domingo, 15 de setembro de 2013

RESENHA: Tokyo Babylon [MANGÁ]


Tokyo, capital do Japão. População estimada 11.923.346 habitantes. Dizem que a diferença de população entre e o dia e a noite chegar a ser de 2 milhões de habitantes. Um enorme parque de diversões 24 horas.

A resenha de hoje vai ser sobre um mangá que eu gosto muito, Tokyo Babylon. Mas não se preocupem, a temática sobrenatural continuará presente :)

O lindo e inconfundível traço da CLAMP. Da esquerda para direita: Seishirou, Subaru e Hokuto.

Tokyo Babylon é um mangá de sucesso lançado originalmente no Japão em 1990, criado pela idolatrada CLAMP (também criadora de Sakura Card Captors, Chobits, Guerreiras Mágicas de Rayearth, entre muitos outros). Chegou no Brasil em 2005 pela editora JBC, mantendo o formato original de 7 volumes.

Naquela época (2005) a cultura da animação nipônica no Brasil não era tão forte como é agora na segunda década do século XXI, a internet mal começava a ter episódios de animes legendados por fansubs brasileiros e eventos de anime/mangá no Rio Grande do Sul só existiam em Canoas, uma vez ano. Então para se conhecer novos mangás e ter onde comprá-los, a fonte era banca de revista mais próxima da sua escola. E foi justamente depois de namorar por semanas as lindas capas dos mangás do Tokyo Babylon que eu me aventurei e comprei o volume 3. Foi paixão a primeira leitura!

O ENREDO

A história gira em torno de três personagens: Subaru Sumeragi, 16 anos e em treinamento em Tokyo para se tornar o 13º chefe do clã Sumeragui de Onmyōjis (magos japoneses); Hokuto Sumeragi, irmã gêmea de Subaru que vive com ele, e a contrário do irmão ela é muito extrovertida e quase não tem aptidão para magia; e Seishirou Sakurazuka, veterinário residente em Tokyo, 25 anos e aparentemente membro do clã Sakurazukamori de magos mercenários.

Como dito, Subaru é um menino calmo, terrivelmente envergonhado e que está morando em Tokyo sozinho com a sua irmã para aumentar as suas habilidades de magia e um dia herdar o posto de chefe da maior família de magos do japão. O seu treinamento está na fase final, onde ele deve por em prática tudo o que aprendeu ao longo da vida com a atual chefe da família, a sua avó. Assim somos apresentados ao um Subaru exorcista na maior parte das histórias do mangá, ajudando almas perdidas por Tokyo a encontrarem a sua paz, seja de boa vontade ou através de serviços para os quais ele é contratado. Uma curiosidade sobre esse personagem é que ele está sempre usando luvas.

Hokuto é uma adolescente alegre e que se preocupa muito com o seu irmão, ela adora desenhar e usar roupas extravagantes (uma marca registrada dos estúdios da CLAMP). Como Subaru desde pequeno já tinha sido escolhido para herdar o posto de líder da família, a ela não foi ensinado muito sobre magia, mas mesmo assim ela consegue se virar com o básico, além de existirem feitiços que apenas ela pode lançar.

O "Sr. Seishirou", como Subaru o chama o tempo todo no mangá, é um personagem muito peculiar. Fumante. A história do mangá já começa nos mostrando ele apaixonado por Subaru e sempre fazendo o possível para agradá-lo (o que leva muitos a classificarem Tokyo Babylon com um mangá Yaoi - com relação amorosa entre personagens homens). No entanto, ele também porta o nome da família Sakurazuka, famosos feiticeiros assassinos da história do Japão, e mais de uma vez podemos testemunhar um lado sombrio de Seishirou aflorando, principalmente quando se trata de proteger Subaru (sem que este saiba de nada, e sacrificando todos e tudo o que precisar para que o seu protegido esteja bem).

A história prossegue mostrando mais sobre estes três personagens e começa nos instigar a saber mais sobre esse paixão (às vezes doentia, às vezes bonitinha) de Seishirou pelo jovem Subaru, além do porque este último ter de estar sempre de luvas. Ao mesmo tempo, através dos casos de exorcismo que o Subaru realiza, vemos ótimas lições de vida sendo dadas.

