segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Resenha Impossible.




Autor: Komal Lewis.
Editora: Createspace.
Numero de páginas: 254.
Ano de lançamento: 2012.

Esse livro foi bem mais ou menos, você lê rapidamente, é bem clichê, garota popular, garoto não popular que se veste estranho e tem uma banda, e claro, que eram melhores amigos na infância.
Já se sabe o que vai acontecer em todo ele, eu não estou dizendo que é ruim, só não é um livro que chame atenção, os personagens deveriam ser mais aprofundados e terminou sendo aquele livro em que você pega "gana" deles.
Ashton é a senhorita popularidade que trata a todos mal e é assim que a melhor amiga dela a engana e faz ela humilhar uma colega para perder a vaga de líder de torcida. Luca, ao contrário, anda com o que Ashton chamaria de os perdedores, mas agora que Ash não tem mais ninguém com quem conversar, pois todos seus amigos viraram as costas quando ela caiu socialmente, ela vê em Luca a chance de ter sua popularidade de volta, afinal ele é bonito.
Dessa forma ela fingi namorá-lo, claro que sendo clichê novamente, eles se envolvem realmente. O livro conta o decorrer desse não romance/romance deles e o que acontece ao redor.
Existem clichês que são bons, que são ótimos, que te conquistam. Não tenho nada contra clichês, mas esse é o caso de um livro que tinha que melhorar muito, muito mesmo. Então eu digo, leiam se tem tempo vago de livros, mas não passem na frente de nenhum.

Personagens:
Ashton: Ashton não se decide de nada, em um segundo está fazendo algo, no outro o oposto, isso irrita muito.
Luca: Luca é o motivo para você ler o livro, mas até ele ficou meio confuso as vezes.

Escrita: não amei a escrita, como eu disse ela deixou os personagens confusos.

Capa: detestei a capa. Ash é toda popular e tentam vender uma capa em que a garota parece que saiu de casa sem trocar de roupa, não combina.

Enredo: faltou emoção, o livro poderia ter me convencido, mas faltou emoção dos personagens.

Classificação: 04/10.

Eu fiz uma careta para a altura da grama. Elas ainda não tinham chamado alguém para cortar a maldita coisa. Suponho que mãe de Ash estava em um estado de espírito similar ao de mamãe. Seu marido não tinha morrido, mas ela ainda sofria por um casamento ruim.
Hesitei em sua varanda da frente e, honestamente, não sabia se batia, quando a porta se abriu. Ashton se encostou ao batente da porta com uma mão em seu quadril e tudo o que eu tinha planejado dizer para ela me escapou. Minha mente registrou um branco total quando eu notei sua aparência. Ela estava vestindo um par de shorts ridiculamente pequeno que mostrava muito de sua pele lisa. Seu top curto deixava seu estômago plano nu. Meu pulso acelerou enquanto eu tentava não olhar. Realmente tentei, mas foi impossível. Quero dizer, quem ela estava tentando impressionar a esta hora?

13 comentários:

  1. Narrada em primeira pessoa, e pela descrição da Ash deve ser sob o ponto de vista do Luca.
    Nunca gostei muito desse tipo de romance clichê. É tão "Disney" e tão "Sessão da Tarde". Por isso prefiro os romances policiais.
    Concordo em relação a capa, esperava-se que a personalização da Ash fosse mais verdadeira, fazendo jus a sua descrição de menina popular e, provavelmente, patricinha.
    Não seria um livro que eu leria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto de Disney digamos assim haha, mas é que esse ficou só no comum e não conseguiu deixar esse comum especial entende? Faltou magia na relação.

      Excluir
    2. Sim, eu entendo. Eu gosto dos filmes da Disney também. Adorei OZ - Mágico e poderoso, Alice no país das maravilhas, amo o Diário da Princesa. Mas esses filmes de colegiais populares que se apaixonam pelo nerd, ou a garota sem graça são tão óbvios! E eu detesto histórias óbvias. Gosto do suspense quando mexe com a nossa imaginação e nos faz imaginar o oposto do que está realmente acontecendo.

      Excluir
  2. Não conhecia esse livro, mas pela descrição acho que não leria. Eu até gosto de clichês, mas acho que isso de namoro de mentira já está muito batido e cara eu não suporto ler coisa que eu não consigo visualizar na vida real como alguém pedido para você namorá-la de mentirinha. Concordo com você quanto a capa kkk

    Abraços, Raquel.
    Viajando com Livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até acho que exista quem peça, mas eu espero mais de relacionamentos do que o demonstrado no livro. kk.

      Excluir
  3. Também não gostei miuto da sinopse nem da capa.
    Gostei da sua resenha, bem sincera (:

    beijos

    http://tamigarotaindecisa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. O típico livro clichê, mas vamos lá, ainda sim eu fiquei curiosa pq no geral adoro clichês. A capa é bem sem graça mesmo, parece uma montagem feita no paint, mas enfim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tinha ligado ao paint, mas agora eu ri.

      Excluir
  5. Eu não tenho problema com clichês, em geral.
    Até pq se são clichês é pq deram certo...
    Mas, esse livro realmente parece ser tãããão clichê
    que não dá nem vontade de começar a ler uma estória
    onde vc já sabe como será o começo, meio e fim...
    A resenha tb foi bem desestimulante haha
    Obrigada pela sinceridade!
    Assim nem perco meu precioso tempinho ;)))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que pode usar o tempo para ler um livro melhor, haha.

      Excluir
  6. Nossa, eu também não gostei do livro. A capa ficou muito a desejar e a história é realmente fraca.

    ResponderExcluir
  7. Entendo completamente o que quer dizer, flor... Comecei a ler esse livro e depois parei. Não desisti dele, mas simplesmente não estava com vontade de continuá-lo. Está lá, paradinho aguardando (rs). Farei como você disse, lerei entre os livros, quando não tiver muito o que escolher – o que é bastante difícil, rs.
    Adoro clichês também, mas precisam ser trabalhados, no mínimo, de um jeito que mantenha a sua atenção. ^^ No caso deste livro, não gostei de nenhum personagem. Não me vinculei a eles. :/ Triste.

    ResponderExcluir