segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Batalhas do Novo Mundo #22




Livro 1 - Conspiração
Arco III - A Bela e o Prisioneiro
Cap. 22 - O Senhor das Armas




Vectora, terceira hora do primeiro sol.
Aquela era a primeira vez de todos na famosa cidade voadora de Vectora. Seus olhos estavam impressionados com aquela visão magnifica das nuvens passando ao lado das casas e edifícios.
-Engraçado, não sinto como se estivesse tão distante assim do solo. -falou Thargon
-É claro que não minotauro, se minha magia é poderosa o suficiente para erguer esta montanha do chão e faze-la flutuar por todos os planos, com certeza seria capaz de curar uma reles vertigem dos minotauros.
Todos se viraram em direção à voz, ao seu lado estava aquele que dividia com Talude o posto de maior mago do Reinado, o criador e governante da cidade, Mestre Vectorius.
-Kobolds me mordam, nunca imaginei ver Vectorius em pessoa na minha frente. -falou Morn.
-Acho que o senhor não tem esse costume de receber todos os visitantes pessoalmente, muito menos acompanhado da milícia. -comentou Gwenh aproximando a mão da bainha de sua espada, mas sua mão travou no meio do caminho, ele estava incapaz de se mover.
-Calma elfo, não estou aqui por vocês. -respondeu calmamente o mago. -Na verdade não por todos vocês. Certo minha cara?
Linnáe se adiantou, soltou suas espadas da cintura e entregou-as a Laurëa.
-Guarde-as em minha casa por favor, você esta com a chave. -a humana se virou para Vectorius. -Estou pronta, pode me levar.
Alguns guardas se adiantaram e algemaram a guerreira que não fez nada além de estender os braços. Antes de partirem ela se virou para os companheiros e disse:
-Se precisarem de mim podem ir ate o palácio. Certo Vectorius?
O mago apenas concordou com a cabeça e após alguns preparos partiu voando com a prisioneira ao seu lado, deixando o grupo completamente perdido em meio à gigantesca cidade.
_______________________________________

Geleira de Bah, Montanhas Uivantes, segunda hora do primeiro sol.
Sim, eles precisavam morrer. Aquele pensamento não saía da cabeça de Sarcano enquanto olhava para seus inimigos. Todos estavam o chamando de monstro, mas ele não havia matado e nem ferido ninguém. Então por que ele era o monstro?
-Ei guri, e melhor vir conosco se não quiser ficar igual ao teu irmão. -falou um dos homens rindo.
Se não bastasse terem acertado Elvellon covardemente, ainda riam dele. Sarcano não conseguia mais se segurar, ele olhou para os lados procurando algo que pudesse usar como arma, mas não havia um misero galho no chão. O negócio era ir no soco mesmo.
-Não vou falar de novo garoto levante as mãos e se aproxime devagar.
O que fazer agora? Ele precisava encontrar uma saída. De repente aquela mesma voz voltou a sua cabeça trazendo a resposta. Era simples.
O garoto se levantou calmamente com as mãos para cima e caminhou lentamente até seus inimigos. Ele tinha poucos segundos para que tudo funcionasse.
-Ótimo, agora coloque as mãos nas costas para que possamos lhe amarrar.
Perfeito, essa era a chance que ele precisava. Em sua cabeça a voz continuava lhe dizendo passo a passo do plano. O mais novo dos inimigos se aproximou com a corda. Deveria ter quase a mesma idade de Elvellon e aparentava estar morrendo de medo. Isso ajudava bastante seu plano.
-Esta com medo de mim franguinho? -provocou Sarcano, mas sua voz saiu diferente, parecia cruel e perversa.
-Ca-Cale a boca seu monstro. -o medo era visível na voz do garoto.
-Se acalme Tailor, se ele tentar algo nós matamos ele.
O jovem olhou novamente para seus companheiros esperando que algum deles trocasse de lugar com ele, mas não teve sorte. Ele encarou aquele garoto na sua frente tentando se convencer que era apenas um garoto normal, mais novo que ele. Mas era impossível diante daqueles olhos vermelhos e sombrios.
Lentamente ele foi se aproximando, Sarcano estendeu os braços para que fossem amarrados. Tailor deu um nó apertado para que aquele monstro não pudesse se soltar. Estava acabado finalmente, agora ele podia voltar para casa e contar uma historia na taverna. Ele se virou para pedir que Django o ajudasse a carregar o guri, só que não encontrou o que esperava. Ao invés de estarem felizes, a dupla parecia preocupada.
-Sai dai Tailor. -gritou Marcus.
O garoto não teve tempo nem para pensar, Sarcano estava em pé atrás dele, e com uma mordida ele arrancou metade do pescoço do jovem Tailor.
-Seu maldito! -gritou Django disparando varias flechas em Sarcano.
A voz em sua cabeça dizia que ele não precisava desviar, aquilo não o faria mal, a única coisa que ele tinha que fazer era seguir em direção aos inimigos e mata-los. E ele fez isso. Velozmente o jovem humano correu ao encontro de seus oponentes, ele conseguia sentir o impacto das flechas perfurando seu corpo, mas não havia dor. Uma atravessou seu peito onde deveria ser seu coração, mas mesmo assim o jovem continuou correndo.
Os mercenários não conseguiam acreditar no que viam, aquele garoto realmente era um monstro.
-Chega, agora eu acabo com você. -disse Django enquanto sacava uma pistola de pólvora e preparava o disparo.
-Apenas corra. -dizia insistentemente a voz em sua cabeça, e o garoto respondia correndo cada vez mais rápido.
De repente um tiro ecoou pela floresta.
________________________________________

