terça-feira, 27 de junho de 2017

Sorteio 1 Ano do Blog Uma Mãe Leitora.




Olá! Um ano atrás surgia o blog Uma Mãe Leitora; na época com o nome Confissões de uma mãe leitora. Ao longo desse ano, o blog passou por  várias mudanças, a mais importante no nome mais curtinho e agradável. 

E claro que não poderíamos deixar de nos juntar ao blog nessa festa. Para comemorar, vamos sortear 23 livros para 6 leitores sortudos. 

Confere as regrinhas e participe!

Continue Lendo

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Sorteio de 2 Anos do Cantinho Cult.

Olá.
O Cantinho Cult se juntou a outros 39 blogs, autores e editoras, incluindo o Fantastic Books, para fazer esse sorteio para vocês e dividir a alegria dessa data tão especial. São ao todo 40 livros, muitos marcadores e um Kit Blogueiro exclusivo com Layout Personalizado (a escolha do ganhador), arte de marcador, capa para as redes sociais e um mídia kit exclusivo! Vamos então ao que interessa?
Continue Lendo

sábado, 3 de junho de 2017

Resenha Quando Falta Ar de Ana Cardoso.




Título: Quando Falta Ar.
Autora: Ana Cardoso.
Editora: Belas Letras

Ano de Lançamento: 2016.
Número de Páginas: 96.

Cortesia da editora.


Sinopse: Quem conhece a Associação De Peito Aberto e convive com todas as crianças não imagina nem um centésimo de tudo que suas famílias, e principalmente suas mães, passaram nos últimos anos. Na APA elas brincam, são atendidas por fisioterapeutas, têm auxílio pedagógico, psicológico e muito carinho. Os personagens deste livro são crianças pobres vindas de todos os cantos do Rio Grande do Sul que sofrem com problemas respiratórios, são atendidas pelo Sistema Único de Saúde e apoiadas pela APA e por pessoas que muitas vezes nem as conhecem, mas ajudam com doações. Falta ar, mas sobra amor em uma entidade criada por um médico para atender crianças pobres. Toda a renda deste livro é destinada a manter o projeto vivo.

Opinião:

Esse livro é um pouco diferente do que estamos acostumados a ler: ele é a união de alguns autores e vários contos individuais onde podemos ver a história de crianças com inúmeros problemas respiratórios.

Todas essas crianças são auxiliadas pela APA (Associação de Peito Aberto), eles prestam apoio com acompanhamento pedagógico, psicológico, nutricional e claro muito carinho. Acompanhando as histórias lidamos com dificuldades, como a falta de dinheiro para conseguir os tratamentos necessários e também para o próprio sustento, afinal de conta são crianças pobres vindas de todos os lugares do Rio Grande do Sul e atendidas pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Contudo, também vemos muita alegria e superação e realmente acreditamos em um futuro melhor.

Cheguei a um impasse, pois não sei como fazer um resuminho da história para vocês, visto que são muitas, então fui no escurinho e abri o livro ao acaso para ver qual história narrar.

Essa foi escrita por Marcos Piangers - Ela fala sobre Greyce Helen Furtado Sander. O problema dela começou antes mesmo de nascer, sua primeira cirurgia foi 5 dias após nascer, pois ela tinha um problema de coração, então precisava implantar um marca passo. Quando ela tinha três anos precisou operar novamente e assim sucederam-se mais 3 cirurgias, para manutenção do marca passo. Entre essas idas e vindas ao hospital começou uma tosse, ela tomava remédio a tosse cedia, parava a tosse voltava. Foram tantos nomes, tuberculose, bronquite, pneumonia, mas algumas manchas apareceram no pulmão e começaram as injeções. Hoje ela tem uma vida normal, adora escola, mas gosta mesmo é de estar correndo, tem o sonho de viajar para o exterior e projetar games.

