domingo, 1 de setembro de 2013

RESENHA: O Clube dos Imortais


Imaginem a maior cidade da América Latina, São Paulo, no início do século XXI, com uma juventude gótica desfrutando das maravilhas da internet ao mesmo tempo que vão a festas temáticas e desfrutam do bom e velho vinho em cemitérios durante a madrugada vestindo os seus sobretudos. É essa a atmosfera trazida pelo livro O Clube dos Imortais.


"Ninguém escapa daquele que vive para sempre". Layout da 2ª edição do livro.


Lançado em 2006 pela editora Novo Século, o livro de autoria de Kizzy Ysatis (Cristiano de Oliveira Marinho) veio em numa época onde os nossos amados vampiros haviam sido transformados pela literatura juvenil contemporânea em seres patéticos. Entretanto, com uma maestria sem igual ele recria a lenda do ser vampiresco em uma nova mitologia, ao mesmo tempo em que une à história personagens e locais históricos do nosso Brasil. Não é atoa que esse livro ganhou o Prêmio Rachel de Queiroz da União Brasileira de Escritores, sendo o primeiro livro do gênero (fantástico/sobrenatural) a ganhar algum prêmio da Academia Brasileira de Letras (ABL).

O prêmio foi merecidíssimo, afinal, não é todo dia que vemos uma história fantástica, séria, em forma de prosa, recheada de poemas nas suas aberturas de capítulos, e com menções constantes ao dono eterno da segunda cadeira da ABL durante a história: O Imortal Álvares de Azevedo. 

O ENREDO

A história se inicia no Brasil ainda Império, em um baile de máscaras da corte onde um jovem decide pregar uma peça em um dos convidados, fato este que muda as suas vidas para o resto da eternidade. Então avançamos para a São Paulo contemporânea onde os jovens góticos de famosas casas noturnas paulistas começam a se deparar com a possibilidade dos seus devaneios literários serem reais, vampiros talvez realmente existam entre nós.

A narrativa acontece através da relação do jovem Luciano, um cético quanto a sobrenaturalidade do universo, e de um homem que se apresenta como um verdadeiro vampiro. No começo a relação de ambos é de caça e caçador, mas ao longo da história percebemos o quanto este vampiro é poderoso e sedutor (e não no contexto sexual, mas sim em questão de charme). O que ele quer não é se alimentar do jovem rapaz, ao menos não exatamente.

Este vampiro é o personagem central da história, a sua relação com Luciano e o baile de máscaras da época do império é a trama que faz a o leitor ler páginas atrás de páginas do livro. Vampiro Luar, é este o ser da noite que está atrás de Luciano e que comanda o Clube dos Imortais, que dá título ao livro. E é junto da sua matilha de lobisomens viciados em sangue vampírico, uma bruxa escravizada (a Sibila Rubra), e de anjos caídos ou protetores dos seres humanos, que o livro monta a sua própria fauna sobrenatural.

Para quem quiser sentir o clima do livro, recomendo a música By My Side, do grupo INXS, que o próprio Luar cita no livro.

By My Side by INXS on Grooveshark


A AVALIAÇÃO

Eu conheci esse livro na casa de um amigo, e as primeiras páginas da história que são estruturadas como um chat de internet das antigas (quem aqui nunca usou o chat da uol?) e a temática vampiresca no melhor estilo Anne Rice, foram o que me fizeram comprá-lo. A visão do autor para rechear um universo brasileiro com criaturas sobrenaturais é sensacional. Foge dos esteriótipos sangue-sugas psicopatas e dos vagalumes pedófilos que há tanto nos livros gringos de hoje em dia.

A história nos apresenta vários personagens diferentes e autônomos, que não ficam na sombra um dos outros, mas que sim se relacionam de forma harmoniosa para compor um livro que não deixa pontas soltas no seu final. E não há como não amar o vampiro Luar, a história dele é mais interessante do que a de protagonistas de muitos bestsellers por aí, e com o desenvolver da trama nós vemos que não existem personagens bons ou maus de nascença, e sim que todos tem os seus motivos para tomarem as suas atitudes.

A narrativa pode ser um pouco enfadonha para quem não está acostumado com um tipo de escrita mais detalhista de cenários, eu pessoalmente achei que haviam passagens que podiam muito bem terem sido retiradas do livro sem problema algum. Mas no conjunto da obra, estas descrições prolongadas não acabam por interferir demais com a velocidade da história.

