segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Batalhas do Novo Mundo #25




Livro 1 - Conspiração
Arco III - A Bela e o Prisioneiro
Cap. 25 - Decisões




-A questão é a seguinte elfo: ou você fica e aguenta as consequências, ou escolhe um desses seus companheiros para ficar.
Gwenh estava em silêncio, incapaz de acreditar que aquilo estava acontecendo com ele. O anão permanecia sentado de frente para a saída do túnel, bloqueando a passagem do grupo. Ele precisava escolher agora quem seria sacrificado. Isso não fazia parte do plano.
-E então elfo? Não tenho o dia todo.
_______________________________________________

Mercado Negro, meia hora antes.
-E então elfo? Não tenho o dia todo.
Gwenh não acreditava no que acabara de presenciar, todos haviam sido derrotados com uma incrível facilidade e Cavendish nem mesmo saiu de seu lugar. Apenas ele estava em pé, diante daquele que era conhecido como "demônio".
-Realmente eu esperava mais de você. -provocava Cavendish. -Falaram tanto em você. Em como se tornaria grande. Mas honestamente, estou decepcionado.
Aquelas palavras atingiram o elfo de maneira forte, ele já havia escutado a mesma coisa em outros tempos. Ele olhou para seus companheiros, todos estavam inconscientes no chão. Será que estavam mortos?
-Preocupado com seus "companheiros"? -riu o humano. -Algo incomum para um elfo, não acha?
Gwenh se virou novamente para seu adversário, mas algo estava diferente. Seus olhos eram negros como a mais escura noite e seu corpo exalava uma aura sombria e cruel. Um sorriso maldoso deformava o rosto sempre calmo do elfo.
-Hehe, finalmente um rosto digno. -riu o demônio
De repente o elfo desapareceu da sua frente. Cavendish mal teve tempo de esquivar da lâmina que passou raspando em seu pescoço e outra já vinha direção a seu estomago, mas com um rodopio o humano conseguiu esquivar de oponente.
-Interessante essa sua arma. -falou enquanto se levantava. -Essas lâminas devem ser as famosas Aji's, ouvi dizer que são necessários anos de treino para usa-las com essa maestria. Agora fiquei com mais vontade ainda de te matar.
-Tenta a sorte. -provocou o elfo.
Cavendish deu uma risada enquanto puxava uma adaga do bolso.
-Ah, pode ter certeza que eu tento. -sussurrou ele no ouvido do elfo antes de acerta-lo um chute nas costas.
Gwenh estava atônito, ele não foi capaz de acompanhar a velocidade de Cavendish. Quando o elfo tentou levantar, um potente chute o acertou no rosto arremessando-o para longe, e antes que seu corpo tocasse o chão, um novo chute no estomago fez com que Gwenh gritasse de dor.
-Esta vendo elfo? A diferença entre nós dois é maior que a diferença entre os deuses e uma formiga. -falou o humano enquanto cuspia na cara do guerreiro caído.
Gwenh permanecia no chão, seu corpo estava doendo de uma maneira que ele nunca havia sentido antes. Ele conseguia ver que por mais que tentasse sempre haveria um abismo entre o seu poder e o de Cavendish. Todas as vezes que o elfo tentava se levantar ele era acertado por um chute e voltava a cair, não havia mais luta ali, aquele seria o seu fim.
-Já chega Cavendish. -falou uma voz grossa as costas deles.
-Só mais cinco minutos. -falou o humano. -Por favor, senhor Hewlett.
Gwenh estava caído, não conseguia visualizar com quem o humano conversava.
-Acho que você exagerou aqui meu jovem. -disse outra voz, essa mais fina e esganiçada. -Não lhe dissemos que era proibido matar?
-Não não, eu não matei ninguém senhor Packard, aqueles ali estão apenas desacordados.
-E o elfo? -perguntou Hewlett
-Ah, eu esperava mais sabe. -respondeu Cavendish, havia desanimo em sua voz. -Decidi então mata-lo. -finalizou ele sacando sua adaga.
O silêncio durou uma eternidade para o elfo.
-Então o deixe vivo. -falou Packard. -Se ele é tão bom como dizem, aposto que vai melhorar e ai você mata ele.
-Você deu sorte elfo. -falou o Cavendish acertando um chute no estomago do elfo. -E o prisioneiro?
-O mestre mandou deixa-lo por conta desses idiotas. -falou Hewlett. -Eles também têm assuntos com esse cara.
-Ok então, não irei contra as ordens do mestre. -falou o jovem enquanto guardava suas adagas.
Ele se abaixou e encarou Gwenh nos olhos, havia crueldade e decepção em seu olhar.
-Você terá mais uma chance elfo, não faça com que eu me arrependa.
Ele se levantou e acertou um último chute no rosto de Gwenh, que perdeu os sentidos e desmaiou.
_________________________________________

-Finalmente acordou elfo. -falou a voz de Morn em algum ponto na escuridão. -Você apanhou bastante, ainda bem que temos uma clériga para cuidar de seus ferimentos.
-O que aconteceu com Cavendish? -perguntou Laurëa, ela estava ao seu lado, fazendo uma oração de cura. -Quando acordei ele havia sumido e nosso alvo estava amarrado na árvore, parecia até um presente.
-A história é longa demais...
-Temos tempo. -falou Morn bastante sério. -Me conte como você conseguiu enfrentar o demônio Cavendish sozinho e ainda estar vivo.
________________________________________