Bom para quem não conhece o clima do Rio Grande do Sul, ele é um veneno para quem tem problemas respiratórios, e falo por experiência própria, escolhi esse livro dentre muitos, porque eu mesma já passei por situações onde me vi sendo levada as pressas ao hospital para fazer nebulização ou tomar muitas injeções para o tratamento da asma e bronquite. Sempre tive o kit de viajem, antialérgico, bombinha, remédio para o nariz, sei o quanto é difícil lutar contra essas doenças não tão silenciosas, pois sempre tinha um chiadinho no fundo da respiração.

Tomara que vocês gostem desse livro, eu me identifiquei muito em função de sentir na pele alguns sintomas e algumas experiencias. E quem puder adquirir essa obra para ajudar o tratamento dessas crianças, seria muito bacana. O livro conta com fotos de alguns personagens, as páginas são amarelas, a leitura é muito rápida e cada criança tem um título muito especial em suas histórias. 



"Katiele de Oliveira Macedo usa óculos de grau com armação cor-de-rosa, tem 4 anos e fala apenas com os olhos quando sorri. Foi uma filha desejada, caçula de uma irmã e dois irmãos. Ao nascer, fez a mãe desaprender o que é sentir medo."
"Que a vida é cheia de encontros e desencontros, eu ja sabia, ou devia saber. Mas não adianta saber isso em abstrato, porque é nas pessoas e nas histórias concretas que a gente enxerga isso." 
De algum lugar saiu esse projeto, do canto de um cérebro repleto de sinapses, de um coração bem grande, com espaço para muita gente, veio a semente. Hoje a associação de peito aberto é uma árvore. Diversos profissionais atendem uma média de 100 crianças por mês. Levam seiva e transformam dificuldades e limitações em ar, vida e sorrisos.

Clique na imagem para aumentá-la.
Continue Lendo

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Resenha O Espírito da Ilha de Rodrigo Caiado.





Título: O Espírito da Ilha.
Autor: Rodrigo Caiado.
Editora: Chiado.
Número de páginas: 228.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia do autor.

Sinopse:
Tudo acontece quando o personagem Pedro, constantemente acometido pela insônia escolhe como entretenimento uma partida de xadrez, representando a disputa por meio de dois oponentes imaginários: Alberto, um falecido amigo seu, jogando com as brancas e Kasparikov, o maior campeão mundial de todos os tempos, com as pretas. Nessas ocasiões, Pedro nunca se esquecia de levar com ele um velho manuscrito que simbolizava um projeto inacabado, com as estórias de relatos fascinantes sobre uma misteriosa e fascinante ilha, reproduzidas por seu falecido amigo Alberto, a partir das revelações inéditas de outros amigos pescadores que Pedro já não via há várias décadas. Porém, com o transcurso da partida, ele se viu forçado a tomar uma decisão imediata que consistia em concluir o manuscrito ou destruí-lo. Assaltado pela dúvida, Pedro resolveu condicionar a decisão ao resultado da partida de xadrez e isso foi determinante para que ele fosse o único a descobrir em apenas uma noite todos os mistérios que se escondiam por traz das estórias fantásticas dos pescadores. 

Opinião:

Primeiramente, quero me desculpar pela demora em entregar esta resenha. Mas sabe aquela leitura que até pegar o ritmo demora? Contudo, depois que desenrola a história, passamos a ficar curiosos com os acontecimentos? Essa é uma delas. No primeiro momento até pensei que não estava entendendo a história, que tinha me perdido, mas não, é algo surreal que acontece mesmo. Não vou contar tudo, vou contar só um pouco, mas esse pouco já é surpreendente. 

Tudo começa em uma noite de insônia de Pedro. Este decide pegar uma garrafa de vinho, ir para seu escritório na casa e começar um jogo de xadrez, mas não só isso, as peças brancas representam um grande amigo morto, Alberto. Ele também vai usar um manual de grandes jogadas de Kasparikov. Antes de começar o jogo algo começa a perturbá-lo, um manuscrito inacabado guardado em uma gaveta. E após muito tempo guardado ele decide colocar o destino desse manuscrito de acordo com o resultado do jogo. Se Alberto ganhar ele termina o trabalho, senão ele se desfaz do manuscrito. 

