quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Resenha - Nozoki Ana (+18 anos).

Buenas leitores,

Semana passada eu falei que se tudo desse certo, o post de hoje seria uma analise do volume 01 de Shingeki No Kyojin. Mas não deu nada certo e a incompetência da Panini conseguiu perder a minha assinatura. Agora vou ter que esperar mais algumas semanas. :/

Então precisei pensar em algum post "emergencial" para hoje. E seguindo minha meta de apresentar para vocês os mais variados exemplos de mangás, resolvi me arriscar e trazer um hentai.

Então com vocês, Nozoki Ana.


Primeiro vamos falar sobre o que é Hentai. Com certeza quem tem 1% de conhecimento de mangás vai dizer: é porno. Mas não, não é "porno" no termo pejorativo. Claro que eu não sou inocente em dizer que grande parte dos hentais não é só sacanagem, mas não da para generalizar.

Capa do volume 01
Pegando um exemplo mais fácil de entender. Pegamos 3 filmes (não sei se conhecem, mas são os que lembrei na hora): Senhor dos Anéis, American Pie e algum da Brasileirinhas. O primeiro é um filme jovem, censura Livre e que pode até mesmo passar na Sessão da Tarde. O terceiro é porno puro, sem lógica ou sentido. Mas e o segundo?? O segundo é um filme adulto, com cenas de sexo, censura 18 anos, mas não é um porno. Pelo contrário, não passa longe dessa classificação quando se fala nele. O mesmo serve para mangás e animes hentais.

Deixando um pouco essa explicação, vamos para a obra. Nozoki Ana começou a ser publicado nas páginas da Moba Man em 2009 e durou até 2013. A obra é escrita por Wakoh Hanna e contou com 117 capítulos, divididos em 13 volumes encadernados.

Em 2012, Nozoki Ana surpreendeu os japoneses ao ter 3 volumes (11, 12 e 13) na lista dos 50 mais vendidos no Japão, com o 13 chegando até mesmo na sétima colocação. Para que vocês entendam essa lista, ela é semanal e conta com TODOS os mangás publicados, isso inclui os gigantes One Piece, Naruto e Shingeki No Kyojin. Ou seja, um mangá hentai conseguir entrar entre os 50 já é raro, chegar a sétimo então é um milagre.

Capa do ultimo volume
A obra gira em torno de Kido, um garoto normal que se muda para Tóquio para estudar. Ao chegar em seu novo apartamento, acidentalmente ele descobre um buraco na parede e decide ver se o buraco chega a atravessar. Para surpresa dele, tem um olho espiando do outro lado. Com medo de ser denunciado, ele vai ao apartamento vizinho se desculpar, mas é surpreendido pela moradora, Emiru, que lhe propõe um estranho acordo: ela promete não denunciar ele, desde que ele concorde em dividir o buraco com ela. E assim é criada a "Regra do Espiar".

Quando meu amigo me indicou a obra eu fiquei com um certo pré-conceito, afinal é um hentai, o que mais poderia rolar além deles ficarem um espiando o outro fazer sexo. Mas como esse meu amigo tem um gosto para mangás incrível, resolvi testar.

E a obra me prendeu.

É fantástica a forma como a obra se desprende do "porno" e parte para um enredo alucinante. Se desenvolve dois sentimentos: o primeiro é o de ódio, com Kido cada vez com mais raiva pelas chantagens de Emiru e tudo que isso afeta. Ao mesmo tempo nasce uma cumplicidade entre eles, ao ponto que um conhece o outro melhor que qualquer pessoa. Eles sabem que podem confiar plenamente um no outro, mas será que essa confiança pode ficar fundamentada apenas em cima de uma chantagem?? Sem contar que isso não afeta apenas eles. Como ficam as outras pessoas expostas ao "buraco na parede"?? Como ficam os sentimentos de todos envolvidos nessa trama??

E assim Nozoki Ana vai se desenvolvendo de forma brilhante. A parte do sexo eu acho que é mais pela revista onde foi publicada ser voltada a esse "publico". Mas o enredo poderia se encaixar perfeitamente em qualquer proposta. Imagine se o vizinho fosse talvez um assassino ou um psicopata. 

Sem contar que esse "sexo" que se tem em Nozoki Ana não é algo tão explicito. Claro, aparece os personagens fazendo sexo, mas é como na cena ao lado, vocês veem o que eles estão fazendo e ao mesmo tempo a imagem não mostra nada. Em toda obra, a unica parte nua que aparece é a bunda e os peitos, o resto fica apenas subentendido. É como sexo em novela, você sabe o que ta acontecendo, mas não mostra nada.

Infelizmente esse tipo de obra não vem para o Brasil, pois aqui temos a cultura que animes e mangás são coisas para crianças. Obras mais adultas como Nozoki Ana e até mesmo outras sem esse cunho "sexual", mais de violência mesmo,  não tem espaço aqui. Uma pena.

Felizmente existem fansubs que traduzem esse tipo de obras. Quem tiver interesse pode dar uma procurada no google e achar facilmente. :D

Por hoje era isso, se deus quiser semana que vem terei Shingeki No Kyojin (mas acho que só em dezembro mesmo).

Até quarta pessoal.

4 comentários:

  1. Olá Flávio, nunca li nada do gênero, mas realmente este tipo de gênero de mangá não me chamaria a atenção. Mas gostei da sua explicação e dá dica!
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  2. Essa é exatamente minha intenção.
    Quebrar um pouco os pré-conceitos que as pessoas tem sobre determinados temas. :D
    Espero que continue acompanhando.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Oi Flávio, adorei seu comentário...Devemos conhecer antes de criticar, pois se falamos mal de algo que não conhecemos, podemos ofender as pessoas que curtem este tipo de mangá.

    ResponderExcluir
  4. É ecchi, a diferença entre ecchi e hentai, é que no ecchi tem toda uma história elaborada e não foca muito no sexo, embora mostre os personagens fazendo sempre tem algum tipo de censura ou algo do tipo e conta com outros gerenos involvidos, tais como no caso de nozoki ana: drama, comédia e romance, já no hentai a história sempre vai levar ao sexo explícito, onde tudo é mostrado e não existe quase nenhum sentido na história, o típico "pornô"

    ResponderExcluir