Bairro de Mucro, Vectora, segunda hora do segundo sol.
-Então por que estamos caminhando tanto? -perguntou Laurëa
O grupo estava seguindo o elfo desde que chegaram, parecia até que ele procurava por algo.
-É fácil né, se alguém tem sua cabeça a premio com certeza não vai andar pela cidade normalmente. -falou o elfo enquanto olhava para algumas lojas.
O bairro de Mucro e conhecido em todo o Reinado como o lar das maiores lojas de armas do universo. Vários comerciantes reúnem em suas estantes armas de todos os planos e reinos. Dizem que não existe arma que não se encontre nessas lojas.
De repente Gwenh parou em frente a uma loja, a Garra das Trevas.
-Aqui teremos nossas respostas. -falou antes de entrar.
Os companheiros se olharam e decidiram seguir o elfo. Ao entrarem eles foram abordados por um anão mal encarado e com uma bengala de madeira com o símbolo de Tenebra.
-O que fazem em minha loja raças insignificantes? -gritava o ano enlouquecido.
-Eles estão comigo caro mercador. -falou Gwenh por trás de uma estante.
O negociante olhou o grupo com desdém, mas seu olhar parou por um momento em Morn, parecia avaliar o orc. Por fim falou:
-Com exceção do orc, você está ando muito mal acompanhado elfo. -ele se virou para o grupo. -Caro orc, minha loja esta a sua disposição, aos demais eu não tenho nada.
-Como não tem nada? -gritou Thargon. -Sua loja esta lotada de armas.
-Sim, para verdadeiros guerreiros, não para qualquer um.
O clima estava pesado demais, o anão parecia provocar para testar a força do grupo.
-Deixe assim meu senhor. -disse Gwenh se aproximando, em sua mão havia suas estranhas laminas negras em forma de meia lua. -Levarei estas duas.
-Então você conseguiu acha-las? -riu o anão. -É digno. As vendo por 5 PO cada.
-Cinco?! -gritou Thargon. -Essas lâminas aparentam valer no mínimo 600 PO cada.
-Minha loja, meus preços.
-Chega disso. Eu sei o que você veio fazer aqui elfo. -falou Morn
-O que seria? -perguntou Gwenh, sua voz parecia tensa.
-Vamos direto ao assunto, você parecia estar procurando algo o dia inteiro. Após pensar no que você disse sobre nosso alvo e ao ver essa loja eu consigo entender se plano.
De repente o orc puxou seu machado o que fez com que Gwenh sacasse a espada da cintura. Mas o orc se virou para o anão e disse:
-Onde esta a entrada para o mercado negro anão?
O elfo deu um suspiro aliviado, o anão soltou uma risada e disse:
-Você é perfeito orc. Acompanhem-me, vou leva-los ate a passagem para o mercado negro de Vectora.