Após um pouco de vinho e algumas jogadas, fica evidente o final da partida, o grande gênio Kasparikov está ganhando e o destino está se encarregando do manuscrito, só que Pedro está ficando muito cansado, cansado a ponto de não conseguir fazer mais algumas jogadas e acaba embalando em um sonho que lhe parece muito real. 

E nesse sonho ele começa não só a relembrar os encontros que tinha com Alberto, mas sim reviver esses momentos, sobre histórias a respeito de uma ilha misteriosa que foi descoberta por alguns amigos pescadores, as mesmas histórias que já estavam escritas no manuscrito. E mesmo dormindo Pedro acha estranho, pois não consegue definir o inicio e o termino de um encontro, pois eles vão acontecendo continuamente, em cada, um relato novo sobre a ilha. 

Quando Pedro começa a recobrar a consciência ele se da por conta, que enxerga ele mesmo na cadeira onde estava escrevendo freneticamente em estado de transe, então ele tenta acordar devido ao susto e quando finalmente abre os olhos, se depara com o manuscrito e nele consta escritas totalmente novas... 

E o livro continua assim, cheio de mistérios. É uma leitura muito boa e de fácil compreensão. A obra é bem descritiva, desde os amigos pescadores até as paisagens da ilha. Confesso que nessa hora a leitura fica um pouco mais lenta, mas as histórias são muito diferentes, cheias de lendas e superstições e regado a muito álcool. Mas como todo bom pescador sempre tem uma boa história, com esses não foi diferente. Espero que vocês gostem... 



Naquela parte da história, Alberto interrompeu o relato, reclamando da garganta seca. Fez sinal ao garçom e aproveitou a pausa para fazer um comentário sobre algo que achou interessante. 
De acordo com o guia, a partir daquele ponto ninguém da região se atrevia a prosseguir porque era próximo de onde habitava um demônio, o lugar onde coisas estranhas aconteciam. 
A libertação do fazendeiro parecia ser o fim da história narrada por Alberto, mas como Pedro verificou depois, ainda restavam três página com algumas linhas escritas em letras miúdas.

Clique na imagem para aumentá-la.
Continue Lendo

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Resultado de Top Comentarista de 11/01/2017 a 28/02/2017.


Olá.
Eu sei que demorei muito gente, por isso mesmo suspendi os tops por enquanto, mas minha vida está uma correria, além de problemas de saúde.
Contudo, espero que logo tudo se acalme, que eu consiga entrega o TCC esse mês e que o exame que farei dia 05/06 me diga o que tenho.
Enfim, peço desculpas.
Vamos ao resultado: Houve empate entre Rudynalva e Jacqueline Nowinski então fiz um sorteio:


Parabéns Rudynalva! Enviei um e-mail para você me avisar sobre qual livro deseja e o outro será da Jacqueline.

Obrigada pelas participações.
Continue Lendo

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Lançamentos: Editora Petit.

Olá galera.
Vocês não sabem como minha vida esta corrida. Entrega do TCC é esse mês, torçam para eu conseguir! Depois espero que as coisas se acalmem... Embora venha os estudos para a OAB daí, haha. Quem sabe ano que vem tudo acalme né?

Que tal para distrair a mente olhar os lançamentos da Editora Petit e ver se tem algum(ns) que desejam comprar?