A segunda edição (2013) veio com um layout de capa magnífico e com ilustrações do próprio autor no interior do livro. Uma verdadeira obra de arte.

Esse é o melhor livro que eu li a cerca de Vampiros. Recomendo demais para quem quer conhecer uma verdadeira entidade sobrenatural antiga e poderosa, assim como se sentir em casa na ambientação da história.


Uma citação do Luar numa das ilustrações do Kizzy, pra deixar o gostinho de quero mais.

UMA TRILOGIA (?)

Quem foi mais atento deve ter visto na capa da segunda edição que eu coloquei lá em cima esse detalhe: Trilogia Leão Negro.

Pois bem, aqui a coisa fica meio complicada, mas vamos tentar entender um pouco pelo menos. Em 2006 foi lançado o livro "O Clube dos Imortais: A Nova Quimera dos Vampiros" (esse subtítulo indicava justamente a re-invenção do mito vampiresco por parte do autor, que acabou sendo removido na segunda edição). Em 2008 foi publicado o livro "Diário da Sibila Rubra", que visa explorar mais sobre essa tradição de bruxas de Santa Catarina que foi apresentado no primeiro livro, a história se passa bem antes do Clube dos Imortais, mas pode ser lida em qualquer ordem (em breve faço a resenha desse livro também). E desde então eu estou no aguardo do lançamento, até agora sem data, do último livro chamado "A Queda do Vampiro" (que já possui capítulos parcialmente publicados no blog do autor - e está ficando genial!)

Agora resta aguardar o Kizzy saltar o seu gênio literário e encerrar essa história magnífica. E incentivar que o pessoal compre os seus livros e fortaleça a literatura fantástica nacional, ele tem outros já publicados na mesma temática sobrenatural e que sempre arrecadam novos prêmios, vale a pena conferir.

OBS.: A primeira edição do Clube NÃO FOI feita pensando numa trilogia. É um livro independente, com começo, meio e fim. O Diário da Sibila veio para explorar uma das novidades que o Clube trouxe. Ambos os livros podem ser lidos de de forma independente, em qualquer ordem, ou sem a necessidade de se ler os dois.

O RESUMO

Autor: Kizzy Ysatis
Editora: Novo Século
Numero de páginas: 312 (1ª Edição)
Ano de lançamento: 2006 (1ª Edição) & 2013 (2ª Edição)
Compre: 2ª Edição
Nota: 10/10

Para quem quiser saber mais sobre a história, pode ver aqui no YouTube uma entrevista do autor no Jô Soares.

Abraços e até mais!

24 comentários:

  1. Góticos? Cemitérios? Alvares de Azevedo?
    Essa história tem todos os elementos precisos para me seduzir. Não sou muito fã de vampiros desde que eles passaram a brilhar no sol. Vampiros foram feitos pra serem seres malvados e medonhos, não apaixonantes.
    Sendo um livro de um autor nacional me fez querer adquiri-lo ainda mais. Parece ser uma história bem interessante e não muito longa. Com 312 páginas dá pra ler rapidinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens tudo para gostares mesmo. Eu recomendo demais :)
      Se o ler, depois venha cá me dizer o que achou dele, Cássia!

      Excluir
    2. Venho com certeza.
      A parte dos lobisomens me lembrou True Blood, já que lá esses seres também são servos de vampiros e viciados em seu sangue, bom alguns deles.

      Excluir
    3. Pois é, realmente lembra mesmo.
      Só faltou os vamps se mostrarem a sociedade também... Ahhh claro, e as fadas, pois até bruxas nós temos. ;)

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ai eu ri muito com "vagalumes pedófilos" :P Sabe, eu quase não leio mais sobre vampiros, quase fiquei saturada rs não conhecia o livro e fiquei impressionada com o prêmio ganho por ele. Fiquei curiosa para conhecer o vampiro Luar e suas intenções. Adoro poemas (ler na verdade, não sei escrever nada de nada poético rs), e a capa é linda d+. Vai para a lista de desejados.