Gwenh contou todos os acontecimentos para seus companheiros e após muito discutirem sobre isso, o grupo decidiu ir para a casa da Linnáe e descansar. Thargon carregava nas costas o corpo desacordado de Sardo, enquanto Morn levava o elfo que não conseguia se mexer.
Após algumas horas o grupo alcançou a escadaria que levava a loja do anão, mas quando chegaram ao final dela uma surpresa os aguardava. Sentado exatamente no alçapão estava o mercador. Sua cara era séria e desafiadora.
-Então vocês voltaram. -falou com sua voz firme. -Estão destruídos, mas de volta. Posso dizer que estou impressionado. Muito bom o grupo que você escolheu elfo.
-Deixe-nos passar anão. -falou Morn
-Cala essa boca orc. -grunhiu o mercador, então ele voltou seus olhos para Gwenh e disse. -Então elfo, chegou a hora de escolher: ou você volta para casa com o rabinho entre as pernas, ou escolhe um destes seus "companheiros" para ficar como um "presente" aos deuses.
-Você está maluco? -gritou Arwen
De repente um tiro ecoou pelo túnel acertando o lobo de estimação do druida.
-Eu mandei calar a boca. O próximo tiro vai ser em você, assim o elfo vai ter uma opção a menos.
Gwenh apenas visualizava aquela cena apavorado. Isso estava errado, não deveria estar acontecendo. Seria uma punição por ter sido derrotado?
-E então elfo, não tenho o dia inteiro. -gritou o anão.
Ele olhou para todos os seus companheiros, seria mesmo capaz de escolher um deles? E se ele ficasse?
-Se decida maldito, quem você escolhe?
De repente a porta da loja explodiu, o grupo não conseguia enxergar o que acontecia, pois o anão permanecia na frente, mas então uma voz conhecida trouxe esperança para todos.
-Saia da frente anão, eles estão comigo. -falou de maneira firme Linnáe.
Gwenh respirou aliviado, os deuses estavam cuidando de seus passos.

Continua...

8 comentários:

  1. Excelente capítulo, Flavio. Nossa, fiquei até com pena do Gwenh. Coitado! E já vi que o Cavendish ainda vai aprontar muito. Deu uma raiva dele nesse capítulo...

    Parabéns! Muito bom!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Ygo.

      Esse capitulo me mostrou um grande problema: não sou bom para escrever cenas de lutas.

      Demorei mais de duas semanas escrevendo esse capitulo, quando em média levo de dois a três dias escrevendo. Mas no fim gostei do resultado. :P

      O capitulo da semana que vem vai ser um divisor de águas na nossa história. Pode-se dizer que semana que vem começa a cair o véu que cobre todo o mistério do primeiro livro.

      Falando em mistério, você que tem acompanhado BdNM a um bom tempo, já criou alguma teoria??
      Estou curioso para saber como os leitores tem recebido as "dicas" e até mesmo o desenrolar da trama. :D

      Forte abraço

      Excluir
    2. Bom, Flavio. Pelo que você tem falado, acredito que tem lobo disfarçado de cordeiro nessa história (e vice-versa). Sinto que estou sendo enganado por algum personagem, mas não sei qual.
      rsrs
      Aquele dilema para saber quem é vilão de verdade e quem é do bem.

      Excluir
    3. Vamos dizer que você na teoria esta certo.
      Mas ai eu te pergunto: O que podemos classificar como "vilão"?? O que seria "mau" e "bom"??

      No próximo capitulo você me responde isso. Acho que as suas perspectivas podem mudar. :P

      Excluir
    4. Tudo bem, Flavio. Vou aguardar o próximo capítulo para ver se mudo de opinião com relação a alguns personagens. Abraço!

      Excluir
  2. Cavendish tem um personalidade estranha, pensei que o elfo não fosse sobreviver a este capítulo, e quando o pobre consegue se livrar de um ainda vem esse anão, não entendi o que ele queria com algum deles como "presente".
    No próximo capítulo tem os dois irmãos? Estou querendo saber o que aconteceu com eles kkkkkk

    Abraços, Raquel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raquel, tenho que te confessar que fico feliz em ver você acompanhando.
      No cap. 22 você comentou que esse tipo de livro não lhe chama muito atenção.
      Por esse motivo fico muito feliz em ver que você lê o BdNM. Muito obrigado :D #FaçaUmEscritorFeliz

      Os dois irmão que você se refere são Sarcano e Elvellon certo??
      Posso te adiantar que neste arco eles não voltam mais (na verdade o Elvellon não volta mais :P).
      No 4º arco, chamado de "Valkaria" (rá, já adiantei o nome do próximo arco), vai ter um grande foco no Sarcano. Acho que metade do arco vai ser focado mais nele do que no grupo de aventureiros.

      A noticia ruim é que esse arco só estréia em novembro, ainda falta mais uns 4 ou 5 capitulos para terminar "A Bela e o Prisioneiro" :/

      Excluir
    2. Eu leio de tudo Flavio, mas a maioria dos meus livros são romance, apesar de gostar de aventura eu não costumo ler muito. Mas estou gostando de acompanhar a sua história, ela é bem estruturada e diferente do que tenho lido ultimamente.
      São eles mesmo, fico triste em saber que eles vão demorar a voltar :( , mas vou continuar acompanhando esperando ;)

      Excluir