segunda-feira, 3 de junho de 2013

Batalhas do Novo Mundo #06

Capitulo anterior


Livro 1 - Conspiração
Arco I - Vilarejo Konjii
Cap. 06 - Verdadeiro Poder


Florestas Vermelhas, décima hora do breu.
-Por anos imaginávamos que o poder estava na união entre humanos e monstros, mas estávamos errados. -falava a criatura- Monstros e feras são apenas instrumentos para algo maior, para nós humanos. Nós é que temos a capacidade de pensar e utilizar este incrível poder. E ele me mostrou isso, o pai do Poder, ele me mostrou que eu posso ser maior que tudo isso, só preciso pegar para mim o poder.
Vëon já tinha ouvido falar sobre a transformação em animal, mas não uma transformação tão perfeita e poderosa, aquilo ia além da compreensão mundana. A situação não estava nem um pouco favorável ao grupo, Jacques não estava preparado para esse combate e Morn estava gravemente ferido. Ele precisava de tempo.
-Quem é esse tal "pai do poder"? -perguntou Gwenh
-Vocês não sabem, na verdade ninguém sabe. Ou simplesmente não lembram. -berrou a fera- Mas ele vai voltar, ele já esta se preparando. Seus primeiros filhos já sentiram, e estão se movimentando. Agora ele esta preparando seu exército para quando os outros vierem pedir a ajuda dele contra a tempestade. E nesse momento todos saberão quem ele é.
-Tempestade? -berrou Morn- Você esta falando da Tormenta? Não existe no mundo nada capaz de enfrentar a Tormenta, dizem que nem mesmo os deuses podem com ela...
-Eles não têm Poder. -a fera já parecia bastante irritada- Mas meu senhor tem poder, ele criou o poder. Ele é o pai dos...
De repente um raio cortou o céu e caiu próximo a clareira. Por um momento a criatura hesitou e voltou atrás em suas palavras.
-Não tenho muito tempo. Vou acabar com vocês e destruir esse vilarejo que me traiu.
Dito isso, a fera partiu em direção a Gwenh, mas o elfo conseguiu se esquivar de maneira rápida. Na mesma velocidade ele tentou um contra ataque, mas o monstro desapareceu na frente de seus olhos, para segundos após acerta-lo um violento golpe nas costas que o arremessou longe. Jacques correu em direção ao elfo, mas foi bloqueado pelo monstro. Ele tentou sacar sua adaga, mas as garras do lobisomem perfuraram seu abdômen e deixaram o ladino as portas da morte.
A fera levantou sua garra, preparando um golpe final no indefeso humano, mas foi obrigado a desviar do machado arremessado por Morn. O meio orc ainda estava ferido de seu ultimo combate, e levantou com bastante dificuldade.
-Vamos terminar com isso de uma vez. -falou o meio orc enquanto se inclinava para frente. De repente ele começou a urrar, e seu corpo aumentou a ponto que sua túnica rasgou. Seus músculos aumentaram de maneira exorbitante, e o chão afundou sobre seus pés.
-Modo de Fúria? -pensou Vëon- Não imaginei que ele fosse capaz disso, talvez tenhamos alguma chance.
Neste momento o lobo partiu em direção a Morn, com o intuito de evitar a transformação total do orc, mas duas bolas de fogo impediram seu avanço. Antes que pudesse pensar, uma poderosa mão acertou sua cabeça com o peso de uma bigorna. Novamente duas bolas de fogo acertaram o corpo da fera que não conseguia se levantar. Outro soco de Morn quase fez o monstro perder os sentidos.
-Impossível. -berrou a fera- Não deveria existir nada mais poderoso que o meu poder.
Rapidamente a fera se atirou para o lado e começou a correr em direção à floresta numa fuga desesperada, porém ela parou, como se algo a impedisse de correr. Seu corpo começou a encolher e suas garras adquiriram o formato de mãos humanas.
-Não senhor, não me abandone. Eu não irei fugir da batalha meu senhor, por favor, não tire o meu poder. -gritava desesperado- Já sei, eu vou derrota-los com esse resto de poder e irei provar que posso fazer parte do seu exército.
Ele puxou sua espada e partiu em direção a Morn. O meio orc não teve dificuldade em esquivar do ataque desesperado, e com um soco na cabeça imobilizou o fraco humano, que caiu desacordado.
-Pobre humano, não conseguiu aguentar o poder que tinha. -disse Morn, já voltando ao normal.
-Estou preocupado com esse tal "senhor do poder" de quem ele tanto falou. -disse Vëon
-Rápido, me ajudem aqui. -gritou uma voz atrás deles, era Gwenh que estava próximo ao corpo de Jacques- O ferimento dele foi feio, você sabe alguma magia de cura?
-Não, eu não fazia parte da equipe medica da academia. -respondeu preocupado o feiticeiro
-Que decepção feiticeiro. -zombou Morn- Eu sei, mas não é o suficiente pra salvar a vida dele, posso apenas dar algumas horas de vida a mais para ele.
Enquanto o orc cuidava dos ferimentos de Jacques, Vëon aproveitou para investigar a clareira. As tochas tinham vários símbolos que ele não conhecia, e algumas palavras em draconico.
-Será que esse tal senhor é na verdade um Dragão? Por via das duvidas vou levar algumas dessas bandeiras para a academia. -pensou o gênio.
Logo após ele entrou na barraca dourada e se espantou com o que viu. Dentro da barraca havia livros, mapas e encantamentos, tudo escrito em draconico. Livros raros, alguns deles falando sobre Os Rubis da Virtude e a traição de Sszaass, outros contavam a lenda da Revolta dos Três e a Estatua de Valkaria. Livros que nem mesmo a academia arcana possuía. Os mapas eram das mais diversas áreas de Arton e em diversas épocas, desde o mapa da extinta cidade élfica de Lenórienn e até mesmo das atuais áreas de Tormenta. Estaria mesmo o tal "pai do poder" interessado em enfrentar a Tormenta?
Embaixo da estante ele encontrou um baú de ouro trancado, mas para um feiticeiro isso era fácil de resolver. Dentro do baú havia vários pergaminhos, todos eles com aquele mesmo símbolo estranho, mas não estavam em draconico. Aparentemente cartas que o líder dos cultistas recebeu. Uma destas cartas chamou a atenção de Vëon:

"Você procura por vingança, eu posso lhe dar o poder para isso.
Esqueça os monstros de Megalok e siga a mim.
Eu criei o poder, os monstros de Megalok são poderosos graças a mim.
Você pode ter esse poder, e só pega-lo e usar a meu favor.
Eu também tenho minha vingança contra aqueles que eu considerava meus irmãos e que viraram as costas para mim.
Para isso estou reunindo o exercito mais poderoso de todos.
Nem os deuses poderão contra o meu exercito.
E quando a tempestade dominar tudo será o nosso exercito que os deuses irão chamar.
Meus cinco filhos já estão me esperando, e serão meus generais em nossa busca por poder.
Eu só preciso que o seu grupo encontre e reúna os Rubis da Virtude, eles serão importantes em nosso plano.

Kally


Seria possível mesmo, esse tal Kally queria realmente enfrentar a Tormenta e os deuses?

Continua...
___________________________________

N/R: Bom pessoal. Penultimo capitulo do arco para vocês. 
Alguns leitores estão pedido uma descrição dos personagens, então vou tentar falar um pouco deles, sem que revele muito. :P

Jacques é um humano normal, tem 17 anos e sonha em se tornar um aventureiro famoso como seu heroi, o grande Leon Galtran. Logo após seu aniversario o jovem saiu de casa em busca de sua primeira aventura, mas poucos contratam um garoto magricela como ele. Quando já estava quase desistindo da vida de ladino e voltando para casa, a carta do conde Brins apareceu como uma nova chance.