Os mangás tinham esse design de capa magnífico com o Subaru, e dentro sempre havia uma página tripla, colorida, retratando o trio da história.

A AVALIAÇÃO

Este foi o meu mangá favorito por muitos anos, então é com um carinho especial que faço essa resenha.

A história é curtinha, porém riquíssima em enredo e com ilustrações impecáveis no estilo CLAMP. As capas dos 7 volumes da edição brasileira são impecáveis e atraentes, como vocês puderam ver ali em cima. A trama se desenvolve na velocidade certa entre nos apresentar os personagens, nos familiarizar com eles, jogar dúvidas na nossa cabeça, até ir para um final que vira tudo de ponta de cabeça e não tem medo de fazer sangue de personagem principal ser derramado.

Subaru é o rei das frases de efeito para acalmar espíritos e pessoas vingativas, enquanto Seishirou se mostra um apaixonado dedicado, ao mesmo tempo em que tem a frieza necessária para alcançar os seus objetivos. De começo podemos achar que a Hokuto é uma personagem secundária, que está lá apenas para segurar vela, mas ela é a protetora do seu irmão e faz de tudo para protegê-lo (ou seja, mesmo incentivando que o Seishirou 'trove' o seu irmão, ela está de olho para o veterinário não fazer nada de mal com ele - inclusive com ameaças de morte!).

Apesar do jeito que a história se desenvolve, não há fortes apologias ao relacionamento físico entre os dois protagonistas. Mas a temática de romance está sempre no background das páginas da história. No entanto, a trama não é um mimimi constante, há lutas, mortes e um final nada feliz para todas as partes envolvidas.

Um das chamadas de atenção para a questão ambiental que o mangá levanta, e retratando um passeio normal dos três personagens pela cidade de Tokyo.

Sensura para não dar spoiler, mas ao mesmo tempo mostrar que o Seishirou não brinca em serviço!

ANIMAÇÃO, CONTINUAÇÃO E SPIN-OFF

Tokyo Babylon ganhou, em 1991, dois OVA (Original Video Animation, para todos os efeitos práticos são dois episódios de anime) que contam um pouco da relação dos personagens do mangá, mas com um enredo diferente, ou seja, novos casos de investigação pro Subaru. Mas a história não chega se desenvolver ao ponto de encerrar como no mangá, é mais um complemento divertido pra quem é fã.

Mas agora se você é fã mesmo, leu todo o mangá do Tokyo Babylon e quer saber como que a história dos três personagens continua 9 anos depois, tem que ler o mangá X/1999. Este mangá, de autoria óbvia da CLAMP, tem uma trama independente daquela apresentada no Tokyo: como vocês puderam ver aqui na resenha, o foco do Tokyo Babylon é a vida dos três personagens com alguma magia para dar um "tcham" na história, já no X/1999, o mundo está a beira do apocalipse e dois grupos de pessoas com dons sobrenaturais se enfrentam para decidir o futuro da humanidade. E apesar de nesse mangá os nossos queridos do Tokyo não serem os protagonistas, eles estão presentes (SPOILER: e em grupos opostos!).

E finalmente pra quem sente falta do 'casal' Seishirou-Subaru, pode vê-los no mangá multidimensional que a CLAMP criou pra aproveitar todos os seus principais personagens de vários mangás diferentes, o Tsubasa Reservoir Chronicles. No entanto, dessa vez NÃO SÃO os mesmos personagens, apenas as mesmas personalidades e nomes em um universo totalmente novo. O bônus é que o Subaru é um vampiro nessa história =P

Aqui fica um gostinho dos OVAs, a música de encerramento com imagens coloridas do mangá.




A Mamãe me matou. O Papai morreu e deixou muitas dívidas.
Aí ela falou... "Você é a coisa mais preciosa que eu tenho".
"Não posso deixar você sozinha".
Só que... eu não sou ela. Eu sou eu mesma.
No jornal escreveram que era 'suicídio coletivo'. Mas eu não queria morrer.
A Mamãe me matou.
Eu queria ter escolhido se queria morrer ou viver, ao invés dela decidir por mim.
Minha mãe me matou porque se sentia solitária.
(...)
Pode ser que as pessoas que fazem coisas ruins... sejam todas 'solitárias'.