Clara e Amanda são irmãs que cresceram num lar europeu, do final do século 19, quando os casamentos ainda eram arranjados pelos pais. Clara é apaixonada por Raymond, o jardineiro da família. Por ser a filha mais velha, se vê obrigada a se casar com o rico Raphael. Porém, às vésperas de suas bodas é acometida por uma doença desconhecida que a deixa à beira da morte. Para não interromper o acordo entre as famílias, Amanda se casa no lugar da irmã. Mas a troca das noivas não é bem recebida por Raphael, já que havia se apaixonado por Clara. O rapaz não supera a decisão, alheia à sua vontade, e passa a desconfiar de que a doença repentina da jovem é puro fingimento para evitar o matrimônio. Essa paixão não correspondida e um segredo inviolável marcarão para sempre a vida da jovem Clara e de todos que a rodeiam. - Número de páginas: 352.


Quem nunca ouviu da boca de uma criança histórias sobre seus amigos invisíveis ou relatos de experiências vividas em outro período na Terra? Nesta obra, Valéria, diretora de uma escola de crianças e adolescentes, nunca tinha presenciado nada incomum entre eles, quando, de repente, começam a apresentar comportamentos estranhos. Profissional comprometida com o trabalho, Valéria fica desorientada. Ao buscar ajuda, conhece o médico Maurício, que a levará a compreender que apenas conhecimentos pedagógicos e psicológicos não são suficientes para ajudar seus alunos. - Número de páginas: 392.


Violetas na Janela agora em quadrinhos! O que era bom, agora ficou melhor ainda. Com lindas ilustrações de Luis Hu, o leitor vai fazer uma viagem deliciosa pelo mundo dos espíritos acompanhando Patricinha e seus amigos.Um dia Patricinha acordou e percebeu que não estava em casa. Viu um lugar que lembrava um hospital, mas sem barulho de hospital. Usava o mesmo pijaminha azul de todos os dias, só que aquela não era sua cama nem seu quarto. Como podia? Ela começou a ficar intrigada. É possível acordar de uma hora para outra num lugar estranho, e ainda por cima sem medo? Pois esta é a melhor parte da história: Patricinha descobriu que nem sempre precisamos ter medo do que não entendemos. Ela conta coisas incríveis que conheceu após esse despertar, como as colônias, por exemplo, um lugar cheio de cor, bom humor e alegria, e nos convida a uma viagem deliciosa pelo mundo dos espíritos. - Número de páginas: 96.

Espanha, século 17. Santiago, jovem médico criado pelo avô desde a morte dos seus pais, de repente descobre que é herdeiro de terras em Córdoba. Na busca pela herança, acaba conhecendo um grande amor e um segredo inviolável sobre o passado do seu avô. Conforme vai adquirindo consciência sobre a história de sua família, marcada por mentiras, assassinatos e traições, Santiago se vê confrontado a acreditar numa realidade espiritual. Sua obsessão pela verdade não resulta apenas em uma história de amor, mas também em autoconhecimento. Revela que na roda viva da existência terrena tudo se entrelaça: da dor à paixão; do sofrimento à paz; do humano ao divino. - Número de páginas: 352.


Bruna e Armando estavam muito felizes com a chegada de Luciene, a primeira filha do casal. No entanto, a alegria durou pouco. Aquele anjo, ainda no começo da jornada, volta ao mundo espiritual com apenas quatro anos de idade. A tristeza tomou conta daquele lar. Deus, porém, presenteia-os com a vinda de Alice, trazendo novamente alegria ao lar. Com o passar do tempo, eles começam a observar na menina um comportamento muito semelhante ao da primeira filha. Vão em buscas de respostas para poder entender o que está acontecendo. Nessa trajetória, começam a compreender que a vida não é apenas esta pálida imagem terrena que temos, e que há muito mais coisas importantes para descobrir. - Número de páginas: 256.


Quando Clara desencarnou, sua filhinha Júlia tinha apenas 3 anos. Por ser um espírito abnegado, Clara foi autorizada pelos dirigentes espirituais a enviar mensagens à filha. A protagonista conta como foi seu encontro com o pai de Júlia e revela todos os problemas de sua existência quando encarnada, desde o casamento até as  incompreensões de seus pais para com suas atitudes e atos humanistas, que provocavam estranhamento entre os conhecidos. As mensagens de Clara à filha foram o caminho que ela encontrou para continuar seu dever de mãe, que, muito mais do que educar e transformar os filhos em cidadãos, direciona-os no caminho de Deus. Um relato emocionante cheio de amor maternal. - Número de páginas: 240.