Vëon é um prodigio. O jovem qareen tem apenas 32 anos (para uma raça que vive 200 anos ele é bem novo), e mesmo assim já é um dos lideres de setores da Academia Arcana, mais precisamente da area de monstros. Uma grande expectativa se criou em cima de sua força, o que tornou o genio um ser nenhum pouco modesto. Grande devoto de Wynna, Vëon nutre certo desprezo pelos demais deuses, fato que so aumenta sua antipatia.

Morn é o oposto de Vëon. O meio-orc é filho de uma humana que foi violentada por um orc durante a grande guerra da Aliança Negra. Desprezado pelas duas raças, Morn aprendeu a se virar sozinho desde cedo, o que o tornou um excelente mercenario, dominando até mesmo a leitura humana e algumas magias de cura. Por tras de sua cara feia esta um incrivel sentimento de justiça. Por mais que as vezes demonstre uma certa "predileção" pelo deus Ragnar, o orc não concorda com as filosofias do deus da morte. Ou talvez seja seu passado que não o deixa acreditar na "bondade" dos deuses.

Por ultimo temos o elfo Gwenhwyfar, ou apenas Gwenh. Alto demais para sua especie (quase 1,85m), muitos acreditam que seja um mestiço. Mas não, ele é um dos raros puro-sangue que ainda existem espalhados pelo reinado. Nascido ainda na lendaria cidade de Lenórienn, Gwenh assistiu a queda da deusa diante dos pés do General Ironfist. Expulso de seu lar junto com os outros elfos, ele nutriu um certo odio pela fraqueza, principalmente a fraqueza vinda dos deuses ("como podem ser deuses se são fracos" disse certa vez). Seu cabelo loiro é outro ponto que intriga quem o conhece, pois apenas os filhos diretos da antiga familia imperial tinham mechas cor de ouro. Afinal, quem é esse elfo??

Bom, acho que minhas explicações apenas aumentaram a curiosidade de vocês. :P

Semana que vem é o ultimo capitulo deste arco.

Até

10 comentários:

  1. Novamente muito bom esse 'episódio'...o Fight ta rolando solto já...
    Gostei bastante dessas descrições finais, que dá pra ter uma ideia de como são cada um pra você..eu mesmo não imaginava Gwenh tão alto para um elfo e nem mesmo Vëon tão jovem para ser tão reconhecido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Vou te ser sincero.
    Essa historia e baseada em uma campanha de RPG que mestrei para um grupo de amigos.
    Cada um dos personagens é um dos meus amigos. Tanto que quando escrevo o rascunho do capitulo eu utilizo o nome deles ao inves dos personagens.

    Para esse resumo eu precisei pedir ajuda dos meus amigos para descrever seus personagens. :P

    Uma curiosidade, esse arco do Vilarejo Konjii nós jogamos ele inteiro em apenas 3 horas.
    Escrito, o arco levou 7 capitulos. hahahahaha

    ResponderExcluir
  3. Adorei a reta final desse arco e também da N/R, só me deixaram mais curiosa ainda, principalmente sobre Gwenh, Kally e sobre o futuro de Jacques!
    Nunca percebi que Vëon era tão antipático...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Principalmente no capitulo 1 da parta notar essa "soberba" dele.

      O proximo capitulo terá uma mudança interessante na historia :P

      Excluir
    2. Como assim antipático??? Ele é foda, pessoas fodas são fodas, não tem nada de antipatia nele não, ele é bolado.

      Excluir
    3. "Pessoas fodas são fodas." Melhor definição de um ser fodastico. hahahahahaha

      Excluir
  4. Adorei o Morn resolvendo tudo quando todos contavam com ele fora do jogo.
    Duvido que Jacques morra, mas estou indo lá ler o próximo.
    Pelo tanto que Vëon deveria fazer, ele fez pouco neh.
    Vou lá pro próximo que vi que você já colocou. =)
    Ainda me sinto um pouco perdida com os nomes, tinha me acostumado com os outros.

    ResponderExcluir
  5. Estou meeeio perdido aqui com tantos acontecimentos. Gostei da sua escrita. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  6. Eba mais um capitulo para alegrar meu dia, cada dia que passa me encanto mais.

    ResponderExcluir