    Beijos,
    Jhey
    www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não estava estava esperando tantos amantes da criaturas noturnas, obrigado pela participação Jhey!
      O livro tá relativamente barato na sua segunda edição, o Kizzy escreve muito bem sobre vampiros e toda a sorte de criaturas sobrenaturais, vale demais a leitura!

      Excluir
    2. Acho que esse livro é uma boa forma para começar a se interessar por livros desse gênero. Para se tornar amante de "criaturas noturnas", nada melhor que adentrar com o pé direito em um talento da terra.

      Excluir
  4. Falando com poucos pré-conceitos, não gosto desse estilo 'gótico'(cemitérios e baboseiras), e não vejo necessidade de fazer ligação entre o gótico e o 'sobrenatural vampiro'...mas enfim,indo para o que interessa do livro...O livro em si parece ser bem interessante,com vampiros que não brilham e uma estoria que parece ser bem estruturada..O nome do livro também é bem chamativo e a capa muito bonita...
    e por fim : lobisomens são melhores que vampiros. =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os vampiros clássicos de Stoker e da Rice é nesse estilo gótico-saudosista. A beleza desse livro está justamente nas referências tupiniquins aliadas ao sobrenatural :)

      Se queres ler algo brasileiro sobre lobisomens eu recomendo o "Fúria Lupina", do autor Alfer Medeiros (logo mais terá resenha aqui no blog também!).

      Abraços.

      Excluir
    2. Cara, eu entrei no site do escritor e li um pouco sobre Fúria Lupina e curti bastante... Nunca li um livro sobrenatural/fantástico que tivesse como cenário o Brasil...e pelo que deu pra entender pelo Alfer Medeiros (e pela capa do livro) é que este tem muitas referencias 'conhecidas'...Gostei do seu estilo de leitura.

      Excluir
  5. Não conhecia esse livro da NS, mas a editora tem uma gama tão grande de livros que é difícil conhecer todos né. Achei a trama bem bacana, apesar de não gostar muito de vampiros e não ler muito livros que tem os seres como personagens principais, a obra me pareceu boa.
    Abraços,
    Raquel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma leitura sensacional, ao mesmo tempo que bem nua e chocante a medida que vemos até onde o Luar é capaz de ir para alcançar os seus objetivos. Mas é como eu disse, o grande destaque do livro está na sua história que traz o própria Brasil (e as suas personalidades) para dentro da trama :)

      Excluir
    2. Em um primeiro momento, Renan, eu até pensei que fosse ambientado na Inglaterra, mas tive uma grata surpresa ao perceber que se passa no nosso país. Achei isso fantástico.

      Excluir
  6. Um livro nacional, sobre vampiros de verdade?! Adorei! Sou um grande fã das Crônicas Vampirescas, da Anne Rice e de um tempo para cá fui obrigado a me afastar desse tipo de literatura ( por motivos óbvios ). Com certeza vou ler todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma história recheada de personagens verossímeis, com motivações próprias. Sem heróis ou vilões claramente definidos. Se gostar da leitura, depois me conte aqui como foi :)

      Excluir
  7. Nunca li nenhum livro nacional sobre vampiros assim "de verdade". Fiquei com muita vontade de ler esse, além de falar de um ema que eu amo ainda ganhou prêmio na Academia Brasileira de Letras. Com certeza deve ser muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom ver que a literatura fantástica ainda tem fãs de qualidade :)

      Obrigado pela sua participação Cristiane!

      Excluir
    2. Bom ver que que tem livros de qualidade sobre literatura fantástica no Brasil :)

      Excluir
  8. Eu nunca li nenhum livro de vampiros, mas esse me chamou a atenção e acho que eu daria uma chance a ele. O fato de se passar no Brasil deu um toque diferente. Achei a capa bem chamativa também. Gostei muito!

    Parabéns pela resenha!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser ótimo mesmo, ainda com as referências tupiniquins. Ler algo ambientado no nosso país é completamente diferente.

      Excluir
    2. rsrsrs
      Referências tupiniquins foi ótimo! Cris, há muitos escritores que mesmo sendo brasileiros, preferem "americanizar" suas histórias até nos nomes das cidades, dos personagens etc.. Acho genial esse toque brasileiro em uma história de vampiros.

      Excluir
    3. Pois é. Acho que nunca li nada desse gênero com "cara de Brasil" mesmo.

      Excluir