Continue Lendo

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Resenha Contos de Meninos e Meninas, Contos de Homens e Mulheres de Marcos Petry.


Título: Contos de meninos e meninas, contos de homens e mulheres.
Autora: Marcos Petry.
Editora: Chiado.
Número de páginas: 154.
Ano de lançamento: 2016.
Cortesia da editora.

Sinopse:
Relatos e vivências de um grupo de habitantes de Belo Lago ora se cruzam ora estão distantes. Todos buscando tirar o melhor em suas vidas... Entre eles uma força quase opressora cresce em silêncio: Misto de medo e apreensão ante suas adolescências, aumentado pela influência de seus gadgets, aos quais acabam atribuindo valores vitais. O tempo pode se revelar um fator chave no entendimento de si próprios e no fortalecimento pessoal... Pode também fazê-lo de maneira efêmera pois, como descobrirão, a tecnologia não pode esperar por eles, nem tão pouco a própria vida!

Opinião: 

O livro se passa numa cidade chamada Belo Lago em meados de 2020, onde a tecnologia basicamente domina a vida não só dos jovens, mas de todos os habitantes da cidade. A obra traz contos de jovens da cidade, que por estarem tão imersos nesse mundo de tecnologia acabam sendo afetado das maneiras mais diversas. Como a mídia pode nos afetar? Ou a comunicação? Ou se afastar disso tudo tão bruscamente? É possível ter o controle desse efeito na vida pessoal? São alguns dos questionamentos implícitos que o livro traz no decorrer dos contos. É demonstrado como cada pessoa ainda está tentando procurar seu lugar no mundo e tentando se definir, principalmente os jovens. O medo e o receio é bem comum nos personagens apresentados, mas também a construção do seu amadurecimento pessoal. Durante o decorrer do livro você pode perceber um certo crescimento dos personagens e também como as suas histórias, apesar de às vezes tão diferentes, conseguem se entrelaçar e voltar ao nosso posicionamento sobre a tecnologia.

O que mais gostei no livro é que traz como a tecnologia pode nos afetar de maneiras completamente diferentes. De uma apresentação musical que não deu certo porque uma amiga resolveu acreditar mais em um estereótipo masculino à pressão que ser alguém nas redes sociais, o livro mostra diferentes facetas que a internet e a tecnologia no geral pode ter. Alguns conseguem se descobrir no meio do caminho, sabendo diferenciar entre o que pode ser útil e agradável e o que pode ser ruim. É importante que realmente saibamos discernir no que a tecnologia realmente tem nos beneficiado nos últimos anos, ainda mais nos tempos atuais em que é óbvio que não podemos mais viver sem ela. Tudo atualmente está de alguma forma relacionado à tecnologia, se abster completamente dela, atualmente, é praticamente impossível. Cabe a cada um saber como isso pode nos afetar. 

Por outro lado, alguns personagens acabam agindo de forma inconsequente, mas ao mesmo tempo você percebe que é algo muito mais comum do que a gente imagina. A busca pela aceitação da sociedade, padrões de beleza, amizades, tudo isso acaba fazendo com que esses personagens acabem se perdendo de alguma forma pra alcançar tudo isso. Alguns perdem relacionamentos, outros perdem a própria identidade e no fim ficam se questionando se tudo o que fazem está mesmo valendo a pena. A maioria deles, nas redes sociais parecem pessoas extremamente felizes, ou que estão realmente curtindo o momento e o lugar em que estão, mas por trás, isso é tudo mascarado apenas por causa dessa busca incessante por aceitação. Com o tempo essas pessoas não conseguem mais ver os limites dessa linha tênue entre o que é real e o que não é. 

