pegada no cabelo e o meu juízo se perdeu para sempre."

"[...] Ele sorriu. Eu me lembro ainda de quando ele fazia competição de supercuspe. Urgh!Eu queria berrar: "PARA DE SER IDIOTA!". A vida é tão estranha. Como é que agora toda vez que ele sorri assim me dá uma vontade de gritar: "PARA DE SER LINDO!"? Os caminhos da vida são imprevisíveis.
Você já amou alguém tanto assim? Se não, não ame, porque dói demais. "

"Idiota, idiota, idiota. Não ele, eu. Se bem que ele também é um idiota. O único problema é que agora ele é um idiota que eu amo. "

"Dizem que quando a gente se apaixona passa a enxergar tudo colorido e fica rindo à toa. Não está funcionando muito assim para mim. Vejo a vida em preto e branco, quero quebrar tudo e pôr fogo na casa. Não é nada divertido. "

"Acho que o amor é isto: Qualquer instante é mágico, qualquer segundo é precioso. E sete minutos são uma eternidade de alegria."


2 comentários:

  1. Esse é o tipo de livro que eu leria agora, seria bom relembrar as bizarrices que a gente já fez por paixonites. Só com a resenha eu já lembrei um bocado, hahahahhaha

    Muito boa resenha. Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  2. Esse livro parece ser bem leve e divertido, principalmente para quem quer relembrar a adolescência, gosto de leituras assim! Adorei conhecer este livro!!

    Beijos...

    ResponderExcluir