- Fantasma de uma menina que o Subaru conhece em um dos seus serviços. 



17 comentários:

  1. Como já disse anteriormente não sou muito de ler mangá, mas a sua resenha até que despertou a minha curiosidade. O que me chamou atenção aqui foi a magia e esse trabalho que o Subaru faz com as pessoas que morreram, pelo menos foi isso que entendi kkk Parece ser uma história e tanto!
    Abraços, Raquel.
    Viajando com Livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O universo fantástico me atrai demais, seja a magia bruta do Tolkien ou essa exorcista do Tokyo Babylon, se queres conhecer mais sobre histórias desse gênero, continue acompanhando as resenhas Raquel :)

      E obrigado pela participação!

      Excluir
    2. Vou acompanhar sim, sua dicas até agora tem me chamado atenção! *)

      Excluir
  2. Não é meu tipo de leitura, não sou muito fã de mangás.. mas acabei lendo o spoiler por curiosidade kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho complicado se dizer não fã de 'mangás', já que um mangá em si é apenas a forma por onde uma história é expressa. Da mesma forma que ocorre em livros, filmes e audio-dramas.

      São sempre os enredos criados pelos autores que fazem a diferença :)

      Excluir
    2. E no X/1999 a história fica bem mais tensa em relação aos personagens, como tu deves ter visto no spoiler xD

      Excluir
    3. Concordo com você, é só uma maneira de contar uma história. Depois que li suas dicas aqui vou procurar urgentemente ler um :)

      Excluir
  3. Eu tenho quase todos os mangas do CLAMP publicados no Brasil. Tokyo Babylon é legal, mas triste e piora em X ^^
    Mas meu favorito das meninas CLAMP é XXXHolic. Aliás, vários personagens de Tokyo Babylon e de X participam de Tsubasa, que foi escrito compartilhando parte da história de XXXHolic.
    Bj, Aris.
    http://arismeire.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Arismeire!

      Holic eu já não sou muito fã porque não gostei do plote inicial da história, apensar de achar a Yuuko uma personagem muito interessante :)

      O mangá do Tsubasa eu achei sensacional, mas é como eu disse, a Clamp reaproveitou os esteriótipos e não os personagens em si. Eu li só para a pontinha que Subaru faz na história xD

      Eu ainda estou na torcida que um dia a Clamp encerre X para eu ver como que vai ficar o Subaru agora 'do outro lado' =O

      Excluir
  4. Definitivamente, não faz meu estilo literário. Mas tenho muitas amigas fãs e acabei lendo o post para indicar pra elas!!

    Bjos,
    Isa
    http://www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela colaboração, Isa :)

      Excluir
    2. É porque você nunca chegou a ler, Isa. É viciante, é sério.
      Aposto como que você já chegou a ver alguma anime e curtiu bastante. Esse é um dos primeiros passo, haha.

      Excluir
  5. Bom, andei lendo os outros comentários e vejo que não sou o único que não curte mangás. Mas li todo o post e achei a história interessante. Os desenhos são muito perfeitos.
    Ah, gostei do fato de você ter "censurado" algumas partes. Nunca tinha visto isso em nenhum outro blog.
    Parabéns!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O traço da CLAMP é bonitão mesmo, a arte quase nos distrai dos enredos =P

      E valeu pelo elogio, spoilers são importantes pra justificar a história ser boa, mas nem todos gostam... então é importante ser justo!

      Continue acompanhando o blog que mais surpresas virão, abraços!

      Excluir
    2. Pode deixar, Renan. Vou continuar acompanhando. Eu particularmente detesto quando me entregam tudo de bandeja. Gosto de descobrir sozinho. rsrs
      Abraço!

      Excluir
  6. Sou apaixonada por animes e mangás, principalmente quando trazem em seu enredo elementos sobrenaturais e sinto-me envergonhada por não conhecer este antes da resenha.
    Deixou-me curiosa e vou acabar procurando saber mais a respeito deste mangá.

    ResponderExcluir
  7. Eu ainda não conhecia ele, na verdade não conheço muitos mangás... Mas gostei do enredo, fiquei até com vontade de ler! Vou procurar mais sobre ele :)

    ResponderExcluir