A mensagem mais importante que esse livro quer passar é que esses questionamentos também devem mover a gente. As vezes estamos tão acostumados com a tecnologia que não nos preocupamos como isso nos afeta. E questionar nosso posicionamento em relação à tecnologia (incluindo redes sociais, mídia e etc), também faz parte do nosso amadurecimento e isso é bem exemplificado no livro. Um tema bastante pertinente e às vezes muito pouco debatido pela nossa geração e como isso nos afetará no futuro ou como isso afetará as próximas gerações. 

Não posso dizer que amei o livro, mas achei realmente interessante a temática e a forma como foi abordada. Um dos maiores problemas do livro é que ele é bem confuso e a leitura é um pouco desgastante. Achei que muitos nomes que apareciam eram desnecessários para o desenrolar da narrativa e acabavam deixando a obra um pouco entediante. Também há muitos erros de escrita, de gramática e de digitação, o que acaba deixando o livro ainda menos atrativo. Apesar de alguns contos serem bons, outros se tornam um pouco bobos e meio desnecessários para o enredo do livro em si. 


Nenhum texto alternativo automático disponível.

Ao receber os sorrisos daquela gente, Cipriana sentiu que fora, de certa forma, encurralada numa bifurcação: "Os likes ou as pessoas reais?". Ficou com um híbrido das duas coisas... Ela concentrou-se em explicar isso a si mesma como uma forma de afirmar a nova posição. Pela primeira vez em muitos anos Cipriana imaginou a maior parte das situações pela qual passou a vida a fora e aqueles com quem ela dividiu seus momentos... "Certamente não foram 500." Ponderou. 
[...] Não pode deixar de querer distância... Talvez não quisesse distanciar-se da amiga, queria estar longe dali quando aparecesse o primeiro zumbi. [...] Ao terminar suas séries e desaquecimentos, ela retornou à realidade. E foi como estar olhando para um quadro estático: Eram as mesmas caras de outrora que a contemplavam munidos de seus telefones. "Fale... Espante eles! " Seja influente!" "DIGA ALGUMA COISA!" - Gritou sua consciência. "E que escolha eles terão?"
Clique na imagem para aumentá-la.

Continue Lendo

sábado, 29 de abril de 2017

Resenha Por Toda a Eternidade de Kristin Hannah.


Título: Por Toda a Eternidade.
Série: Firefly Lane #2.
Autora: Kristin Hannah.
Editora: Novo Conceito.
Número de páginas: 400.
Ano de lançamento: 2014.
Compras da Caths.

Sinopse:
Tully Hart é uma mulher ambiciosa, movida por grandes sonhos que, na verdade, escondem as lembranças de um passado de abandono e dor. Ela acredita que pode superar qualquer coisa ao esconder bem fundo os sentimentos de rejeição que carrega desde a infância... Até que sua melhor amiga, Kate Ryan, morre. Então, tudo começa a mudar para Tully, que se vê escorregando em um precipício cheio de memórias melancólicas e remédios para dormir... Dorothy Hart — ou Cloud, como era conhecida nos anos 1970 — está no centro do trágico passado de Tully. Ela abandonou a filha repetidas vezes na infância. Até que as duas se separaram de uma vez por todas. Aos dezesseis anos, Marah Ryan ficou devastada pela morte da mãe, Kate. Embora seu pai e seus irmãos se esforcem para manter a família unida, Marah transformou-se numa adolescente rebelde e inacessível em sua dor. Tully tenta aproximar-se de Marah, mas sua incapacidade para lidar com os sentimentos da afilhada acaba empurrando a menina para um relacionamento infeliz com um rapaz problemático. A vida dessas mulheres está intimamente ligada, e a maneira como elas vão rever seus erros e acertos constrói um romance comovente sobre o amor, a maternidade, as perdas e o novo começo. Onde há amor, há perdão...

