sábado, 4 de agosto de 2012

Resenha Cinquenta Tons De Cinza.



Título: Cinquenta Tons de Cinza.
Autor: E. L. James.
Editora: Intrínseca.
Numero De Páginas: 455.
Ano de Lançamento: 2012.

Sinopse:
Quando Anastásia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja - mas em seus próprios termos. Chocada e ao mesmo tempo seduzida pelas estranhas preferências de Grey, Ana hesita. Por trás da fachada de sucesso - os negócios multinacionais, a vasta fortuna, a amada família -, Grey é um homem atormentado por demônios do passado e consumido pela necessidade de controle. Quando eles embarcam num apaixonado e sensual caso de amor, Ana não só descobre mais sobre seus próprios desejos, como também sobre os segredos obscuros que Grey tenta manter escondidos...

Opinião:

Como vocês sabem, eu pirei muito até esse livro chegar, devido a ter sido comentado em todos os sites literários basicamente, sendo que ele chegou dia 31/07/2012, um dia antes de ser liberado para venda. Adoro o fato de o pessoal da transportadora já me conhecer, rsrs, também eles não tem como de tanto que eu ligo os incomodando.
Quando Anastasia Steele concorda em fazer a entrevista em lugar de sua amiga Kate não sabe o que vai encontrar atrás daquela porta, depois da situação bem constrangedora que ela passa ao conhecer Christian Grey, sendo que ela literalmente caiu na frente dele e perguntou se ele era gay, ela espera nunca mais encontra-lo.
Mas isso não é o que o senhor Grey espera, e ele tende a conseguir o que deseja. No começo, Ana acha que encontrou um cavalheiro dos contos de fadas, mas logo percebe que Christian tem vários tons, no caso Cinquenta Tons.
Pode passar de um jeito brincalhão ao seu eterno estilo dominador em segundos, e é exatamente isso que ele é: um dominador. Ele apresenta esse mundo a Anastasia e ela tem a escolha: ou fica com ele e o mundo dele ou não o tem.
Mas como Anastasia é virgem, isso pega Christian totalmente de surpresa. Como ela pode escolher virar submissa dele sem nem ter uma ideia do que a espera? Isso faz com que ele tenha a “missão” de acabar com esse problema e imagino que seja nesse ponto que as coisas fiquem bem tensas, pois, Ana quer mais dessa relação do que só Dominação e Submissão, e Christian nunca passou por outro tipo de relacionamento que não esse.
O livro tem poucas partes em que os dois não estão juntos, e nessas partes eu já ficava querendo: “eles juntos logo vai!”. Você é totalmente arrebatado pelo relacionamento dos dois, as duvidas da Ana e os Cinquentas Tons do Grey.
Logo eu entendi o porquê desse livro ter salvado muitos casamentos nos Estados Unidos. Ele te deixa querendo ter um Grey do lado com aquela pegada, e imagino que as esposas tiveram que se conformar em fazer o melhor com os maridos, rsrs…
Claro que não posso falar desse livro sem falar do… Quarto vermelho da dor, que é o apelido que Ana da para o quarto que Christian tem onde depois que ela entra, é a submissa dele.
O que encanta mais no livro é querer descobrir mais sobre o Christian, você sabe que ele passou por coisas terríveis, mais não sabe o que, e acaba descobrindo muito pouco nesse livro. Acho, pela descrição do próximo, que é nele que vamos descobrir mais.
Alias que malvadez da editora! Nas últimas paginas nos deixar ler o primeiro capitulo de Cinquenta Tons Mais Escuros! Eu estou pirando para ter esse livro logo, e ainda tenho que esperar até dia 15 de setembro.
Temos também um contrato, que no decorrer do livro é muito discutido, onde tem varias coisas, desde a depilação da Anastasia até os limites rígidos (o que eles não querem que faça).
Eu aprendi o que é um planador, eu não sabia juro! Christian além de tocar piano, saber de arte, saber tudo de musica, gosta de planar e sabe pilotar helicóptero.
Para quem sabe que a autora começou essa história como uma fic de Crepúsculo, percebe exatamente quem é cada personagem. Embora Ana pareça uma garota normal e desastrada, é mais ativa que a Bella, acho.
Anastasia : Bella.
Christian: Edward.
Kate: Rosalie.
Elliot: Emmet.
José: Jacob.
Grace: Esme.
Mia: Alice.
Carrick: Carlisle.
Pelo menos eu acho que é assim, foi o que deu para eu perceber; E tenho que comentar que eu quis muito socar o José algumas vezes por ser tão empata prazer!
É claro que antes de ler você tem que ter noção que era uma fic, pois ela continua parecendo fic, como eu adoro fanfics isso não foi um problema. E lembrem-se é um livro, não Christian Grey por ai.

“Parado de novo a minha frente, ele engancha os dedos na minha calcinha e a abaixa sem a menor pressa, despindo-me dela com uma lentindão de doer, até terminar ajoelhado diante de mim. Sem desgrudar os olhos dos meus, amassa a calcinha, leva-a ao nariz e inspira profundamente. Puta merda. Ele acabou de fazer isso mesmo? Sorri com malícia para mim e mete a calcinha no bolso da calça.”



5 comentários:

  1. Ahhhhhhhhhhhhhhh amei sua resenha Cah *---* Da até vontade de ler *----* Ta perfect! <333

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente a resenha está muito boa, dá uma pitada de vontade de ler.

      Excluir
  2. Gostei MUITO da resenha... estamos em dezembro e eu ainda nao li esse livro!!!!! mas tudo bem, ele está na minha lista de livros pra ler e comprar, que a cada post q eu leio aqui, tá aumentando, HEHEHE!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu não gostei muito desse livro, mas adorei saber quem é quem. Nunca imaginava que a Kate é a Rosalie. KK

    ResponderExcluir
  4. Chato. Isso resume o que eu sinto por este livro. hahaha
    O último é o menos chato.

    ResponderExcluir