terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Resenha Lua Nova.

Lua Nova 

Autor: Stephenie Meyer.
Editora: Intrínseca.
Numero de páginas: 320.

Esse é meu livro do choro, você quer me ver chorar é me dar Lua Nova para ler, nem sei explica direito o porque, mas é tão triste quando Ed deixa a Bella, muito triste.
Bem, como já falei acima Edward deixa a Bella nesse livro, pois no aniversário dela se corta com um papel de presente e acaba que Jasper fica doido pelo sangue dela, como sabem Edward é todo certinho e resolve se afastar para Bella ter uma chance de viver normal.
Passam meses e finalmente Charlie se cansa de ver Bella mal e diz que se ela não começar a ficar melhor vai ir morar com a mãe, Bella não quer deixar a cidade e marca de sair com Jéssica.
Nesse dia ela descobre que quando está em perigo consegue ver e ouvir Edward perfeitamente, assim quer estar em perigo, nisso acaba comprando motos e indo pedir para Jacob consertar.
Acontece que quando ela está com Jacob é quase como se ela tivesse inteira, mas algo acontece com Jake e agora ele a afasta também.
Mesmo que todo mundo saiba o que acontece eu não vou falar aqui, vai que alguém não leu?
Eu adoro Lua Nova, mesmo que tenha pouco Edward nela, é meu livro de quando eu estou bad, a mesma coisa se enquadra o filme.

Personagens
Bella: dizem que ela é sonsa, eu não acho, ela é uma garota basicamente normal, não é aquilo: Bella pode lutar contra um vampiro, não existe no livro aquilo de cruzes nem nada.
Edward: eu adoro o Edward e sou team Ed e sim adoro o Robert representando ele nas telonas, gosto da maneira certinha e meio careta do Ed de ser.
Alice: adoro a Alice e acho que basicamente todo mundo também, com seu vicio por moda e sua energia.
Jasper: Jasper é o que tem a história mais triste talvez, fui adorar o Jasper mesmo quando escrevi uma fic Alice/Jasper.
Rosalie: adoro ela, seu mau humor e reclamações.
Emmett: ♥ Emmett é perfeito, brincalhão e intenso.
Jacob: eu parei de implicar com o Jacob quando terminou os livros, agora eu consigo ver que ele é um bom amigo.
Charlie: as melhores tiradas ficam pelo pai da Bella, Charlie tem umas que é uma comédia.

Escrita: Meyer continuando escrevendo na mesma linha de Crepúsculo, ou seja, se gostou do primeiro vai continuar gostando deste.

Capa: acho muito bonita a capa, mas também quebro minha cabeça para descobrir o que tem a ver.

Enredo: esse livro é triste, acho que todo mundo já teve seu coração destruído e sabe como é, é assim que Bella se sente e depois tem a amizade toda com Jake que se estrutura muito bem nesse livro.

Classificação: 10/10.




Eu não tinha certeza do que diabos eu estava fazendo aqui. Será que eu estava tentando me jogar de volta naquele torpor de zumbi? Eu virei masoquista - desenvolvi um gosto pela tortura? Eu devia ter ido direto pra La Push onde eu me sentia muito, muito mais saudável perto de Jacob. Essa não era uma coisa saudável a fazer.
Mas eu continuei a dirigir lentamente pela rua coberta de vegetação, virando entre as árvores que se contorciam por cima de mim como um túnel verde, vivo. Minhas mãos estavam tremendo, então eu apertei elas no volante.
Eu sabia que parte pra eu estar fazendo isso era o pesadelo, agora que eu estava realmente acordada, o nada do sonho roía meus nervos, como um cão roendo um osso.
Havia uma coisa pra procurar. Inacessível e impossível, sem se importar e distraído... mas ele estava lá, em algum lugar. Eu tinha que acreditar nisso.
A outra parte era a estranha sensação de repetição que eu senti no meu dia na escola hoje, a coincidência da data. O sentimento de que eu estava recomeçando - talvez do jeito como o meu dia primeiro teria sido se eu realmente fosse a pessoa mais incomum na cafeteria naquela tarde.
As palavras corriam na minha cabeça, sem som, como se eu estivesse lendo elas ao invés de ouvi-las.
Será como se eu nunca tivesse existido.
Eu estava mentindo pra mim mesma quando dividi o meu motivo pra vir aqui em duas partes. Eu não queria admitir a minha motivação mais forte. Porque eu estava mentalmente deteriorada.



Nenhum comentário:

Postar um comentário