sábado, 2 de novembro de 2013

Resenha: Extraordinário






Título: Extraordinário
Título Original: Wonder
Autor: R. J. Palacio
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 320

Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.
Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.


Resenha: Auggie é um garoto que desde cedo teve que aprender a lidar com preconceito. Portador de uma grave síndrome genética, Auggie tem seu rosto deformado, e as seqüelas desse erro genético não estão apenas em sua face. Além de ter que conviver com olhares de repúdio Auggie desde cedo passou por várias cirurgias de correção o que impossibilitou de se matricular no ensino regular, mas agora aos dez anos ele se encontra bem o suficiente para fazer coisas de garotos da sua idade, como por exemplo, frequentar a escola. E é durante esse período de descobertas e desafios que conhecemos um pouco mais do personagem.

Nosso protagonista é um garoto meigo, amado e muito protegido por sua família, ir a escola é para ele sair completamente do seu ambiente de conforto. E, apesar de pensar que está acostumado, enfrentar os cochichos maldosos de outras crianças durante todo o dia se mostra um verdadeiro pesadelo para Auggie. Crianças podem ser muito cruéis, acreditem! Mas apesar de todas as dificuldades e momentos de desespero, Auggie começa a conquistar seus colegas com sua bondade, inteligência e um humor sarcástico que consegue fazer piada de tudo, até de si mesmo.

Outro personagem que me chamou muita atenção foi a Via, irmã do August. Via é uma daquelas garotas que amadureceram muito cedo. Ao invés de brigar por atenção e se sentir menos querida ela entende que o irmãozinho precisa de mais cuidados e que isso não a torna menos amada pelos pais. Outros personagens que também ganharam espaço em meu coração foram Summer e Jack, crianças que mostraram ter a percepção aguçada o suficiente para notarem o menino maravilhoso por trás da deformidade.

O livro é lindo em todos os sentidos!  A capa é simples e sem muita informação visual, mas extremamente expressiva. A história é contada por vários personagens e essa mudança de narrador é marcada por uma espécie de caricatura com trechos de livros ou de músicas. A única coisa que achei estranho foi que no ponto de vista de um personagem específico as letras maiúsculas sumiram! Sem letras maiúsculas após pontuação, em início de frases ou no nome de pessoas. Não entendi bem se foi realmente um erro ou apenas uma característica do narrador que foi explorada e não compreendida por mim.

Bom, dizer que eu me apaixonei por Extraordinário talvez seja eufemismo da minha parte. A verdade é que esse é um daqueles livros que eu seguramente vou reler zilhões de vezes e indicar para os meus filhos, netos, amigos e por ai vai. Auggie me ganhou nas primeiras páginas e logo me vi torcendo por ele, rindo e chorando durante toda a leitura. Aprendi muito com esse rapazinho que através de ações simples, mas de extrema coragem, força e bondade se mostrou extraordinário. Alguém que sem dúvidas merece ser aplaudido de pé.

Trechos:

 “A única razão de eu não ser comum é que ninguém além de mim me enxerga dessa forma.

"Garoto rato. Estranho. Monstro. Freddy Krueger. E.T. Cara de lagarto. Mutante. Conheço os apelidos que me dão. Já estive em parquinhos suficientes para saber que crianças podem ser cruéis. Eu sei, eu sei, eu sei."

“Esse preceito significa que deveríamos ser lembrados pelas coisas que fazemos. Elas importam mais do que tudo. Mais do que aquilo que dizemos ou do que nossa aparência. As coisas que fazemos sobrevivem a nós. São como monumentos que as pessoas erguem em honra dos heróis depois que eles morrem. Como as pirâmides que os egípcios construíram para homenagear os faraós. Só que, em vez de pedra, são feitas das lembranças que as pessoas têm de você.”

“Toda a pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo.”

3 comentários:

  1. De uma coisa eu sei, quando começar a ler o livro irei chorar horrores, sempre quando a historia é nesse estilo eu choro. Enfim desde quando a capa do livro foi divulgada fiquei BEM curiosa com ele, nao vejo a hora de poder conhecer um pouco mais o August e repensar em algumas coisas.
    Ps: A nova capa ficou tão linda ♥


    xx

    ResponderExcluir
  2. Achei o enredo desse livro INCRÍVEL. Com certeza eu leria. Parece ser ótimo. Na minha opinião, a outra capa era melhor.
    Gostei bastante da resenha da Denise. Beijos!!!

    Visitem:
    http://ymaia.blogspot.com.br/
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Olá Denise, tudo bem??
    Vi muita gente comentando super bem sobre esse livro, e também não era para menos, com uma história assim, não é a toa que o livro esta fazendo tanto sucesso. Fiquei com muita vontade de ler. Ótima resenha...
    Beijos♥

    ResponderExcluir