Opinião:

Por Toda a Eternidade se passa depois dos acontecimentos do livro Amigas para Sempre, portanto, a resenha terá spoiler sobre a primeira obra.

Em Amigas para Sempre conhecemos a história de Kate e Tully que são amigas desde crianças. Vemos que Kate inveja a independência de Tully e que esta inveja a família de Kate, visto que sua mãe desde que ela nasceu foi uma drogada e não ligou para ela. No final da obra temos a morte de Kate devido ao câncer. 

O principal elo da vida de Tully era Kate. Então quando ela morre o mundo desaba para Tully que se vê sem emprego, já que tinha o largado rapidamente para ficar com Kate, e se vê em constante briga com Jhon, marido de Kate.

A obra Por Toda a Eternidade começa com Tully em uma péssima noite. Infelizmente, ela se tornou o que mais desprezava: uma viciada.  Então quando ela descobre que sua afilhada Marah a atraiu pega o carro e o bate ficando em coma.

No decorrer do livro temos conversas de uma Tully em coma com Kate e os personagens revivendo os acontecimentos dos últimos anos desde a morte de Kate.

Posso adiantar que a vida de nenhum deles saiu como o planejado: Tully se afundou, sem emprego, sem amigos e virando uma viciada, Jhon cometeu erros atrás de erros com Marah e Tully e Marah começou a se cortar, traiu Tully e fugiu para viver com um homem que não tinha futuro nenhum.

Mas temos uma surpresa no decorrer do livro: descobrimos mais sobre a  história da mãe de Tully e posso adiantar que não é como o esperado.

É um dos poucos livros da Kristin que eu não chorei lendo, mas isso não quer dizer que seja menos emocionante, pois a obra é cheia das reviravoltas e você acaba sofrendo com os personagens e torcendo para que eles não façam uma nova besteira.


Posso dizer que Kate fez falta nesse livro, nas linhas de todos os personagens você vê um pouco da falta que Kate faz, ela era, na maioria das vezes, quem os segurava juntos.


Algo que adoro nos livros da Kristin é que ela retrata muito bem pessoas, seus lados bons e ruins, e nessa obra vemos muito disso do interior de cada um e o que eles tentam passar para os outros, ao mesmo tempo que vemos eles tentando seguir em frente sem o porto seguro que conheceram durante toda a vida.


É um livro sobre perda e como você tenta lidar com ela, mas também é uma obra sobre recomeços. Gostei muito e indico, mas sugiro que você leia antes Amigas para Sempre, pois, ao meu ver, é necessário.


 

 
Ele sabia que explodira injustamente. Noutra ocasião, noutro mundo, ele se importaria em pedir desculpas. Kate iria querer que fizesse isso, mas agora Jhonny não conseguiria dar conta. Ele usava tudo o que tinha só para se manter de pé. Sua esposa estava morta havia 48 horas e ele já era uma versão pior de si mesmo.

Um dos filmes preferidos da mamãe. Quantas vezes ela dissera "andar deste jeito" e fingira andar como Marry Feldman? E quantas vezes Marah revirara os olhos, impaciente com aquela velha piada?

- Eu costumava pensar a mesma coisa també, Fred. Acho que isso é parte do meu problema. Vou me dar bem aqui. Você vai ver. Obrigada.

- Não. Você sabia que ela estava dormindo com... aquele moleque... - Sua voz falha. - Não sei como a Kate ficou ao seu lado todos aqueles anos, mas sei disto: acabou. Isto é culpa SUA. Fique longe da minha família.

Aparências. Eis o que importava para os meus pais. Eles não se importavam com o porquê de eu ter chorado na sala de aula ou puxado meus cabelos, e sim com o fato de eu ter feito isso em público. 

E havia lugares piores do que aquele onde eu estivera. Sabia disso. Falava-se no hospital sobre crianças com olhos brancos e mãos trêmulas, banhos de gelo e coisas piores. Lobotomia.

Clique na imagem para aumentá-la.
Continue Lendo