13 comentários:

  1. Nossa fiquei aqui prendendo a respiração nas últimas linhas, a sua escrita é fluida e ágil e me prendeu completamente, e apesar de ter seres que eu não sei o que são (como orc), não fiquei confusa. Vou ver se leio os outros capítulos depois! Parabéns *)
    Abraços,
    Raquel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Raquel :D

      Orcs normalmente são vilões em histórias medievais. Como em "O Senhor dos Anéis" onde Sauron tinha um exercito de orcs.

      Ja em Tormenta eles são mais "humanos".
      Eu imagino o Morn algo mais ou menos como esta imagem aqui: http://digital-art-gallery.com/oid/75/640x910_13280_Orc_Main_3d_character_orc_fantasy_picture_image_digital_art.jpg

      Bjos :D

      Excluir
    2. Bom fica difícil de entender porque eu não assisti "O Senhor dos Anéis" nem "O Hobbit" e muito menos "Harry Potter" onde sei que há muitos seres assim. Mas eu entendi o que você quis dizer, esse orc tem uma cara de vilão mesmo hahah
      Obg *)

      Excluir
    3. Como você conseguiu viver até hoje sem ter lido esses clássicos?? HAHAHA... na verdade esses 'monstros' existem, além de alguns livros, nas mesas de RPG e em RPG online,abrindo brecha pra alguns seres da mitologia também

      Excluir
    4. Não sei porque nenhum desses livros me chamam muita atenção, apesar de gostar de magia, feitiço e afins. Também amo mitologia, mas tomei um asco por HP e O Senhor dos Anéis nunca tive paciência para ver.
      Agora RPG é outra língua pra mim, nunca joguei kkkkk
      Provavelmente vou pegar todos os filmes de HP para ver, talvez eu mude de opinião a respeito. Estou tomando coragem ainda kkk

      Excluir
    5. Pois é, Raquel. Eu estou no mesmo barco que você. Eu só assisti ao primeiro filme do HP.
      Achei interessante, mas não acompanhei mais nenhum outro. Quem sabe um dia...

      Excluir
    6. Eu comecei a ler "Senhor dos Anéis" e tive a mesma impressão, achei chato demais, não consegui terminar o livro. Mas eu vi que tanta gente ama, que resolvi tentar de novo. Li O hobbit amei demais. Tenta começar por ele :)

      Excluir
    7. Obrigado pela dica, Cris. Bom, considerando que eu também não consegui assistir nem 30 minutos de O Hobbit.
      rsrs
      Mas, valeu a dica. Talvez o livro seja melhor.

      Excluir
    8. Haha, o filme eu não assisti. mas o começo do livro é um pouco cansativo também, mas depois fica legal.

      Excluir
  2. Morn sempre foda com suas expressões '-Kobolds me mordam'
    e só tenho uma coisa a dizer, 'mercadores' são seres malditos...HAHA


    Estou sentindo falta das aulas,professor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mercadores são realmente uma raça maldita. hahahahahha

      Essas expressões do Morn são o que tornam ele tão "humano" :P

      Tentarei voltar com as aulas em breve :D

      Excluir
  3. "ESTÁ COM MEDO DE MIM FRANGUINHO?"
    Ri alto com essa fala de Sarcano.
    Foi puro deboche. Parabéns pelo seu texto. Continue!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Terminei de ler "O Hobbit" ontem e já estou com saudade desse universo de elfos, orcs... Vou ver se depois leio outros capítulos da Batalhas do Novo Mundo! Muito bom!

    ResponderExcluir