quinta-feira, 18 de abril de 2013

Trechos De Um Livro... - Broken Soup.

Broken Soup

  Havia livros de fotografias no peitoril da janela. Enquanto eu estava esperando ao seu redor, peguei um e comecei a olhar, as fotos em sua maioria eram antigas. Uma delas foi a primeira foto tirada, há mais de 150 anos, por um francês chamado Daguerre. Ela disse que naqueles dias havia enormes placas de câmeras e todos tinham que ficar quietos durante muito tempo se quisessem que a foto pudesse sair. Tinham aqueles tripés que fixam na câmera fotográfica, se não quisesse nada mais do que um efeito de borrão.

  A foto que ela me mostrou não era um retrato ou não era este o propósito de qualquer modo. Daguerre apontou a câmera para rua onde sempre viveu. Era uma rua movimentada de Paris, havia gente em todas as partes, exceto na foto, como fantasmas em um espelho. As duas únicas pessoas na imagem, só os seres vivos entre todos os fantasmas, é um homem que lustrava os sapatos de um menino. Apenas que haviam estado em um lugar tempo suficiente para se transformar em real.

  Eu amei esta imagem. Olhei para elas, as duas pessoas borradas e ela me disse que às vezes as pessoas são lembradas e apreciadas, mesmo quando não fizeram nada heroico ou extraordinário, sem saber que alguém está olhando-os.

  As coisas que Bee tirou de diversos armários foram: um grande tipo de microscópio, uma lâmpada vermelha, três bandejas do tipo para servir frango assado, fita adesiva, duas pinças e um par de garrafas com liquido negro.

  Bee organizava estas coisas por todo o cômodo e ainda assim, todo o tempo ela estava falando comigo, trocou a lâmpada pela lâmpada vermelha que agora pendia do teto nu. Quando acendeu a luz, tudo se transformou em suaves tons vermelhos. Assim como a parte branca dos olhos de Bee que se transformaram em uma cor vermelha, como seu cabelo, seus lábios e sua pele.

  Ela disse: — Onde está o negativo?

  Eu estava procurando em minha bolsa e o entreguei. Ela o colocou na parte de cima do grande microscópio que havia equilibrado em um pedaço de madeira encima da pia. Depois, o negativo brilhou.

  Bee foi calibrando até que o enquadramento ficasse perfeito. Eu deveria ter reconhecido algo nesse momento, mas não fiz.

  — Está tão danificado. — ela disse. — Não vamos conseguir eliminar os riscos do tempo.

  Era a única fonte de luz branca no cômodo. Ela foi adaptando as coisas com o que a imagem entrava e saia, então, um minuto depois uma imagem nebulosa emergiu, como uma aparição, como o fantasma em uma foto ou a foto de um fantasma.

8 comentários:

  1. Linda capa... Tem sinopse desse livro??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim...

      Quinze anos depois e Rowan ainda está se adaptando à vida após a morte de seu irmão mais velho. O pai dela é apenas uma presença ocasional, e sua mãe está na cama o dia todo em uma névoa de dor, o que deixa Rowan para cuidar de sua irmã mais nova, Stroma. Rowan é ocupada demais para chorar, até que um dia um garoto estranho coloca nas mãos dela um negativo, diz ele que caiu de sua bolsa. Com sua amiga Bee novo (que é um pouco enigmática ela mesma), Rowan desenvolve o negativo e encontra uma fotografia sincero de seu irmão.

      Excluir
  2. Parece legal e interessante a história desse livro! Nem fazia ideia da existência dele! Depois vou dá uma procurada rápida por ele! :)

    ResponderExcluir
  3. Muito legal esse detalhe do negativo, sempre quis revelar uma foto com aquela luzinha vermelha e tudo mais, mas o livro parece ser um pouco triste!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, parece triste mesmo.
      Eu também quero, me leva junto quando for fazer isso. ssaushauhsua.

      Excluir
  4. Eu curti a sinopse, a capa parece combinar com a estoria,mas...essa fonte colorida ficou muito feia,o livro parece que é uma coisa mais 'seria' e essa fonte ficou zuada :/ mas parece uma boa estoria.

    ResponderExcluir