quinta-feira, 2 de maio de 2013

Trechos De Um Livro... - O Teorema Katherine.

O Teorema Katherine

Colin estacionou numa parada de beira de estrada perto de Paducah, no Kentucky, por volta das três da madrugada, baixou o encosto do banco até espremer as pernas de Hassan contra o assento traseiro e dormiu. Acordou umas quatro horas depois — Hassan o chutava pelo encosto.

— Kafir, estou paralisado aqui atrás. Levante essa merda desse encosto. Eu preciso rezar.

Colin estivera sonhando com seus melhores momentos junto de Katherine. Estendeu o braço
para baixo e puxou a alavanca, o encosto pulando para a frente num tranco.

— Fug — disse Hassan. — Será que alguma coisa morreu na minha garganta ontem à noite?

— Humm, eu estou dormindo.

— Porque minha boca está com gosto de caixão destampado. Você trouxe pasta de dente?

— Existe uma palavra para isso, na verdade. Fetor hepaticus. Acontece nos estágios avançados de…

— Isso não é interessante — falou Hassan, que era o que ele dizia sempre que Colin saía por
uma tangente aleatória. — Pasta de dente?

— Na nécessaire dentro da bolsa de viagem na mala do carro — respondeu Colin.

Hassan saiu e bateu a porta, e alguns minutos depois fechou a mala do carro com um estrondo. Colin esfregou os olhos e achou que era melhor acordar de uma vez. Enquanto Hassan ajoelhava no chão de cimento do lado de fora, virado para Meca, Colin foi ao banheiro.

(Alguém tinha pichado na porta do reservado: LIGUE-ME PARA CHUPETA. Colin ficou se perguntando se a pessoa estava oferecendo um boquete ou uma carga elétrica na bateria e, pela primeira vez desde que ficara deitado e imóvel no carpete do quarto, entregou-se a sua maior paixão: Ligue-me para chupeta; Um tal pica-pau herege.)

Ele saiu andando no calor do Kentucky e se sentou a uma mesa de piquenique de frente para Hassan, que parecia estar agredindo a mesa com o canivete preso no chaveiro.

— O que você está fazendo? — Colin dobrou os braços em cima da mesa e baixou a cabeça.

— Bom, enquanto você estava no banheiro, eu me sentei nesta mesa de piquenique aqui no Cu do Mundo, Kentucky, e reparei que alguém tinha entalhado DEUS ODEIA GUEI, o que, além de ser um pesadelo ortográfico, é absolutamente ridículo. Então estou mudando isso para “Deus odeia baguetes”. É muito difícil discordar disso. Todo mundo odeia baguetes.

— J’aime les baguettes — murmurou Colin.

7 comentários:

  1. Então eu li um livro desse autor e gostei muito, quero ler esse em breve assim que conseguir esvaziar um pouco minha lista de livros não lidos da minha estante rsrs

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Estou com tanta vontade de ler esse livro. Sério, dizem que é maravilhoso! Só não li muitas resenhas porque aconteceu o caso de eu ler muitas resenhas de A Culpa é das Estrelas e ficar bastante exaustivo. Resultado: eu não ter mais interesse em ler o livro como antes. Mas, o Teorema Katherine certamente tenho bastante interesse. E pelo o que vi nesse trecho, a escrita do autor é verdadeiramente muito boa ! ;)

    PS: Adoro essa coluna "Trechos de Um Livro", sério mesmo :)
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adorei A culpa é das estrelas.
      Quero ler Theorema Katherine, mas admito que tenho três livros que necessito comprar antes.

      PS: Obrigada! *-*

      Excluir
  3. HAHAHAHA, nunca tinha ouvido falar desse livro, nem sei exatamente o gênero, mas achei muito engraçado toda essa parte que você postou...Se o livro tiver mais humor desse tipo, com certeza é um livro bom.

    ResponderExcluir
  4. quero tanto ler esse livro, vejo tanta gente falando bem dele, ele parece ser muito engraçado, eu acho capa tão linda *-*

    ResponderExcluir
  5. Vejo muita gente falando sobre esse livro e sobre o autor por causa de A Culpa É Das Estrela, só que ainda não me interessei por eles. Mas tenho que confessar: esse trecho me deixou querendo ler mais...

    ResponderExcluir